Pular para o conteúdo principal

Este robô humanoide transpira para manter a temperatura



O progresso é uma briga entre o que funciona melhor e o que é viável para se fabricar o mais barato possível em grande escala. Geralmente, a última opção ganha. É o motivo pelo qual o VHS venceu o Betamax, e pelo qual a maioria dos produtos industrializados não tem gosto nenhum. É também o motivo para uma equipe de pesquisadores criar um robô humanoide que transpira.

Um dos maiores desafios com os robôs é o calor, que começa a afetar a performance se não for dissipado corretamente. Existem diversos sistemas de resfriamento ativo que podem resolver esse problema ao bombear um líquido frio por meio de veias e artérias artificiais, mas costumam ser muito caros (sem dizer que são pesados).

Para solucionar isso de forma mais barata e não menos elegante, pesquisadores do JSK Lab da Universidade de Tóquio pegaram o conceito de suor emprestado para o robô Kengoro.

A transpiração (água desionizada) escorre pelos 108 motores do Kengoro, resfriando-os por meio da evaporação. Embora não seja tão efetivo quanto os sistemas de resfriamento ativos, o suor permite que o robô faça flexões por 11 minutos sem superaquecer. E ele consegue funcionar durante metade de um dia só com um copo d’água.

O Kengoro, é claro, não tem pele. Ele sua por seus ossos, uma alternativa bem inteligente e inquietante de se imaginar. O esqueleto dele é feito por sinterização a laser, um processo similar à impressão 3D que permite moldar metais de várias densidades em formas complexas. Canais feitos de um alumínio menos denso são colocados na estrutura do robô e agem como uma esponja, retendo a água e certificando que o “suor” caia nos motores, em vez de cair no chão.

Robôs que suam são o futuro. Esperamos que esse seja o único processo biológico que os torne mais eficientes.



[IEEE Spectrum]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…