Pular para o conteúdo principal

Novo modelo busca explicar o surgimento da vida na Terra


Ilustração de uma molécula de DNA acompanhada por seus pares de base e tendo ao fundo células: vida percorreu um longo caminho até chegar à sua complexidade atual - Latinstock

Pesquisadores propõem mecanismo sob o qual moléculas orgânicas simples usam outras como base para se juntarem em cadeias maiores e se replicarem

Uma das características fundamentais da vida como conhecemos é sua capacidade de se reproduzir. Hoje, em todos organismos da Terra - da maior das baleias às menores das bactérias, passando pelos próprios seres humanos -, isso é mediado por moléculas complexas como o DNA e o RNA, que dependem da ação coordenada de um verdadeiro exército de enzimas e outros compostos para se replicarem, num processo considerado sofisticado demais para que a vida em nosso planeta tenha surgido desta forma. Assim, muitos cientistas acreditam que a vida emergiu na Terra de uma maneira bem mais simples há cerca de 4 bilhões de anos, mas a falta de registros fósseis desta época torna muito difícil saber como.

Agora, porém, um novo modelo publicado por pesquisadores do Laboratório Nacional de Brookhaven, nos EUA, no periódico científico “Journal of Chemical Physics” pode explicar o mecanismo por trás de como a vida surgiu em nosso planeta. Então, pequenas moléculas orgânicas conhecidas como monômeros - como as adenina, thimina, guanina e citosina (A, T, G e C), os pares de base do DNA - se juntavam em cadeias maiores chamadas polímeros nas quentes “sopas” de material primordial que cobriam a Terra apenas para se desfazerem depois, num processo que se repetia indefinidamente.

Eventualmente, no entanto, alguns destes polímeros desenvolveram a capacidade de se copiarem. Com o tempo, a competição entre estas moléculas fez com que as mais eficientes em se copiarem se tornassem mais abundantes, passando esta característica adiante de geração em geração. Este cenário, porém, ainda não explica como os estes polímeros primordiais ganharam a capacidade de se reproduzirem, e é aí que entra o novo modelo proposto pelos pesquisadores de Brookhaven.

- Tentamos preencher esta lacuna na compreensão de como sistemas físicos simples se transformam em algo que pode se comportar como a vida e transmitir informações – conta Alexei Tkachenko, pesquisador da instituição americana e um dos autores do modelo.

Dividido em fases de “dia”, em que os monômeros flutuam livremente, e “noite”, em que eles se juntam em polímeros maiores, este ciclo seria desencadeado por fatores ambientais como mudanças na temperatura, salinidade ou acidez da água, que desequilibrariam o sistema. De acordo com o modelo, porém, durante a fase da “noite” muitos dos monômeros, e depois polímeros menores, se ligariam a alguns polímeros maiores complementares (como a adenina só se liga à timina e a guanina à citosina em nosso DNA) sobreviventes, mantendo-os próximos o bastante para que se juntassem mais facilmente na próxima fase, criando novos e ainda maiores polímeros cada vez mais estáveis, num mecanismo que os pesquisadores batizaram de “ligação assistida por modelação”. Com o tempo, estes novos polímeros se tornaram dominantes, dando início à emergência dos processos catalíticos autossustentados que marcam o comportamento das atuais moléculas da vida, o DNA e o RNA.

- Suponhamos que não tivéssemos nenhum polímero e começássemos apenas com monômeros em um tubo de ensaio. Iria esta mistura alguma vez encontrar uma maneira de formar os polímeros? - diz Tkachenko. - É resposta é um notável sim! Pode-se ver isso como o problema da galinha e do ovo, isto é, que para produzir polímeros é preciso já ter polímeros para servirem como um modelo da sua formação, mas o que acontece é que isto não é realmente necessário.

Segundo os pesquisadores, embora os polímeros possam se juntar sem a ajuda da modelação, o processo seria mais ao acaso e as cadeias formadas em uma geração não seriam necessariamente replicadas na seguinte. Com a modelação, porém, a informação seria preservada, já que os polímeros de uma geração ajudariam a construir os da próxima. Com isso, avaliam, seu modelo une o alongamento das cadeias poliméricas com sua replicação, fornecendo um primeiro potencial mecanismo para a hereditariedade. E embora a ideia da ligação assistida por modelação tenha sido proposta pela primeira vez nos anos 1980, ela foi apresentada de maneira qualitativa, e não quantitativa como no novo modelo.

- O que temos agora é um modelo real que pode ser executado em um computador – destaca Tkachenko. - É uma peça sólida de ciência em que se pode adicionar outros fatores e estudar os efeitos da memória e da hereditariedade.

Este novo modelo para o surgimento da vida, no entanto, tem limitações. Nele, a passagem de um mundo de monômeros para um de polímeros é abrupta e também “histérica”, isto é, é necessário um certo conjunto de condições para que este salto aconteça, embora uma vez que isso ocorra estas condições deixem de ser necessárias para que o sistema siga em frente e os polímeros continuem a se replicarem.

Outra falha do modelo que os pesquisadores esperam abordar em estudos futuros é que ele presume que todas as sequências poliméricas têm chances iguais de se formarem. A transmissão de informação, e por consequência a hereditariedade, requer uma certa variação na frequência das sequências de moléculas para que elas sirvam de código para, por exemplo, a produção de proteínas determinadas, cada uma com sua função. Assim, o próximo passo seria desenhar um cenário em que algumas sequências são mais comuns que outras, fazendo com que o sistema seja capaz de transmitir informações “relevantes” para a vida.

- Se as condições forem certas, temos o que chamamos de transição de primeira ordem, onde saímos desta “sopa” de monômeros completamente dispersos para um nova solução em que estas cadeias mais longas começam a aparecer - conta Tkachenko. - E agora temos um mecanismo para a a emergência destes polímeros que potencialmente podem carregar informações e transmiti-las. Uma vez que esta barreira é superada, esperamos que os monômeros se tornem capazes de produzir polímeros, saindo de uma “sopa” primordial para um “suflê” primordial.

O novo modelo também se encaixa bem na tese do chamado “mundo RNA”, a mais aceita atualmente para explicar os primórdios da vida na Terra. De acordo com esta hipótese, os primeiros organismos em nosso planeta usavam moléculas RNA para se reproduzirem até o desenvolvimento do DNA, mais estável mas também mais complexo, como modo de transmissão hereditária. Por outro lado, a simplicidade do modelo permite que ele seja usado para testar outras hipóteses de surgimento da vida que dependam da emergência de um sistema autocatalítico simples.

- Este modelo, por sua própria natureza, é muito geral – admite Sergei Maslov, outro de seus autores. - Não estamos tentando abordar questões como de onde veio esta sopa primordial de monômeros nem outras moléculas específicas envolvidas nele. Mas o modelo mostra um caminho físico plausível dos monômeros para os polímeros auto-replicantes, nos levando um pouco mais perto de entender as origens da vida.

FONTE: O GLOBO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…