Pular para o conteúdo principal

Será que há vida escondida nas nuvens de Vênus?


Um grupo de astrobiólogos propôs que, se há vida no planeta, ela come enxofre – e se esconde nas nuvens, onde a temperatura é menor que na superfície (3quarks/iStock)

Por Bruno Vaiano

Em Vênus, um dia de 462 °C é considerado ameno. Outono. Mas se a temperatura, por si só, não for suficiente para torrar microorganismos hipotéticos, também dá para mencionar a atmosfera com 96,5% de dióxido de carbono – e só 0,002% de vapor de água. Em outras palavras, passar a noite no planeta mais quente do Sistema Solar é mais ou menos como acampar no escapamento de um caminhão ligado… Só que três vezes mais quente. Encontrar vida como a conhecemos por lá seria um milagre.

Mas é claro que a seleção natural dá um jeitinho para tudo. A Terra está repleta de microrganismos extremófilos – isto é, bactérias adaptadas a ambientes como soda cáustica ou os 11 quilômetros de profundidade da fossa das Marianas, no Pacífico. O metabolismo delas é tão adaptado a essas condições que elas sequer sobrevivem em ambientes mais tranquilos. Por que, então, não poderia existir um bichinho microscópico capaz de aguentar o tranco do planeta mais quente da nossa vizinhança?

Uma equipe de astrobiólogos – cientistas especializados em vida fora da Terra – propôs que, se é que Vênus tem seus extremófilos, o mais provável é que eles vivam na densa atmosfera do planeta, em meio às nuvens. Eles baseiam a hipótese em duas premissas: uma é que o astro esquentadinho, em um passado distante, teve condições climáticas propícias ao surgimento da vida. Outra é que, embora hoje em dia a superfície do planeta seja uma sucursal do inferno, seu céu (mais precisamente a faixa entre 40 km e 60 km de altitude) teria condições de pressão e temperatura bem mais tranquilas – e poderia, em tese, abrigar seres vivos em suspensão.

“Vênus teve muito tempo para evoluir suas próprias formas de vida”, afirmou em comunicado Limaye Sanyaj, da Universidade de Wiscosin – e o principal autor do artigo científico. Segundo ele, o planeta teve depósitos de água líquida em sua superfície por cerca de 2 bilhões de anos. “Isso é muito mais do que se supõe ter ocorrido em Marte.” Ou seja: não é improvável que a vida tenha prosperado por lá no passado – e que os poucos microrganismos que sobreviveram à mudança climática violenta estejam abrigados lá em cima até hoje. A 40 km de altitude, a temperatura fica entre 0 ºC e 60 ºC, e a pressão é algo entre metade e o dobro da atmosfera terrestre. Esses são parâmetros bem razoáveis para a sobrevivência de seres vivos semelhantes aos que conhecemos.

Essa não é uma ideia nova: foi proposta pelo físico Harold Morowitz em 1967, e popularizada por Carl Sagan. Entre 1962 e 1978, várias sondas visitaram a estrela da manhã para coletar dados. Agora, porém, essas ideias e dados podem ser reinterpretados à luz das descobertas mais recentes de astrônomos e biólogos. Por exemplo: vistas daqui, as nuvens de Vênus têm manchas escuras compostas de ácido sulfúrico e montes de partículas não-identificadas. Essas manchas têm padrões de absorção de luz similares aos de algumas bactérias. Nada impede, portanto, que as partículas sejam colônias de microrganismos extremófilos com metabolismo baseado em enxofre. É difícil saber sem dados que diferenciem matéria orgânica de não orgânica, mas o artigo científico descreve detalhadamente como seria a “digestão” desses seres, se eles existissem.

Essas e outras propostas sobre a vida em Vênus precisam, obviamente, ser investigadas e comprovadas na prática. Por isso, Sanyaj e seus colegas propõem uma série de simulações de laboratório e métodos de observação que poderiam dar conta do recado. “Investigações sobre as nuvens de Vênus podem se beneficiar de uma mistura de sondas em órbita, sondas na superfície do astro e missões de coleta de amostras para trazê-las de volta à Terra.” Em outras palavras, o artigo é especulativo. É acima de tudo, um convite para a comunidade científica levar a sério a busca por seres vivos no planeta mais tórrido das redondezas.



FONTES: REVISTA SUPER INTERESSANTE - SPACETODAYTV

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …