Pular para o conteúdo principal

Baixa probabilidade de existência de vida em TRAPPIST-1


Duas equipes separadas de cientistas identificaram grandes desafios para o desenvolvimento de vida no sistema TRAPPIST-1. Ilustrado nesta impressão de artista, contém sete planetas aproximadamente do tamanho da Terra em órbita de uma anã vermelha ultra fria. Esta estrela gira rapidamente e produz fluxos energéticos de radiação ultravioleta e um forte vento estelar. As equipas argumentam que o comportamento da anã vermelha torna muito menos provável que os três planetas situados na zona habitável do sistema possam suportar vida.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt

Duas equipes separadas de cientistas identificaram grandes desafios para o desenvolvimento de vida no que recentemente se tornou num dos sistemas exoplanetários mais famosos, TRAPPIST-1.

As equipes, ambas lideradas por investigadores do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica (CfA) em Cambridge, no estado norte-americano de Massachusetts, dizem que o comportamento da estrela no sistema TRAPPIST-1 torna muito menos provável que os planetas possam suportar vida.

A estrela TRAPPIST-1, uma anã vermelha, é muito mais tênue e menos massiva que o Sol. Gira rapidamente e gera explosões energéticas de radiação ultravioleta (UV).

A primeira equipe, um par de teóricos, teve em conta muitos factores que podem afetar as condições às superfícies dos planetas em órbita de anãs vermelhas. Para o sistema TRAPPIST-1, analisaram a forma como a temperatura pode ter tido um impacto na ecologia e na evolução, e se a radiação ultravioleta da estrela central pode corroer as atmosferas dos sete planetas em seu redor. Estes planetas estão muito mais perto da estrela do que a Terra está do Sol e três deles estão bem dentro da zona habitável.

"O conceito de uma zona habitável baseia-se em planetas situados em órbitas onde a água líquida pode existir," comenta Manasvi Lingam, investigador de Harvard que liderou o estudo. "No entanto, este é apenas um fator para determinar se um planeta é hospitaleiro para a vida."

Lingam e o seu coautor, o professor de Harvard Avi Loeb, descobriram que os planetas no sistema TRAPPIST-1 seriam bombardeados por radiação UV com uma intensidade muito maior do que a Terra aguenta.

"Por causa da investida de radiação da estrela, os nossos resultados sugerem que as atmosferas dos planetas no sistema TRAPPIST-1 podem estar, em grande parte, destruídas," comenta Loeb. "Isto prejudica as chances de formação ou persistência da vida."

Lingam e Loeb estimam que a probabilidade de existência de vida complexa em qualquer um dos três planetas na zona habitável de TRAPPIST-1 é inferior a 1% daquela para a vida existente na Terra.

Num estudo separado, uma diferente equipe de investigação do CfA e da Universidade de Massachusetts em Lowell descobriu que a estrela TRAPPIST-1 representa outra ameaça para a vida nos planetas em seu redor. Tal como o Sol, a anã vermelha TRAPPIST-1 liberta um fluxo de partículas para o espaço. No entanto, a pressão aplicada pelo vento da estrela TRAPPIST-1 sobre os planetas é 1000 a 100.000 vezes maior do que a pressão que o vento solar exerce na Terra.

Os autores argumentam que o campo magnético da estrela liga-se aos campos magnéticos dos planetas em órbita, permitindo um fluxo direto das partículas do vento estelar para as atmosferas dos planetas. Caso esse fluxo de partículas fosse forte o suficiente, retiraria a atmosfera ao planeta ou talvez a evaporasse totalmente.

"O campo magnético da Terra atua como um escudo contra os efeitos potencialmente prejudiciais do vento solar," comenta Cecilia Garraffo do CfA, que liderou o novo estudo. "Se a Terra estivesse muito mais perto do Sol e fosse submetida à investida de partículas como a estrela TRAPPIST-1 liberta, o nosso escudo planetário falharia rapidamente."

Embora estes dois estudos sugiram que a probabilidade de existência de vida seja mais baixa do que se pensava anteriormente, isso não significa que o sistema TRAPPIST-1 ou outros com anãs vermelhas sejam desprovidos de vida.

"Não estamos, definitivamente, a dizer para as pessoas desistirem de procurar vida em torno das estrelas anãs vermelhas," realça o coautor Jeremy Drake, também do CfA. "Mas o nosso trabalho e o trabalho dos nossos colegas mostram que também devemos debruçar-nos em tantas estrelas quanto possível que sejam mais como o Sol."

O artigo de Lingam e Loeb foi publicado na revista International Journal of Astrobiology e está disponível online. O artigo de Garraffo et al, também disponível online, foi publicado na The Astrophysical Journal Letters.

FONTE: http://www.ccvalg.pt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…