Pular para o conteúdo principal

Incas realizavam cirurgias mais eficazes do que médicos do século 19


CRÂNIOS INCAS QUE INDICAM PROCEDIMENTO DE TREPANAÇÃO (FOTO: UNIVERSIDADE DE MIAMI/ REPRODUÇÃO)

Fósseis estavam marcados com “buracos” no crânio, sinais de que a civilização inca era adepta de uma técnica cirúrgica conhecida por trepanação

As civilizações pré-colombianas não param de surpreender historiadores. Além de seus já conhecidos feitos no ramo da arquitetura, agricultura, organização social e religiosa, esses povos também eram exímios médicos.

Segundo recente trabalho realizado por estudiosos da Universidade de Miami, Universidade de Tulane e Universidade do Arizona – todas as três nos EUA – os médicos incas realizavam cirurgias cranianas com mais eficácia do que os especialistas norte-americanos em atuação durante a Guerra de Secessão, no século 19.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram mais de 800 crânios de cidadãos incas encontrados em cavernas funerárias e em escavações arqueológicas nas áreas costeiras e em planaltos andinos do Peru.

Todos esses fósseis estavam marcados com “buracos”, sinais de que a civilização inca era adepta de uma técnica cirúrgica conhecida por trepanação, que consiste em perfurar orifícios no crânio.

A trepanação é método milenar que já era conhecido até mesmo na Grécia antiga. Acredita-se que essa prática tenha sido utilizada para tratar diversas doenças, tais como dores de cabeça, cistos ósseos, traumas (fraturas), síndromes convulsivas (como epilepsia, por exemplo) e até para “expulsar demônios”.

Com tantas amostras encontradas, é muito provável que os incas tenham sido o povo que mais fez uso da trepanação. E, incrivelmente, eles foram também a civilização que tinha as melhores taxas de sobrevivência pós-cirúrgica: ela chegava até 80%.

Segundo o neurologista David Kushner, pesquisador da Universidade de Miami e autor do estudo, enquanto a taxa de mortalidade da trepanação dos incas ficava entre 17 a 25%, para os norte-americanos do século 19, durante a Guerra de Secessão, o risco da cirurgia chegava em 46 a 56%.

“Há muitas razões que ainda desconhecemos sobre o procedimento e os indivíduos em que a trepanação era realizada, mas os resultados durante a Guerra Civil [norte-americana] foram tristes comparados aos dos incas”, afirmou Kushner.

Apesar de as técnicas incas ainda serem um mistério, uma possível razão pela qual a performance das cirurgias pré-colombianas tenha sido melhor do que as norte-americanas é a higiene.

Devemos considerar, por exemplo, que os médicos da Guerra de Secessão costumavam utilizar equipamentos não higienizados e sem esterilização. Em algumas ocasiões, até colocavam os próprios dedos nas feridas para senti-las e romper coágulos sanguíneos.

A escassez de produtos também fez com que eles reutilizassem os curativos repetidas vezes. Aproximadamente 100% dos sobreviventes com ferimentos cranianos por balas e tiros acabavam ganhando uma infecção.

Técbuca de sucesso
Um ponto importante observado pelos pesquisadores é que os crânios mais antigos dos incas tiveram menores taxas de sobrevivência (40%), enquanto os mais recentes apresentaram números maiores (75 a 83%).

Além disso, foi possível notar que os buracos realizados nos crânios foi ficando mais refinado com o tempo. Ou seja, os orifícios foram diminuindo de tamanho e ganhando um aspecto mais profissional.

“Evidências físicas definitivamente indicam que esses cirurgiões antigos refinaram o procedimento com o passar do tempo. O sucesso deles é realmente impactante”, afirmou Kushner.

O estudo foi publicado no periódico científico World Neurosurgery.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …