Pular para o conteúdo principal

Satélite Swift comemora 10 anos


No tipo mais comum de explosão de raios-gama, uma estrela maciça e moribunda forma um buraco negro (esquerda), que liberta um jato de partículas para o espaço. A radiação por todo o espectro electromagnético surge do gás quente perto do buraco negro, de colisões com o jacto, e pela interação do jacto com os seus arredores.
Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA

Durante a última década, o observatório espacial Swift da NASA tem provado ser uma das missões astrofísicas mais versáteis de sempre. Continua a ser o único satélite capaz de localizar com precisão explosões de raios-gama - as explosões mais poderosas do Universo - e de monitorizá-las através de uma ampla gama de comprimentos de onda antes de desaparecerem de vista.

"Swift" (português para "rápido", "veloz" ou "repentino") não é apenas um nome - é um recurso básico, uma parte do ADN do observatório. Os GRBs (gamma-ray bursts, em inglês) geralmente duram menos de um minuto e o Swift detecta cerca de dois eventos por semana. Assim que o Swift observa um GRB, automaticamente determina a localização da explosão, transmite a posição para a comunidade astronômica e, em seguida, volta-se para o local a fim de investigar com os seus próprios telescópios sensíveis.

"Este processo pode demorar no mínimo 40 segundos, tão rápido que por vezes apanhamos apenas o fim do próprio GRB," afirma John Nousek, diretor de operações da missão e professor de astrofísica da Universidade Penn State, em University Park, no estado americano da Pennsylvania. "Dado que o Swift responde autonomamente a súbitas explosões de radiação altamente energética, também nos fornece dados sobre uma ampla gama de eventos de curta duração, como explosões de raios-X de estrelas e de outros objetos."

Até à data, o Swift detectou mais de 900 GRBs. As suas descobertas incluem uma nova classe ultra-longa, cujas emissões de alta energia duram horas; o GRB mais longínquo, cuja luz viajou mais de 13 mil milhões de anos até chegar até nós; e o GRB a "olho nu", que por cerca de um minuto foi brilhante o suficiente para ser observado à vista desarmada apesar de estar a 7,5 mil milhões de anos-luz de distância. No início da missão, as observações do Swift forneceram a "arma fumegante" que validou os modelos teóricos de longa-data que sugeriam que os GRBs com durações inferiores a dois segundos vinham de fusões de duas estrelas de neutrões, objetos com a massa do Sol esmagados até ao tamanho de uma cidade.

Além dos seus estudos de GRBs, o Swift realiza uma ampla gama de observações de outros fenômenos astrofísicos. Um sistema flexível de planeamento permite com que os astrônomos solicitem observações "alvo-de-oportunidade", que podem ser comandadas a partir do solo em menos de 10 minutos, ou a criação de programas de monitoramento para observar fontes específicas em intervalos de tempo que variam entre minutos e meses. O sistema pode programar até 75 alvos independentes por dia.

"Estas características fazem do Swift um pioneiro num campo em expansão que chamamos de astronomia no 'domínio do tempo'," afirma Neil Gehrels, investigador principal da missão no Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, Maryland, EUA. "Assim como estendemos a astronomia telescópica desde o visível até outros comprimentos de onda, estamos agora começando a estudar como as propriedades dos objetos astronômicos mudam ao longo de uma ampla gama de escalas de tempo, de menos de um segundo até décadas."

Alguns projetos requerem anos de observações, como a monitorização a longo prazo do centro da nossa Galáxia - e do seu buraco negro supermassivo dormente - com o telescópio de raios-X do Swift. Os astrônomos também estão a usar o instrumento BAT (Burst Alert Telescope) para realizar uma pesquisa contínua de mais de 700 galáxias ativas, onde monstruosos buracos negros devoram grandes quantidades de gás e brilham intensamente em raios-X e raios-gama.

Os projetos de curto prazo incluem observações para mapear as galáxias mais próximas no ultravioleta. O objecto mais exigente foi a Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia satélite da Via Láctea a uma distância de aproximadamente 163.000 anos-luz. O instrumento UVOT (Ultraviolet/Optical Telescope) do Swift capturou 2200 "instantâneos" para cobrir a galáxia, produzindo a melhor imagem de sempre no ultravioleta. "O UVOT é o único telescópio que pode produzir pesquisas de campo-largo e de alta-resolução no ultravioleta," afirma Michael Siegel, que lidera a equipa do instrumento na Penn State.

Em 10 anos de operação, o Swift fez 315.000 observações individuais de 26.000 alvos separados, apoiando quase 6200 pedidos de "alvo-de-oportunidade" por mais de 1500 cientistas. As suas observações vão desde os estudos ópticos e ultravioletas dos cometas e asteroides até à captura de raios-X e raios-gama de alguns dos objetos mais distantes do Universo.

Outro grande destaque dos estudos do Swift, entre cerca de 300 supernovas, foi a descoberta, em 2008, de sinais de raios-X produzidos por uma estrela apanhada no ato de explodir. As ondas de choque romperam a superfície da estrela moribunda e produziram um flash brilhante.

O Swift foi lançado para órbita no dia 20 de Novembro de 2004 e irá continuar o seu trabalho científico altamente produtivo até, pelo menos, 2016.





FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…