Pular para o conteúdo principal

WWW, a intricada rede de raízes, fungos e bactérias que interliga as plantas nas florestas


Pesquisadores mapearam o subterrâneo das florestas

Claire Marshall
BBC News

Debaixo de cada floresta há uma teia subterrânea complexa de raízes, fungos e bactérias que ajudam a conectar árvores e plantas umas às outras.

Essa rede subterrânea tem quase 500 milhões de anos e ficou conhecida como "wood wide web" ("rede global florestal" em tradução livre) analogia à world wide web (www), a rede digital que permite usufruir do conteúdo transferido pela internet).

Agora, um estudo internacional publicado na renomada revista Nature produziu o primeiro mapa global da rede de fungos micorrizas (como são chamada as associações entre fungos e raízes) que dominam esse mundo "secreto".

Pesquisadores do Laboratório Crowther, da Suíça, e da Universidade de Stanford, nos EUA, usaram uma base de dados da Global Forest Initiative, que cobriu 1,2 milhão de árvores de 28 mil espécies em mais de 70 países.

Por meio de milhões de observações diretas de árvores e suas associações simbióticas no solo, os pesquisadores puderam construir modelos para visualizar essas redes de fungos pela primeira vez.

Thomas Crowther, um dos autores do estudo, disse à BBC que é a primeira vez que pesquisadores são capazes de entender o mundo debaixo dos nossos pés, mas numa escala global.



A pesquisa revela quão importante são as redes de micorrizas para limitar as mudanças climáticas – e como elas são vulneráveis aos efeitos dela.

"Assim como imagens de ressonância magnética do cérebro nos ajuda a entender como ele funciona, esse mapa global dos fungos subterrâneos nos ajuda a entender o funcionamento dos ecossistemas globais", disse Crowther.

"O que descobrimos é que certos tipos de micro-organismos vivem em certas partes do mundo. Entendemos que podemos descobrir como restaurar diferentes tipos de ecossistemas e também como o clima está mudando", completou o professor.

A perda de grandes partes da rede de micorrizas pode aumentar "o ciclo de retroalimentação do aquecimento das temperaturas e das emissões de carbono".

Os fungos micorrizas são aqueles que formam uma relação simbiótica com as plantas.


Se não houver redução nas emissões de carbono até 2100, pode haver uma redução de 10% dos fungos ectomicorrizas - e das árvores que dependem deles

Existem dois grupos principais de fungos: micorrizas arbusculares, que penetram as raízes dos hospedeiros, e ectomicorrizas que circundam as raízes das árvores sem penetrá-los.

Ectomicorrizas estão presentes, principalmente, em sistemas de clima temperado e ajudam a reter mais carbono da atmosfera. Eles são mais vulneráveis às mudanças climáticas.

Micorrizas arbusculares, por sua vez, são mais dominantes nos trópicos e promovem o rápido ciclo de carbono.

De acordo com a pesquisa, 60% das árvores estão conectadas a ectomicorrizas. Quando a temperatura aumenta, esses fungos, e as espécies de árvores associadas a eles, são substituídos por micorrizas arbusculares.

"Os tipos de fungos que sustentam grandes reservas de carbono no solo estão sendo perdidos e substituídos pelos que emitem carbono para a atmosfera", afirma o professor.

Segundo cientistas, isso poderia potencialmente acelerar mudanças climáticas.

Se não houver redução nas emissões de carbono até 2100, pode haver uma redução de 10% dos fungos ectomicorrizas – e das árvores que dependem deles.



Os resultados dessa descoberta podem embasar esforços de restauração da flora, como a campanha para plantio de um trilhão de árvores da Organização das Nações Unidas (ONU), informando quais tipos de espécies arbóreas, dependendo de sua rede micorriza associada, deveriam ser plantadas em que áreas específicas do mundo.

Martin Bidartondo, pesquisador associado do Kew Gardens, o Jardim Botânico de Londres, salienta a importância do estudo. "Agora, pela primeira vez, nós temos essa base de dados em larga escala que nos diz o que está acontecendo em todo o planeta".

"Através de nossas atividades diárias, estamos contando com que o carbono continue no solo e sendo acumulado ali. Se criamos condições por meio da mudança do tipo de fungos que estão interagindo com as plantas no solo, esse solo pode parar de acumular carbono e começar a liberá-lo. Assim, a taxa de emissão vai acelerar mais", diz Bidartondo.

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…