Pular para o conteúdo principal

Google está próximo de criar máquinas com inteligência semelhante à humana


‘Eu não vejo por que eles não serem tratados como amigos’, diz Geoff Hinton sobre as máquinas - jim - Fotolia

Algoritmos que estão sendo desenvolvidos pelo Google podem dar às máquinas, num futuro próximo, capacidades semelhantes às dos humanos. Geoff Hinton, contratado pela companhia há dois anos para desenvolver sistemas operacionais inteligentes, afirma que dentro de uma década elas serão capazes de fazer raciocínios lógicos e manter conversações naturais.

— Basicamente, elas terão bom senso — disse Hinton, em entrevista ao jornal britânico “Guardian”.

O novo algoritmo pretende traduzir pensamentos em sequências de números, algo descrito por Hinton como “vetores de pensamento”. O trabalho ainda está em estágios iniciais, mas, segundo o pesquisador, o caminho é plausível para transformar os softwares atuais em versões sofisticadas capazes de agir e interagir como humanos. Apesar do otimismo de Hinton, a abordagem é controversa.

— Muitas pessoas vão argumentar contra a ideia, dirão que não é possível capturar um pensamento dessa forma — disse o pesquisador. — Mas não existe razão para não. Eu penso que é possível capturar um pensamento por um vetor.

Segundo Hinton, o “vetor de pensamento” será capaz de romper duas grandes barreiras no campo da inteligência artificial: alcançar a linguagem natural, para conversas, e a habilidade de usar a lógica. Com isso, diz o pesquisador, as pessoas poderão, num futuro próximo, conversar com seus computadores. Não apenas para o trabalho, mas também por diversão.

— Não é forçar a barra. Eu não vejo por que eles não serem tratados como amigos. Não vejo por que você não deveria crescer muito ligado a eles — afirmou Hinton.

Nos últimos anos, cientistas fizeram progressos significativos em direção ao futuro vislumbrado por Hinton. A motivação inicial para a criação dos “vetores de pensamento” foi melhorar o software de tradução Google Translate, que atualmente usa dicionários para traduzir palavras individuais e textos já traduzidos para encontrar contextos. Os vetores representariam uma melhoria nesse sistema, extraindo algo muito próximo ao significado real.

O sistema funciona atribuindo para cada palavra uma sequência de números, ou vetor, que o localiza dentro de um universo de significados. Um sentença pode ser vista como uma junção dessas palavras, ou dessas sequências numéricas. O pensamento serve como uma ponte entre as línguas, porque os termos são diferentes para cada idioma, mas a lógica, não.

Inicialmente, as traduções vão gerar resultados sem sentido, não muito diferente do que existe hoje, mas o sistema será refinado com o uso, ajustando os vetores das palavras até que o universo de significados capture exatamente a forma como os termos são usados pelos humanos, construindo um mapa dos significados.

— Se você pega o vetor para Paris, subtrai o vetor para França e adiciona o de Itália, você tem Roma — exemplifica Hinton.

Alguns aspectos da comunicação serão mais difíceis de serem captados, como a ironia.

— Primeiro você precisa compreender o literal, a ironia será difícil de alcançar — disse o cientista. — Porém, os americanos também não captam a ironia. Os computadores vão alcançar primeiro o nível dos americanos, antes de chegar aos britânicos.

O futuro da inteligência artificial é assunto bastante polêmico entre a comunidade científica. Muitos nomes de peso, como Elon Musk, Bill Gates e Stephen Hawking, declararam temores sobre a criação de máquinas que possam superar a humanidade. Para Hinton, essa não é a principal preocupação.

— Eu estou mais assustado com as coisas que já aconteceram. A NSA está fuçando tudo que todo mundo faz — disse Hinton. — Eu estou mais assustado é que ao melhorar a tecnologia, você ajuda a NSA a fazer ainda mais mau usos dela. Eu fico mais preocupado com isso do que com um robô assassino autônomo.

FONTE: O GLOBO

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…