Pular para o conteúdo principal

CBPF inaugura no Rio maior grafite científico do mundo


O Mural-Grafite da Ciência tem 240 metros quadrados, ao longo de um dos muros do CBPF. (Crédito: Luiz Baltar/CBPF)

Salvador Nogueira
O Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), no Rio de Janeiro, inaugura nesta sexta-feira, às 15h, o maior grafite urbano científico do mundo.

São 240 metros quadrados — ocupando toda a extensão dos 70 metros de um dos muros da instituição — pintados segundo temas de ciência, tecnologia e inovação — desde um painel com grandes cientistas da história (é divertido para os fãs de ciência ver quantos eles conhecem ali) até homenagens a grandes conquistas tecnológicas (procure o 14bis de Santos-Dumont).

“Na escolha dos nomes que compõem a lista de 100 cientistas da área ‘Construtores da ciência’, houve preocupação dos coordenadores da iniciativa em fazer com que as mulheres estivessem representadas”, diz o CBPF, em nota.

Entre as cientistas estrangeiras, estão, por exemplo, a franco-polonesa Marie Curie (1867-1934), detentora de dois prêmios Nobel, e a alemã Emmy Noether (1882-1935), considerada a matemática mais importante do século passado. Do Brasil, há a física teórica Sonja Ashauer (1923-1948), que obteve em 1948 o segundo doutorado formal da física no Brasil, e Bertha Lutz (1894-1976), bióloga, política e feminista.

Ao todo são 100 cientistas, dos quais 19 mulheres, de diferentes épocas, etnias e crenças, brasileiros e estrangeiros. A disposição das faces no mural foi inspirada pelo quadro ‘Operários’ (1933), da pintora modernista brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973). E, no centro da figura, um “rosto desconhecido”, segundo o CBPF dedicado a todas as pessoas que, ao seu modo, ajudaram a avançar o conhecimento e a mudar o mundo.


Os Construtores da Ciência, no Mural-Grafite. (Crédito: Luiz Baltar/CBPF)

A diversão não acaba aí, contudo. O grafite tem vários enigmas codificados e escondidos na forma de imagens isoladas ou que se relacionam entre si. Há cinco níveis de dificuldade. E a interação entre os participantes do desafio e o CBPF acontecerá no site dedicado ao grafite, que terá também versão em inglês.

“A iniciativa de esconder enigmas no mural permite provocar a sensação de descoberta nas pessoas. Ou seja, a mesma pela qual passam cientistas e artistas em suas atividades”, diz o físico Ronald Shellard, diretor do CBPF.

Para definir o projeto Mural-Grafite da Ciência, o Mensageiro Sideral só tem uma palavra: GENIAL. A iniciativa do CBPF reúne tanta coisa bacana e bem pensada que até enumerá-las fica difícil. A atitude rebelde da cultura urbana dos grafites casa bem com o momento de protesto da ciência brasileira, depauperada ao ponto da inanição em sucessivos orçamentos federais. Mas nem de longe se limita a um protesto ranzinza; pelo contrário, é uma grande ação criativa, afirmativa, multidisciplinar, moderna, corajosa, ousada e fustigadora de um futuro melhor, voltada a levar a população a apreciar e se identificar com o pensar e fazer científico. Um incrível encontro da ciência com a arte, as duas melhores coisas que o ser humano já inventou.

O trabalho artístico foi feito pela artista plástica Gabi L. Tores, 22, estudante do curso de Artes Visuais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e especializada em desenho e pintura pela Sociedade Brasileira de Belas Artes.

Para quem quiser visitar, o grafite fica na Rua Mauro Müller, 455, no Rio. Confira mais imagens do projeto.















FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…