Pular para o conteúdo principal

Solução para apagão de rádio de veículos hipersônicos


O apagão das comunicações das naves e veículos hipersônicos ocorre porque se forma um "revestimento de plasma" ao seu redor, que impede a passagem das ondas de rádio.[Imagem: NASA]

Silêncio de rádio

O silêncio de rádio que marca a reentrada das naves na atmosfera sempre foi um incômodo para os controladores das missões.

A bem-conhecida saga da Apollo 13 levou as tensões ao pico depois de a tripulação demorar mais de um minuto a mais do que o esperado para retomar as comunicações. E ninguém se esquece do final menos feliz do ônibus espacial Colúmbia.

A boa notícia é que há uma forma de evitar esse apagão das comunicações, segundo Xiaotian Gao e Binhao Jiang, do Instituto de Tecnologia Harbin, na China.

A tecnologia também poderá ser aplicada em outros veículos hipersônicos, de imediato ajudando a coletar informações sobre essas naves e aviões ainda em fase de desenvolvimento, como o HyCAUSE da NASA, o SpaceLiner da ESA e o avião hipersônico chinês, ainda sem nome oficial.

Revestimento de plasma

O blecaute das comunicações na reentrada na atmosfera ocorre porque a nave é envolta por um colchão de ar quente ionizado - um plasma - que reflete as ondas eletromagnéticas, impedindo que elas saiam ou cheguem às antenas da nave.

Esse mesmo "revestimento de plasma" ocorre em aviões viajando em velocidades acima de cinco vezes a velocidade do som.

Contudo, experimentos em laboratório já haviam indicado que, em certas condições, esse revestimento de plasma pode até mesmo melhorar o rendimento das antenas, mas ninguém havia entendido perfeitamente esse efeito.

Gao e Jiang descobriram que a melhoria do sinal gerada nos experimentos anteriores foi produzida por uma ressonância - oscilações eletromagnéticas que se equivalem - entre o revestimento de plasma e o ar ao seu redor.

A dupla idealizou então uma forma de replicar essas condições para aplicação em naves e veículos de verdade, em condições operacionais. A única exigência é que as comunicações sejam feitas usando canais de baixa frequência durante o apagão das comunicações.

Camada de equivalência

A solução está em uma "camada de equivalência" a ser adicionada às antenas, gerando um acoplamento entre a nave e o mundo exterior por meio da ressonância produzida entre o ar e o revestimento de plasma.

A camada de equivalência funciona como um capacitor, enquanto o revestimento de plasma funciona como uma bobina, que naturalmente resiste a alterações em uma corrente elétrica que a atravessa. Quando um capacitor e uma bobina são acoplados, eles criam um circuito ressonante.

"Uma vez que a ressonância seja alcançada, a energia pode ser trocada de forma constante e sem perdas. Como resultado, a radiação eletromagnética pode se propagar através da camada de equivalência e do revestimento de plasma como se eles não existissem," explicou Gao.

A única exigência é que a camada de equivalência e o revestimento de plasma sejam menores do que o comprimento de onda das ondas de rádio usadas nas comunicações, o que exige o uso de baixas frequências.

FONTE: Redação do Site Inovação Tecnológica - 22/06/2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…