Pular para o conteúdo principal

Estamos ficando sem o combustível nuclear que viabiliza as viagens espaciais



O módulo da Rosetta durou apenas 60 horas em um cometa antes de parar nas sombras de um pico, onde os painéis solares não conseguem gerar energia para o veículo. Por que ele não tem uma fonte de energia mais confiável, como uma bateria nuclear como a que serviu por décadas, sem falhas, a Voyager? É uma pergunta simples com uma resposta fascinante, uma que começa na Guerra Fria e termina com o futuro da exploração espacial.

Quando se fala em viagens espaciais, o plutônio-238 é o combustível perfeito: dura bastante e, como explicarei a seguir, é relativamente seguro. Sem ele, não temos muitas chances de ir além de Marte, já que depois disso fica muito escuro para confiar em painéis solares, a fonte de energia alternativa mais comum no espaço. Mas o mundo está ficando rapidamente sem plutônio-238. Motivo? Porque nós paramos de fabricar armas nucleares.

As origens na Guerra Fria
O plutônio-238, veja você, é um subproduto da fabricação do plutônio-239, mais conhecido como ingrediente principal das armas nucleares. Durante a Guerra Fria que deu início à corrida espacial, isso era um fato bastante conveniente. O Sítio Savannah River, na Carolina do Sul, fabricava plutônio-239 para as bombas e também plutônio-238 para satélites e sondas espaciais. Depois que Savannah River foi desativado nos anos 1980 (apenas para virar um desastre ambiental), a NASA começou a comprar plutônio-238 da Rússia.

Desde então, a NASA mandou pedaços de plutônio-238 nas duas naves Voyager, na Curiosity em Marte e em diversas outras sondas que exploram os cantos mais sombrios do sistema solar.

O plutônio-238 também calhou de ser o combustível ideal para naves. Embora altamente radioativo, o tipo de radiação que ele emite não penetra facilmente em outros materiais, o que o torna seguro. Envolto em metal irídio, os pedaços de plutônio-238 brilham em vermelho fogo dando-lhe bastante calor. Desde que esses pedaços não se quebrem, a radiação não é problema. Esses pedaços são colocados em geradores termoelétricos radioisótopos (RTG, na sigla em inglês), que transformam o calor em eletricidade. Ele pode durar anos, até décadas no caso da Voyager que, agora, explora o espaço interestelar.


Um pedaço de plutônio-238 feito para o RTG ou da missão Cassini para Saturno, ou para a missão Galileo para Júpiter.

De volta à Terra, porém, nosso estoque de plutônio-238 está acabando. De acordo com um artigo recente na Nature, a NASA tem apenas 35 kg de plutônio-238 – em uma reserva antiga, e menos da metade utilizável como combustível. A próxima missão a Marte será lançada em 2020 e usará 4,98 kg dele. A Rússia não vende mais plutônio-238, possivelmente porque acabou ou está acabando.

O isótopo não ocorre naturalmente. Ninguém mais no planeta tem plutônio-238.


Fazendo (novamente) plutônio-238


Sala de controle do Reator de Isótopos de Alto Fluxo usado para fazer plutônio-238 em Oak Ridge. Sim, é antigão. Crédito: ORNL.

Existe um plano. Em 2013, a NASA começou a pagar ao Departamento de Energia dos EUA US$ 50 milhões por ano para desenvolver um programa para a fabricar plutônio-238 novamente. Com as fábricas que produziam e lidavam com o lixo tóxico desativadas há muito tempo, não será algo fácil. Nem rápido. Mesmo que tudo corra dentro do esperado, o Departamento de Energia estará produzindo 1,1 kg de plutônio-238 em 2021.

O plano de produção, para o momento, envolve a ativação de pelo menos três laboratórios espalhados pelos Estados Unidos:

Laboratório Nacional de Idaho: o material precursor, neptúnio-237, é extraído do combustível de reatores nucleares.
Oak Ridge no Tennessee: um reator irradia neptúnio-237 para criar plutônio-238. O plutônio-238 e qualquer neptúnio-237 que sobra são extraídos para serem usados como combustível e reciclado, respectivamente.
Los Alamos no Novo México: o plutônio é prensado em pedaços e estocado.
Após duas viagens que quase cruzam o país, enfim temos plutônio-238 pronto para ser usado. (Para detalhes mais técnicos sobre a produção do plutônio-238 e um mapa estiloso, vá até a Nature.) Também está nos planos transformar o laboratório de Idaho em uma segunda unidade para irradiar neptúnio-237, mas o processo para fazer isso ainda está sendo planejado.


Um corte seccional (esquerda) e uma foto do Reator de Isótopos de Alto Fluxo usado para fazer plutônio-238 no Laboratório Nacional de Oak Ridge. Crédito: ORNL.

Na realidade, boa parte da metade final do plano ainda será anunciada. Um porta-voz do Departamento de Energia confirma que os cientistas de Oak Ridge só agora começaram a testar os processos químicos para extrair plutônio-238 e neptúnio-237 depois do processo de irradiação. E então há o tedioso, porém necessário trabalho de levar o processo de produção a escalas maiores. Espera-se que ele esteja totalmente funcional daqui a sete anos.

O futuro incerto
Com o estoque atual da NASA e o plano de produção do Departamento de Energia, os EUA têm plutônio suficiente para bancar duas missões em uma década nos próximos vinte anos. Certamente é melhor do que nada, mas esse cenário coloca em perspectiva como o combustível nuclear é realmente um fator limitante na exploração espacial.

À luz disso tudo, faz sentido que a missão Rosetta não tenha sido uma boa candidata ao RTG. Da forma mais pragmática, a Agência Espacial Europeia teria que comprar plutônio-238 dos EUA ou da Rússia, e parece que nenhum dos dois se animaria muito em compartilhar um recurso tão precioso. Sem falar que, nesse caso, painéis solares eram uma alternativa viável, diferente de… digamos, a futura missão New Horizons da NASA para Plutão, onde é muito escuro para confiar na energia do Sol.

A Guerra Fria deu início à exploração espacial e os combustíveis daquela época ainda fazem voar as nossas naves modernas. Laços históricos não são facilmente desfeitos, mas perto dos estragos que a Guerra Fria causou e do horrível desastre ambiental que foi a produção de combustíveis nucleares, pelo menos tivemos a oportunidade de transcender a pequenez do planeta Terra e ter um vislumbre da imensidão do espaço.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…