Pular para o conteúdo principal

Pegadas de dinossauros do Jurássico Médio são encontradas em ilha escocesa



Por: George Dvorsky

Pesquisadores descobriram mais de 50 pegadas de dinossauros nos arredores de uma praia escocesa, algumas inclusive mantendo a forma original e até o contorno das garras. A descoberta ajuda a esclarecer os tipos de dinossauros que viveram na região há cerca de 170 milhões de anos.

Fósseis do período Jurássico Médio, algo entre 174 milhões e 164 milhões de anos atrás, são frustrantemente raros. Parcialmente porque poucas das camadas sedimentares deste período estão expostas, tornando difícil as descobertas. O que é uma pena, porque o Jurássico Médio foi um momento crítico na evolução dos dinossauros, uma era que testemunhou o aparecimento de um dos primeiros tiranossauros comedores de carne, a expansão e diversificação do estegossauro, a introdução dos primeiros pássaros, e a ascensão do quadrúpedes saurópodes.


Brother’s Point, ponto da região norte da Ilha de Skye. (Créditos: Steve Brusatte)

É por isso que a descoberta de 50 novas pegadas de dinossauros na Ilha de Skye, na Escócia, está sendo celebrada como extraordinária. As preservadas impressões, descobertas na costa norte da ilha escocesa, foram analisadas pelos pesquisadores da Universidade de Edimburgo, Staffin Museum e pela Academia Chinesa de Ciências.

Hoje, essa área é popular entre excursionistas procurando por interessantes paisagens para fotografar. Durante o Jurássico Médio, no entanto, essa região era vastamente diferente. Naquele período, Skye era uma ilha subtropical situada muito mais próximo ao equador, possuía lagos, rios e grandes praias.

Ah, e também abrigava gigantescos sauropódes e os bípedes carnívoros terópodes, conforme aponta esta nova descoberta.


Arte de um saurópode quadrúpede e o terópode bípede nas proximidades de um lago escocês. Créditos: Jon Hoad/Universidade de Edimburgo

Há três anos, a mesma equipe de pesquisadores descobriu impressões de dinossauros em uma localização diferente da ilha, mas além dos rastros de saurópodes, as novas pegadas também incluem impressões das chamadas tridactyls, ou pegadas de três garras. Parece que os pescoçudos saurópodes não estavam sozinhos; eles compartilhavam a região com os carnívoros terópodes, primo distante do T-rex (tiranossauro), que não daria as caras até bem mais tarde. Detalhes dessa descoberta foram publicadas esta semana na Scottish Journal of Geology.

“Essa região com rastros é a segunda descoberta de pegadas de saurópodes em Skye”, diz Paige dePolo, autora principal do novo estudo, em um comunicado. “Elas foram encontradas em rochas um pouco mais velhas do que se acreditava anteriormente em Duntulm, na ilha, e demonstram a presença de saurópodes nessa parte do mundo em um período maior do que se conhecia. A região é uma base útil para continuarmos a entender como eram os dinossauros em Skye durante o Jurássico Médio”.


O terópode carnívoro que deixou essa pegada media cerca de 1,80 metros. (Créditos: Paige dePolo)

Estas novas pegadas eram difíceis de estudar por causa das marés, erosão, e mudanças no ambiente, mas os pesquisadores foram auxiliados com drones aéreos e câmeras especiais que permitiram o mapeamento e a construção de modelos virtuais. Ao todo, os pesquisadores documentaram cerca de 50 pegadas, incluindo dois trajetos e muitas pegadas isoladas. Em alguns casos, as impressões – algumas do tamanho de pneus de carros – ainda mantêm o contorno original, o formato e posição dos dedos dos dinossauros e até mesmo a presença das garras. Estas pegadas foram originalmente deixadas pelos dinossauros em água barrosa e rasa, mas os sedimentos, agindo como cimento fresco, molharam as pegadas, solidificando-as e permitindo uma preservação de longo período.

É impossível saber exatamente a espécie de dinossauro apenas com a pegada, mas os saurópodes que as deixaram mediam cerca de 15 metros de comprimento e pesavam mais de 45 toneladas. Eles foram um dos mais largos animais terrestres do Jurássico Médio. O rastro deixado pelos terópodes foram deixados por diversos espécimes médios e grandes, com cerca de cinco a seis metros de comprimento e pesando uma tonelada.

“Quanto mais observamos a Ilha de Skye, mais pegadas de dinossauros encontramos”, diz Steve Brusatte, que liderou a equipe de campo, em um comunicado. “Esta nova região registra dois tipos diferentes de dinossauros – o primo de pescoço comprido do brontosaurus e o primo de dente afiado do T-rex (tiranossauro) – que conviveram nas proximidades de um lago raso, quando a Escócia era muito mais quente e os dinossauros começaram a marcha pela dominação global”.

E sim, o brontosaurus existiu.

[Scottish Journal of Geology]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…