Pular para o conteúdo principal

O misterioso satélite russo com comportamento 'anormal' que gera preocupação nos EUA


Os EUA dizem que não sabem o que é o satélite ou por que ele está se comportando de maneira estranha

Um satélite russo com "comportamento muito anormal" em órbita deixou os Estados Unidos em alerta, segundo um funcionário do Departamento de Estado do país.

"Não sabemos ao certo o que é esse satélite e não há como averiguar", disse a secretária assistente de Estado para Controle e Verificação de Armas, Yleem Poblete, em uma conferência na Suíça nesta terça-feira.

Ela manifestou o receio de que não seja possível dizer se o objeto pode ser uma arma e afirmou que seu comportamento era incompatível com o de "qualquer coisa" avaliada a partir de uma inspeção em órbita (ou seja, enquanto está no espaço), inclusive outros artefatos russos.

A Rússia rechaçou os comentários, afirmando que não passam de "acusações infundadas e caluniosas baseadas em suspeitas".

O satélite em questão foi lançado em outubro do ano passado.

"As intenções russas com relação a esse satélite não são claras e são obviamente algo muito preocupante", acrescentou, citando comentários recentes feitos pelo comandante da Força Espacial da Rússia, segundo o qual adotar "novos protótipos de armas" era um objetivo-chave para a organização.

Poblete disse que os EUA tinham "sérias preocupações" de que a Rússia estivesse desenvolvendo armas antissatélite.

Alexander Deyneko, um alto diplomata russo, disse à agência de notícias Reuters que os comentários eram "as mesmas acusações infundadas e caluniosas baseadas em suspeitas, em suposições e assim por diante".

E pediu aos EUA que contribuíssem para o tratado no qual Rússia e China trabalham juntas há dez anos - discutido mais uma vez na conferência da qual Poblete participou nesta semana - e que visa evitar uma corrida armamentista no espaço.

'Lasers ou micro-ondas'
As armas espaciais podem ser projetadas para causar danos de formas mais sutis do que as armas tradicionais, como armas de fogo, o que poderia resultar em muito lixo espacial em órbita, explicou Alexandra Stickings, analista de pesquisa do Royal United Services Institute, instituto de pesquisas independente nas áreas de defesa e segurança, com sede em Londres, na Inglaterra.


Armas antissatélite poderiam interromper o funcionamento ou desativar permanentemente artefatos em órbita

"[Tais armas podem incluir] lasers ou frequências de micro-ondas que poderiam simplesmente parar o funcionamento (de um satélite) por um tempo ou desativá-lo permanentemente sem destruí-lo ou interrompê-lo via interferência", disse ela.

Mas seria difícil saber qual tecnologia está disponível, porque muita informação sobre os recursos espaciais existentes hoje é confidencial, acrescentou a secretária.

Ela também disse que seria muito difícil provar que qualquer evento causando interferência no espaço fosse uma ação intencional e hostil de uma nação específica.

Os comentários de Poblete foram particularmente interessantes à luz da decisão do presidente Donald Trump de lançar uma sexta ramificação das forças armadas dos EUA, chamada Space Force, ressaltou Stickings.

"A narrativa vinda dos EUA é 'o espaço estava realmente pacífico, agora veja o que os russos e os chineses estão fazendo' - ignorando o fato de que os EUA desenvolveram suas próprias habilidades (no ramo da tecnologia espacial)".

Um porta-voz do Ministério da Defesa do Reino Unido disse que não pode confirmar nem negar qualquer rastreamento de satélites russos.

"Há uma gama de ameaças e riscos para todos os recursos espaciais, em que há um domínio cada vez mais contestado", disse ele.

"Isso inclui o desenvolvimento de armas 'contra-espaciais' por diversas nações."

"O Reino Unido está trabalhando ao lado de aliados internacionais, incluindo os EUA, para reforçar comportamentos responsáveis ​​e seguros no espaço e para construir conhecimento, compreensão e resiliência".

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…