Pular para o conteúdo principal

Neuroprocessador de luz agora incorpora inteligência artificial


Ilustração esquemática do processador inspirado no cérebro, que imita as sinapses biológicas para fazer cálculos usando apenas luz. [Imagem: Fun-COMP project]

Processador neuromórfico

Uma equipe alemã e inglesa construiu um chip que contém embutida uma das mais promissoras tecnologias para o futuro da computação: uma rede de neurônios artificiais que funcionam com luz - e não com eletricidade - e capaz de rodar avançados algoritmos de aprendizado de máquina e inteligência artificial.

Essa "rede neurossináptica óptica" é capaz de aprender analisando grandes quantidades de dados e usar esse treinamento como base para computar e reconhecer padrões - como um cérebro.

Como o processador funciona apenas com luz, e não com elétrons, ele pode processar dados muito mais rapidamente, consumindo menos energia e esquentando menos.

"Este sistema fotônico integrado é um marco experimental," disse o professor Wolfram Pernice, da Universidade de Munster, na Alemanha. "A abordagem poderá ser usada no futuro em muitos campos diferentes para avaliar padrões em grandes quantidades de dados, por exemplo, em diagnósticos médicos".

O chip é uma melhoria significativa em relação ao trabalho anterior da equipe, que apresentou sua primeira versão de um neuroprocessador fotônico há cerca de dois anos. Agora o chip já incorpora um hardware dedicado à inteligência artificial.


O chip neuromórfico tem tamanho semelhante ao de uma moeda de um centavo. [Imagem: Peter Lehmann/WWU Muenster]

Rede neurossináptica

A equipe conseguiu mesclar vários materiais de mudança de fase em uma única rede neurossináptica. Os materiais de mudança de fase - usados nos DVDs regraváveis, por exemplo - mudam suas propriedades ópticas dependendo de serem cristalinos - quando seus átomos se organizam de maneira regular - ou amorfos - quando seus átomos se organizam de maneira irregular. Essa mudança de fase pode ser acionada pela luz quando um laser aquece o material.

"Como o material reage tão fortemente e altera suas propriedades dramaticamente, ele é altamente adequado para imitar sinapses e a transferência de impulsos entre dois neurônios," explica o professor Johannes Feldmann, membro da equipe.

A nova versão do chip contém quatro neurônios artificiais e um total de 60 sinapses. Sua estrutura - consistindo de camadas diferentes - foi baseada na tecnologia chamada multiplexação por divisão de comprimento de onda, que é um processo no qual a luz é transmitida em diferentes canais dentro do nanocircuito óptico.


Por enquanto são apenas quatro neurônios e 60 sinapses, mas esse número deverá crescer rapidamente. [Imagem: 10.1038/s41586-019-1157-8]

Processar dados com luz

Para testar até que ponto o sistema é capaz de reconhecer padrões, os pesquisadores alimentaram-no com informações, na forma de diferentes pulsos de luz, usando dois algoritmos diferentes de aprendizado de máquina. O sistema "aprende" a partir dos exemplos e pode, em última instância, generalizá-los.

No caso dos dois algoritmos utilizados - tanto no chamado aprendizado supervisionado quanto no não-supervisionado - a rede artificial conseguiu reconhecer os padrões que estavam sendo procurados - quatro letras consecutivas, por exemplo.

"Trabalhando com fótons em vez de elétrons podemos explorar ao máximo o potencial conhecido das tecnologias ópticas - não apenas para transferir dados, como tem sido o caso até agora, mas também para processá-los e armazená-los em um único lugar," acrescentou o professor Harish Bhaskaran, da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Um exemplo muito específico da aplicação da inteligência artificial embarcada nesse sistema fotônico neuromórfico seria identificar automaticamente células cancerígenas. Mas um bocado de trabalho ainda precisará ser feito para que aplicações assim se tornem realidade. Os pesquisadores precisarão aumentar o número de neurônios artificiais e sinapses e aumentar a profundidade das redes neurais. E fazer tudo funcionar em conjunto ainda é um desafio nada desprezível.

Bibliografia:

All-optical spiking neurosynaptic networks with self-learning capabilities
J. Feldmann, N. Youngblood, C. D. Wright, H. Bhaskaran, W. H. P. Pernice
Nature
Vol.: 569, pages 208-214
DOI: 10.1038/s41586-019-1157-8

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…