Pular para o conteúdo principal

Google está próximo de criar máquinas com inteligência semelhante à humana


‘Eu não vejo por que eles não serem tratados como amigos’, diz Geoff Hinton sobre as máquinas - jim - Fotolia

Algoritmos que estão sendo desenvolvidos pelo Google podem dar às máquinas, num futuro próximo, capacidades semelhantes às dos humanos. Geoff Hinton, contratado pela companhia há dois anos para desenvolver sistemas operacionais inteligentes, afirma que dentro de uma década elas serão capazes de fazer raciocínios lógicos e manter conversações naturais.

— Basicamente, elas terão bom senso — disse Hinton, em entrevista ao jornal britânico “Guardian”.

O novo algoritmo pretende traduzir pensamentos em sequências de números, algo descrito por Hinton como “vetores de pensamento”. O trabalho ainda está em estágios iniciais, mas, segundo o pesquisador, o caminho é plausível para transformar os softwares atuais em versões sofisticadas capazes de agir e interagir como humanos. Apesar do otimismo de Hinton, a abordagem é controversa.

— Muitas pessoas vão argumentar contra a ideia, dirão que não é possível capturar um pensamento dessa forma — disse o pesquisador. — Mas não existe razão para não. Eu penso que é possível capturar um pensamento por um vetor.

Segundo Hinton, o “vetor de pensamento” será capaz de romper duas grandes barreiras no campo da inteligência artificial: alcançar a linguagem natural, para conversas, e a habilidade de usar a lógica. Com isso, diz o pesquisador, as pessoas poderão, num futuro próximo, conversar com seus computadores. Não apenas para o trabalho, mas também por diversão.

— Não é forçar a barra. Eu não vejo por que eles não serem tratados como amigos. Não vejo por que você não deveria crescer muito ligado a eles — afirmou Hinton.

Nos últimos anos, cientistas fizeram progressos significativos em direção ao futuro vislumbrado por Hinton. A motivação inicial para a criação dos “vetores de pensamento” foi melhorar o software de tradução Google Translate, que atualmente usa dicionários para traduzir palavras individuais e textos já traduzidos para encontrar contextos. Os vetores representariam uma melhoria nesse sistema, extraindo algo muito próximo ao significado real.

O sistema funciona atribuindo para cada palavra uma sequência de números, ou vetor, que o localiza dentro de um universo de significados. Um sentença pode ser vista como uma junção dessas palavras, ou dessas sequências numéricas. O pensamento serve como uma ponte entre as línguas, porque os termos são diferentes para cada idioma, mas a lógica, não.

Inicialmente, as traduções vão gerar resultados sem sentido, não muito diferente do que existe hoje, mas o sistema será refinado com o uso, ajustando os vetores das palavras até que o universo de significados capture exatamente a forma como os termos são usados pelos humanos, construindo um mapa dos significados.

— Se você pega o vetor para Paris, subtrai o vetor para França e adiciona o de Itália, você tem Roma — exemplifica Hinton.

Alguns aspectos da comunicação serão mais difíceis de serem captados, como a ironia.

— Primeiro você precisa compreender o literal, a ironia será difícil de alcançar — disse o cientista. — Porém, os americanos também não captam a ironia. Os computadores vão alcançar primeiro o nível dos americanos, antes de chegar aos britânicos.

O futuro da inteligência artificial é assunto bastante polêmico entre a comunidade científica. Muitos nomes de peso, como Elon Musk, Bill Gates e Stephen Hawking, declararam temores sobre a criação de máquinas que possam superar a humanidade. Para Hinton, essa não é a principal preocupação.

— Eu estou mais assustado com as coisas que já aconteceram. A NSA está fuçando tudo que todo mundo faz — disse Hinton. — Eu estou mais assustado é que ao melhorar a tecnologia, você ajuda a NSA a fazer ainda mais mau usos dela. Eu fico mais preocupado com isso do que com um robô assassino autônomo.

FONTE: O GLOBO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…