Pular para o conteúdo principal

Reator de fusão quebra recorde mundial antes de ser desligado por falta de verba



O programa de fusão do MIT vem passando por tempos difíceis, mas nem por isso deixou de quebrar grandes recordes mundiais e de manter o sonho de uma energia limpa e ilimitada. Em uma conferência da Agência Internacional de Energia Atômica no Japão, pesquisadores envolvidos com o reator Alcator C-Mod anunciaram que conseguiram gerar a maior pressão de plasma já registrada.

O reator de fusão atingiu a marca perto da meia-noite do dia 30 de setembro, o último dia de sua operação. “Nós elevamos os parâmetros de propósito no final, para ver se ele conseguia superar os valores que tínhamos atingido antes”, disse Martin Greenwald, vice-diretor do MIT Plasma Science and Fusion Center, ao Gizmodo. “Foi bem empolgante.”

A fusão
A fusão é uma fonte futurista de energia que os físicos vêm perseguindo por cerca de 50 anos. A ideia, basicamente, é aquecer átomos a 100 milhões de graus ou mais, até um ponto em que eles se separam e se tornam uma massa flutuante de prótons e elétrons, chamada plasma. Então, é possível aproveitar os picos extremos de energia que são liberados quando os núcleos atômicos colidem entre si.

O problema é que, para obter mais energia de um reator de fusão do que a necessária para fazê-lo funcionar, precisamos atingir um ponto em que o plasma seja autossustentável, isto é, que queime sozinho com adições mínimas de energia. Mas o plasma só consegue atingir esse “estado estável” se puder ser contido, e átomos em altíssimas temperaturas não gostam de ser contidos – eles gostam de se espalhar para todos os lugares.

Existem algumas maneiras de tentar fazer com que o plasma fique estável. O reator do MIT focava em confinamento magnético, ou seja, utilizava campos magnéticos extremamente fortes para forçar os átomos a se juntarem. E foi o método que conseguiu quebrar um recorde mundial, então podemos assumir que é uma direção interessante para se explorar.

Corte de verba
Infelizmente, o recorde foi batido minutos antes de o Alcator C-Mod, o único reator compacto e de grande campo magnético com design tokamak do mundo, ser desligado. Depois de 23 anos de operações, o Departamento de Energia dos EUA retirou o apoio financeiro do dispositivo do MIT pelo fato de um reator supercondutor na França, chamado ITER, estar devorando toda a grana de pesquisa nuclear.

Curiosamente, para algumas pessoas, o ITER é o futuro da energia de fusão; e para outras, é um projeto inchado e bagunçado que irá atrasar o progresso desse campo pelos próximos 20 anos.

De qualquer maneira, o programa de fusão do MIT, que ao longo dos anos atraiu algumas das mentes mais brilhantes que estudavam a física do plasma, foi encerrado. De acordo com Greenwald, a universidade está procurando investidores na iniciativa privada para uma linha de pesquisa de baixo custo, com reatores de fusão compactos que estudantes de pós-graduação projetaram no ano passado.

Eles também estão pedindo mais fundos ao governo para estudar diferentes aspectos do problema do confinamento do plasma, incluindo as interações entre o plasma quente e os materiais comuns que ficam nas paredes dos reatores.

O último marco da energia de fusão deixa sentimentos mistos, e mantenho a minha crença de que o verdadeiro problema com a energia de fusão não é uma barreira científica intrínseca. Na verdade, o problema tem a ver com a capacidade de dar aos especialistas o tempo e os recursos necessários para vencer os desafios tecnológicos, sem que eles tenham que se preocupar tanto com o apoio financeiro.

A maior recompensa da energia de fusão pode demorar décadas, mas vamos lembrar do que se trata: é a energia das estrelas.

[MIT Research News via The Guardian]

Imagem: interior do reator de fusão Alcator C-Mod no MIT. Bob Mumgaard/Plasma Science and Fusion Center/MIT

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…