Pular para o conteúdo principal

Este besouro minúsculo está preso num âmbar há 99 milhões de anos



Por: Jessica Boddy

Besouros de asa com penas estão entre os menores insetos do mundo — e um pesquisador conseguiu encontrar uma espécie antiga, de 99 milhões de anos, presa em um âmbar. Com apenas meio milímetro de diâmetro, este coleóptero do período Cretáceo tem como assinatura suas asas franjadas. Aliás, na imagem acima, o besouro não é esse inseto em destaque no lado direito, mas um pequeno ponto na parte de baixo do âmbar.

“Esses besouros viveram no período Cretáceo, então eles viveram com os dinossauros”, disse Shuhei Yamamoto, um entomologista (biólogo especializado em insetos) do Museu Field de História Natural que descobriu o besouro. Os besouros dessa espécie não batem as asas, mas as utilizam para flutuar no ar como o dente-de-leão. Yamamoto disse ao Gizmodo que este besouro provavelmente estava planando quando ficou preso na seiva de árvores, onde permaneceu por milhões de anos.

Os pesquisadores decidiram chamar o pequeno besouro de Jason (ou Jasão, no nome em português), uma referência ao herói grego que navegou pelo mundo em busca do velo de ouro. O nome oficial da espécie é kekveus jason, como descrito em um estudo publicado no mês passado no periódico Cretaceous Research.

Inicialmente, Yamamoto não tinha certeza se Jason era um inseto ou só um pouco de poeira, mas depois poli-lo, dar zoom e tirar fotos, ele pode confirmar que a espécie era, de fato, um pequeno besouro pré-histórico. “Levou mais de dois anos para nós tirarmos as fotos que estão no estudo”, disse.

“É muito difícil encontrar pequenas coisas no âmbar”, disse Paul Selden, paleontólogo e arqueólogo da Universidade do Kansas, que não esteve envolvido neste novo estudo. “No entanto, quando você tem uma peça polida em um microscópio e pode gastar um tempo a pesquisando, então todos os tipos de itens interessantes aparecem. Leva tempo, mas vale a pena.”


Super zoom de Jason, que morreu exibindo suas asas franjadas. Imagem: Shuhei Yamamoto/Field Museum

Jason, cujo leito de morte foi encontrado em Hukawng Valley, na Birmânia, é agora o besouro mais velho da linhagem das espécies com asa de penas franjadas. Atualmente, é possível encontrar esses besouros — ou talvez encontrá-los, pois são muito pequenos — flanando por várias partes do mundo, especialmente em regiões temperadas e tropicais. O fato de Jason ter uma série de características presentes nos besouros da mesma espécie de hoje em dia é importante, segundo Yamamoto. Isso mostra que a espécie evoluiu na capacidade de flanar, mesmo sendo pequena, mais cedo do que os entomologistas haviam pensado.

Esta última descoberta de âmbar é a última de várias que ocorreram nos últimos dois anos. Uma equipe da qual Selden fez parte, da Universidade do Kansas, achou uma aranha com uma cauda em um âmbar no início do ano, e outros pesquisadores encontraram carrapatos envoltos em seda de aranha e ainda um inseto estranho com olhos esbugalhados. Deve vir ainda mais coisas por aí — Yamamoto disse que atualmente está trabalhando em 30 projetos diferentes envolvendo insetos presos em âmbar.

[Cretaceous Research]

Imagem do topo: o besouro não é o inseto maior, mas um ponto super pequeno na parte inferior do âmbar. Crédito: Shuhei Yamamoto/Field Museum.

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …