Pular para o conteúdo principal

Os arquivos secretos da Aeronáutica sobre OVNIs no RN



POR
PAULO NASCIMENTO/NOVO
FOTOS: REPRODUÇÃO

Noite de 13 de outubro de 2015. Áudios que começam a circular pelo Whatsapp dão conta de um “disco de voador” sobrevoava a cidade de Angicos, a 170 km de Natal. Os relatos de moradores assustados ao verem as luzes do que posteriormente seria identificado como um drone que fazia fotos aéreas do município foram reproduzidos em inúmeros sites de todo o país.

O inusitado caso no município da Região Central potiguar virou chacota, mas a ocorrência de Objetos Voadores Não-Identificados (OVNIs) é caso sério. Sim, eles existem e já apareceram algumas vezes no Rio Grande do Norte segundo os registros confidenciais recentemente liberados pela Força Aérea Brasileira (FAB) e disponibilizados através do Arquivo Nacional.

Para se ter uma ideia, a Aeronáutica brasileira possui arquivos de aparições de objetos não-identificados desde o início da década de 1950. Os documentos liberados pela FAB dizem respeito a um período de 1952 a 2010. O Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra) apontou, em dois relatórios, 710 ocorrências em todo o país entre 1954 e 2005.

A reportagem do NOVO encontrou, em consulta ao Sistema de Informações do Arquivo Nacional (Sian), alguns documentos relativos a OVNIs avistados nos céus potiguares, muitos dos quais fora dos relatórios do Comdabra.

E diferentemente do caso em Angicos, um dos casos documentados pela Força Aérea no RN envolve um profissional dos ares, especificamente um piloto da companhia aérea Varig, extinta em 2006.

Passava pouco das 6h30 do dia 28 de junho quando o vôo 2348 da Varig, entre Recife-PE e Natal se encaminhava para chegar à capital potiguar. O piloto, que não é identificado na ocorrência com “tráfego hotel” – eufemismo utilizado pela Aeronáutica para avistamento de OVNI – anotada pelo Sargento Aragão, relatava um céu “cavok”, um termo utilizado pelos aviadores para o popular “céu de brigadeiro”.

A pouco menos de 40 km de Natal e já em processo de diminuição de altitude, em contato com a torre de controle do Aeroporto Augusto Severo, o comandante do vôo passa a relatar que uma luz de intensidade variante estava seguindo o avião, pelo lado esquerdo. “Pela apresentação radar não havia nada, nenhum outro tráfego naquele local”, anotou o Sargento Aragão. A luz seguiu o avião da Varig até ele descer no antigo aeroporto internacional, em Parnamirim, por volta das 6h50.

A ocorrência mais recente de avistamento de OVNI apontada nos documentos liberados da Aeronáutica foi em 19 de julho de 2009.

Por uma hora e 30 minutos, a geógrafa Josiane Moura da Rocha relatou ao 1º Tenente Antônio Maerton de Medeiros Lopes ter visto dois objetos de cores azul e vermelho trafegando em zigue-zague por cima da Lagoa do Carcará, em Nísia Floresta.

De acordo com o relatório encaminhado para o Comdabra, os objetos tinham formato de estrela e alternavam momentos de movimentação rápida e lenta, sem deixar rastros ou emitir sons.

Contato de rebocador com “luzes” no RN foi parar no comando da FAB

O único caso envolvendo o RN incluído nos relatórios liberados do Comdabra sobre OVNIs foi em 1980. O documento de 43 páginas produzido pelo Tenente-Coronel Aviador Francisco José Hennemann Filho, diretor do Centro de Lançamento de Foguetes da Barreira do Interno (CLFBI), foi parar no gabinete do Tenente-Brigadeiro Délio Jardim de Mattos, então comandante da Aeronáutica, marcado com o assunto “OVNI”. O relatório também envolveu o 3º Distrito Naval da Marinha, que repassou inicialmente o caso para a FAB.

O rebocador Caioba Seahorse reportou, através de mensagem por rádio, por volta das 19h do dia 27 de julho daquele ano terem avistado “objeto todo iluminado exclusivamente com luzes branca a cerca de 100 metros de distância pela proa”, a uma altura entre 50 e 60 metros. O barco estava a cerca de 12 milhas (19,3 km) da praia de Pititinga, no Litoral Norte potiguar.

Os relatos feitos pelo marinheiro Ivan de Souza Melo e o imediato português Fernando Fangueiro indicam que uma luz parecida com a “estrela d’alva” pairava sobre o oceano, entrava na água, sumia e depois voltava a brilhar. O objeto também emitia luzes azul e laranja, além de reluzir um facho branco em direção ao mar.

A lancha Teche Seahorse, que dava apoio logístico com sinal de rádio e radar, não relatava nenhum outro navio na região, apesar dos ocupantes do rebocador verem as luzes – ocupantes da lancha também relataram ter visto uma iluminação branca muito forte, próxima ao rebocador. Tanto a lancha como o rebocador faziam parte da frota Seahorse no Brasil, operada pela Arthur Levy INC.

O alerta sobre a luz foi dado por pelo marinheiro Ivan de Sousa Melo ao comandante do rebocador, José da Silva. “Comandante, olhe esta luz à proa do rebocador, parece um farol”, falou Ivan. Após avistarem o objeto, os marinheiros resolveram desligar o barco, que ficou à deriva e há cerca de 50 metros do objeto até enquanto o contato não terminou.

A distância estimada era de seria de três milhas náuticas do Caioba e a uma altura de 60m, segundo os relatos do comandante. O objeto tinha forma de um prato, grande, parado no espaço, e cujo diâmetro aparente seria o dobro do diâmetro da lua. “Olha gente, se existe disco voador nós estamos vendo um”, falou o comandante aos marinheiros, antes de comunicar o fato por rádio.

Após alguns minutos de avistamento, de acordo com o relato do comandante à FAB, a luz afastou-se no rumo sudoeste, para a terra, com “uma velocidade incrível, subindo, ganhando a altura, desaparecendo em menos de um segundo”.

O Tenente-Coronel Francisco José Hennemann Filho terminou por concluir, em novembro de 1980, que não se tinha “nenhuma evidencia de que houvesse a presença de algum veículo aeronavegante nas imediações do Gaioba Seahorse”.

Aeronáutica tem manuais para tratar de OVNIs

A Força Aérea trata os casos de avistamento de OVNI com extrema seriedade. Existem protocolos, manuais e questionários desde a década de 1960. A última leva de documentos liberados pelo órgão supera as 4,5 mil páginas de relatórios, croquis e depoimentos apontados por oficiais da FAB em mais de cinco décadas.

E isso seria, de acordo com os ufólogos, só uma parte dos documentos oficiais. Como no caso da Operação Prato, no Para, quando um grupo da Aeronáutica passou mais de um ano entre 1977 e 1978 registrando as “naves chupa-chupa” na região de Colares.

O capitão Uyrangê Bolivar Soares Nogueira de Hollanda Lima, que comandou o grupo e presidiu o relatório, chegou a contar anos depois que teve contatos de primeiro grau com supostos extraterrestres durante a operação. Os ufólogos reclamam mais de 900 páginas de documentos e fotos da Operação Prato teriam sido suprimidas pela FAB da divulgação recente.

A força armada também teria escondido informações da “noite dos discos voadores”, em 19 de maio de 1986, quando foram vistos OVNIs em diversos locais do Brasil.

A Aeronáutica chegou a formar um órgão específico para investigar os OVNIs nos céus do Brasil. Criado em 1969, o Sistema de Investigação de Objetos Aéreos Não Identificados (Sioani) atuou de forma secreta por três anos, com membros da Força Aérea e civis ligados à ufologia. O Sioani registrou mais de quando mais de cem casos, até ser extinto pelo governo militar. O protocolo do órgão era rígido. Quem relatava ter visto algo passava até por exames psiquiátricos.

Uma “coisa de outro mundo” aparece no Forte dos Reis Magos

Muito mais do que os relatos oficiais, as histórias “oficiosas” abastecem há tempos a questão dos OVNIs. Uma busca rápida na internet aponta uma série de histórias, vídeos e imagens de objetos não-identificados que foram vistos por potiguares nos anos recentes. E boa parte desses relatos extraoficiais – até o astronauta brasileiro Marcos Pontes conta um caso da época que era piloto da FAB que não foi registrado oficialmente – alimenta tanto os trabalhos dos ufólogos, assim como o ceticismo dos contrários. A própria Aeronáutica estima que apenas 10% dos avistamentos sejam relatados.

O NOVO ouviu um homem, morador de Natal, que decidiu contar dois casos de avistamento de OVNIs na capital potiguar. O relatante, um militar aposentado, não quis se identificar, com temor de que seus relatos tornem-se motivo de ironia e gozação. “Mas não tem nenhuma mentira. Não tenho para que mentir”, garantiu o homem de 49 anos.

O primeiro foi no fim da década de 1970. Ele pescava com mais duas pessoas nas imediações do Forte dos Reis Magos, em uma madrugada de céu claro. Enquanto jogavam redes e linhas na região de encontro do oceano com o Rio Potengi, de repente uma grande bola com luzes amarelas e laranjas surgiu do mar. Por alguns segundos ela pairou, suspensa na água, e seguiu em alta velocidade na direção de Ponta Negra. Minutos depois ele diz ter visto caças da Força Aérea passando pela região.

“Eu jamais vou esquecer da frase de seu Manoel: corra meu filho, que isso é coisa do outro mundo. Deixamos todo o material de pesca lá e fomos correndo na direção de Brasília Teimosa. Só voltamos no dia posterior, para recolher o material. Foi um susto muito grande”, relembra ele.

O outro avistamento da fonte ouvida pela reportagem foi um pouco mais “tranquilo”. Em meados de 1985, ele estava na casa da então namorada, na Zona Oeste da capital potiguar, quando começou a ver, junto com ela e o cunhado, luzes giratórias no céu.

“Pelo movimento não era avião, nem helicóptero. Eu era militar e meu cunhado também. Resolvemos ligar para a Base Aérea de Natal e contar a situação. Um tempo depois vieram uns caças, mas as luzes já tinham seguido em direção ao Oeste”, conta.

FONTE: http://novojornal.jor.br/ via Rondinelli Ufos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…