Pular para o conteúdo principal

Estrelas jovens podem tirar seus próprios planetas de órbita



A Terra tem sete irmãos planetários (desculpa, Plutão, sentimos muito sua exclusão). Uma família que, agora se sabe, é muito grande para os padrões da nossa galáxia. O observatório espacial Kepler identificou mais de mil sistemas planetários nos últimos anos, e 80% deles é composto por estrelas de filho único. Isso mesmo, um só planeta solitário em órbita.

O mais curioso é que não há meio termo na prole de poeira e gás: os outros 20% que optaram por uma família maior não costumam possuir dois ou três planetas, mas sete ou oito. Esse problema de 8 ou 80 foi denominado “dicotomia Kepler”. Agora, os pesquisadores Christopher Spalding e Konstantin Batygin, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos Estados Unidos, acreditam ter encontrado uma explicação para tanta solidão — e a culpa é das próprias estrelas.

A dupla de pesquisadores propôs em um artigo publicado no periódico The Astrophysical Journal que estrelas jovens de rotação muito rápida podem estar arremessando seus planetas para fora de suas órbitas.

A explicação é a seguinte: no nosso Sistema Solar, todos os astros, com exceção de Plutão, giram quase no mesmo plano. Isso significa que, em um modelo em três dimensões, as órbitas dos planetas formariam um CD, e não algo parecido com um átomo, em que cada elétron gira em um ângulo diferente.



Isso acontece porque nosso sistema nasceu de um disco protoplanetário, ou seja, um acúmulo de gás e poeira no entorno de uma estrela jovem com matéria-prima suficiente para dar à luz um novo astro.

Se uma estrela jovem gira muito rápido, ela deixa de ser perfeitamente redonda. Se ela não é perfeitamente redonda, seu campo gravitacional se torna traiçoeiro e pode dar um pontapé em escala cósmica em planetas menores, com a órbita mais fechada. Esse “peteleco” tira os pequenos rochosos do plano em que foram formados e, por consequência, do campo de visão do Kepler, que vê com mais facilidade planetas que passam diretamente na frente de suas estrelas.

Essa hipótese não é a única proposta razoável para o surto de sumiço coletivo. Também há o risco de que em pelo menos 18% dos casos de filho único registrados pelo observatório o culpado seja um gigante gasoso oculto. Uma espécie de Júpiter do lado negro da força com uma órbita grande demais para ser detectada pelo Kepler, mas massivo o suficiente para jogar futebol gravitacional com planetas menores. O bullying é grave: os pequenos podem ser arremessados na própria estrela ou exilados de vez na escuridão do espaço aberto.

Já uma terceira hipótese é um pouco mais pacífica: talvez os gigantes gasosos estejam simplesmente ocultando planetas menores atrás de si, em uma dança coordenada — compreensível, afinal, não seria fácil ver a Terra atrás de Júpiter de alguns anos-luz de distância.

Segundo especialistas, na prática é razoável pensar que as três coisas ocorram com alguma frequência. “Há tantos sistemas de um planeta só que vários mecanismos podem estar envolvidos”, afirmam os astrofísicos Dong Lai and Bonan Pu, da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, em entrevista à New Scientist. “É provável que não haja uma explicação única para todos esses sistemas.”

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…