Pular para o conteúdo principal

O exército americano já está se preparando para uma guerra espacial



A corrida espacial nunca acabou de verdade. Ainda mais agora que os EUA montaram um centro de operações espaciais com foco na preparação para conflitos que possam ocorrer acima da atmosfera da Terra.

Atualmente, o espaço é um ambiente livre de armas, mas isso pode mudar no futuro. O Departamento de Defesa dos EUA planeja inaugurar um centro de guerra espacial dentro dos próximos seis meses — de acordo com Robert Work, secretário interino da Defesa, que conversou sobre o projeto essa semana no GEOINT 2015, uma conferência anual de inteligência patrocinada pela Fundação de Inteligência Geoespacial dos Estados Unidos.

O novo centro espacial rastreará simultaneamente satélites espiões e militares para que a inteligência e o exército americano possam trabalhar em conjunto e com acesso a todas as informações dos satélites, o que colaboraria para que eles elaborassem as melhores defesas contra possíveis ataques — especialmente contra ataques direcionados ao sistema de satélites dos EUA. O centro será uma espécie de backup para o Joint Space Operations Center, um centro militar localizado na Califórnia.

O governo americano já conta com tecnologias e forças militares no espaço: satélites das Forças Aéreas, que providenciam inúmeras informações que vão desde coordenadas de geolocalização, a dados climáticos e mapas em alta resolução. Mas apesar destes satélites terem um papel importante nas forças armadas, eles não são armas.

Durante a Guerra Fria, a União Soviética foi dona de um satélite com um canhão antiaéreo e China e EUA já destruíram alguns satélites desativados — esta ação pode ter sido para remover peso morto da órbita terrestre, ou para mostrar a outros países que eles têm o poder e a tecnologia para destruir satélites em órbita.

O novo centro, entretanto, não focará apenas em repelir ataques espaciais. De acordo com o site Defense One, Work diz que criar um centro que recebe todas as comunicações de satélites de departamentos do governo americano melhoraria coleta de informações geoespaciais, pois providenciaria acesso a maior parte das imagens registradas por satélites do governo:

“Se soldados russos registram fotografias deles mesmos em áreas de guerra e as postam em sites de mídias sociais, nós queremos saber exatamente onde essas fotos foram registradas”, diz Work, se referindo ao soldado russo de 24 anos Alexander Sotkin, que, ano passado, postou fotos dele mesmo na Ucrânia, enquanto segurava equipamento militar russo.

Work explica que o centro também servirá como local para o desenvolvimento de táticas, técnicas, procedimentos e regras. “Precisamos nos preparar agora para prevalecer em conflitos que se ampliem para o espaço”, diz Work. “Sabemos que a arquitetura espacial da nossa nação encara ameaças crescentes. É importante que o Departamento de Defesa e as agências de inteligência trabalhem juntos para lidar com essas ameaças e integrar melhor as capacidades espaciais”.

O analista espacial Brian Weeden acredita que a criação do novo centro espacial se deve aos testes anti-satélite da China. “Os EUA os interpretam como uma potencial ameaça aos satélites de segurança nacional dos EUA”, diz Weeden. Outro fator que pode ter levado os EUA a criarem o centro é o fato da Rússia ter anexado a Crimeia, enfraquecendo a Ucrânia. “Os EUA interpretam isso como um sinal que normas e leis internacionais podem ter menos efeito quando houver a necessidade de restringir potenciais adversários”, diz.

Em 2010, Lester Lyles, general aposentado da Força Aérea Americana, explicou a fixação do exército com o espaço ao chamá-lo de “o terreno final”. Essa estação certamente dará ao Pentágono uma posição melhor, transformando todo o sistema de satélites dos EUA em uma vantagem estratégica.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…