Pular para o conteúdo principal

Não Oficialmente! Uma das melhores explicações para ainda não termos encontrado vida alienígena



Até agora, os únicos exemplos de vida consciente que encontramos estão no nosso próprio planeta. Não é por falta de tentativa – mandamos naves espaciais para as profundezas do nosso sistema solar e, até agora, continuamos sozinhos. E se o problema não estiver em onde estamos procurando, e sim quando?

Um estudo a ser publicado no Journal of Cosmology and Astroparticle observa a possibilidade de a vida como conhecemos não exigir uma estrela parecida com o nosso Sol, e conseguir emergir em planetas orbitando estrelas muito menores e mais fracas. Se permitirmos essa possibilidade de existir vida em estrelas nada parecidas com o Sol, então é possível que o universo se torne muito mais habitável em um futuro distante do que é hoje.

Estrelas de baixa massa
“É natural pensarmos que nós somos as formas de vida mais comuns que existem, simplesmente porque somos as únicas que conhecemos,” disse ao Gizmodo o autor do artigo, Avi Loeb, da Universidade de Harvard. “Assim, as pessoas assumem que estar próximo a uma estrela como o nosso Sol aumenta a possibilidade do surgimento da vida.”

Se você descartar essa ideia de que é preciso uma estrela como o nosso Sol, no entanto, surge uma nova classe de estrelas – menores e menos potentes que o Sol, porém muito mais comuns – que subitamente começam a parecer boas candidatas a possibilitar o surgimento da vida. Elas são chamadas estrelas de baixa massa.

Apesar de essas estrelas lançarem menos luz e calor do que o nosso Sol potente, elas ainda emitem o bastante para criar zonas habitáveis que podem abrigar água líquida em planetas rochosos com órbitas próximas. Não apenas esse tipo de estrela é mais comum no universo do que as parecidas com o Sol, como elas também têm vida muito mais longa – mais de 1.000 vezes maior do que a dos sóis.

Usando essas informações, Loeb calculou que é muito mais provável que vida surja em um futuro distante ao redor dessas estrelas de baixa massa do que no nosso tempo em um planeta que orbita um sol como a nossa Terra.

“Se permitirmos que estrelas de baixa massa tenham vida, assim como a que existe aqui na Terra, então a probabilidade de vida surgir nos próximos 10 trilhões de anos é milhares de vezes maior do que agora,” disse Loeb.


Proxima Centauri, uma estrela de baixa massa a apenas quatro anos-luz de distância de nós. Crédito: ESA/Hubble/NASA

Cedo demais?
Ainda assim, não estamos orbitando uma estrela de baixa massa, trilhões de anos no futuro. Estamos aqui e agora, orbitando o nosso Sol – e esse é o único lugar do universo que sabemos que tem vida. Isso sugere uma explicação intrigante: talvez tenhamos começado nossa busca cedo demais.

Em outras palavras, podemos realmente estar sozinhos no universo agora. Mas só porque queimamos a largada e a vida ainda vai demorar um pouco para começar em outros lugares. Se essa hipótese estiver correta, então a explosão de vida no universo ainda não aconteceu – e provavelmente não vai acontecer pelos próximos trilhões de anos.

Há também uma segunda explicação alternativa que considera todos os fatos. Talvez exista algo sobre as estrelas de baixa massa que, mesmo em zonas tecnicamente habitáveis, evita a formação da vida.

“Nós mantemos a noção de que, talvez, estejamos no centro do universo biológico, que somos realmente únicos ou especiais nesse sentido, ou em termos de inteligência,” disse Loeb. “Se acontecer mesmo de sermos raros e termos chegado cedo, então isso seria bastante surpreendente para mim porque, até agora, sempre que procuramos, descobrimos que não somos especiais e não somos o centro do universo.”

Descobrir qual dessas duas possibilidades é a mais correta pode ajudar a entender se as estrelas de baixa massa de fato podem dar suporte a vida. Não precisamos necessariamente esperar alguns trilhões de anos para isso. Loeb sugere que as respostas podem ser encontradas na próxima década, ou um pouco além disso.

Ao coletar amostras da atmosfera de planetas próximos a essas estrelas, pesquisadores podem buscar por biomarcas que sugeririam se esses planetas são capazes de abrigar vida. Se eles encontrarem atmosferas sem sinais disso, então é provável que alguma coisa nessas estrelas – talvez a frequência das erupções solares ou outro atributo – faz com que o planeta que a orbita fique estéril.

Se, no entanto, eles descobrirem que esses planetas são capazes de abrigar vida, pode ser que a ausência de vida no resto do universo seja causada pelo fato de que chegamos cedo demais para ver outros seres como nós.

Foto: Conceito artístico de um planeta parecido com a Terra orbitando uma estrela de baixa massa. Via Christine Pulliam (CfA)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…