Pular para o conteúdo principal

Ex-fuzileiro naval estadunidense descreve atividade de ovnis sobre base militar


Portão de entrada da base de Guantanamo.

Um ex-fuzileiro naval dos Estados Unidos que estava a serviço na Baía de Guantanamo, Cuba, em 1968 e 69, se manifestou para revelar uma atividade OVNI observada dentro e ao redor da base, de acordo com testemunho registrado no Caso nº 74794 da Mutual UFO Network – MUFON.

O fuzileiro naval estava de prontidão na linha da cerca.

“Todos nós fuzileiros estávamos impressionados com a quantidade de atividade OVNI sobre e ao redor desta base”, declarou a testemunha. “Virtualmente todas as noites OVNIs estavam voando acima de nós, a altitudes de menos de 90 metros.”

A testemunha descreveu o que viram na época:

“A maioria destes OVNIs tinha aproximadamente entre 15 e 30 metros de diâmetro, mas a olho nu eles pareciam fora de foco, nebulosos, com pequenos rastros vermelhos por detrás deles. Quando fiquei de guarda no lado sul da base, testemunhei em muitas, muitas noites, OVNIs pousando e decolando do oceano. Havia grandes luzes azuis se movendo ao redor deles no oceano e então vagarosamente perdiam seu brilho à medida que, obviamente, submergiam.”

A testemunha disse que o evento mais emocionante veio quando ele ficou de guarda no portão principal.

“Eram aproximadamente 19h00 (escuro), quando sai da guarita e olhei do outro lado da cerca na guarita cubana abandonada, quando algo captou meus olhos. Por detrás da guarita cubana, próxima do solo, estava uma enorme nuvem com uma luz pulsante azul/branca no meio dela.”

A testemunha pediu a seu parceiro para verificar o que ele estava vendo, porque agora o objeto tinha se elevado acima da guarita cubana e estava vindo diretamente em sua direção.

“Logo então, a torre de observação nos chamou e estava gritando para darmos o fora de lá. Naquele momento era muito tarde, porque o OVNI estava sobre meu parceiro e mim. Não havia ruído algum, somente esta linda nuvem branca, com uma luz azul/branca pulsante.”

Os dois ficaram lá em pé por vários minutos, somente olhando ao objeto, até que o sargento da guarda os ordenou a deixarem a guarita.

“Caminhamos até o dormitório, que fica numa colina a aproximadamente 60 metros de distância, onde pudemos observar de uma distância segura. A inteligência da base chegou com uma equipe de pessoas que começaram a filmar este OVNI, que lá ficou por aproximadamente três horas antes de se mover ao oeste da linha da cerca. O OVNI viajou aproximadamente 400 metros, parou por um momento, então, como uma bala, subiu direto para o céu até desaparecer. Eu gostaria de retornar até lá para ver se os OVNIs ainda estão aparecendo. As datas que mencionei são um tiro no escuro, pois isto ocorreu há 50 anos.”

O campo de detenção da Baía de Guantanamo é uma prisão militar estadunidense, localizado dentro da Base Naval da Baía de Guantanamo, em frente a Baía de Guantanamo, Cuba.



FONTE: http://www.openminds.tv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…