Pular para o conteúdo principal

Espaçonaves pequenas e baratas podem ser a solução da NASA para explorar planetas distantes



Por enquanto, para se estudar a atmosfera de um planeta ou lua distante é preciso desembolsar o valor de uma missão multimilionária. Mas a NASA está se esforçando para tornar a exploração espacial muito mais acessível — usando os baratos e leves CubeSats.

Os CubeSats, espaçonaves de apenas 10x10cm, vêm sendo usados de forma entusiasmada por cientistas, estudantes e pesquisadores que precisam lidar com baixo orçamento nos últimos anos. Até mesmo os CubeSats de alto padrão, com sofisticados sensores e ferramentas de comunicação, geralmente custam apenas alguns milhares de dólares, e eles podem voar com tudo, desde câmeras a experimentos biológicos.

Resumido, pode-se fazer muito com um CubeSat — desde que tudo o que você quer fazer esteja em órbita terrestre baixa. Como os CubeSats não possuem sistemas de propulsão próprio, veículos de lançamento precisam deixá-los entre 160 a 2,000 km acima da Terra. E a partir do momento que eles são soltos, a órbita dos CubeSats começa a decair.

James Esper, um tecnólogo do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA, está tentando mudar isso.

A ideia é bem simples: adicione um módulo de controle de propulsão e altitude para que o CubeSat possa se mover no espaço. Adicione um módulo de blindagem para protegê-lo do calor ao entrar na atmosfera de um planeta. A NASA chama o projeto de CAPE, ou CubeSat Application for Planetary Entry Missions.

Esper e equipe planejam lançar sondas CubeSat de espaçonaves e então enviá-los ao Sistema Solar para estudar atmosferas de alvos como Júpiter, ou Titã, a lua de Saturno. Isso poderia custar apenas alguns milhares de dólares, em vez dos milhões que geralmente são usados para construir e lançar sondas interplanetárias. Pesquisadores poderiam até lançar uma pequena frota de CubeSats na atmosfera de Júpiter para coletar dados de localizações diferentes. A Micro-Reentry Capsule (MIRCA), ou cápsula de micro-reentrada, protegeria os CubeSats da entrada na atmosfera e os sensores deles coletariam e enviariam dados à Terra até o último momento.

Os CubeSats poderiam até mesmo ir além do Sistema Solar, ao usar pequenos painéis solares, ou quem sabe um LightSail. Na verdade, existem muitas possibilidades de propulsão. Um CubeSat interplanetário poderia potencialmente usar um sistema de propulsão de íons, o mesmo usado para transportar a espaçonave Dawn, da NASA, ao planeta Ceres, por exemplo, e diversas companhias já trabalham há alguns anos com outros métodos de pequenas propulsões, seguindo o crescente interesse nos CubeSats.

Até então, Esper não descreveu estes potenciais sistemas de propulsão em detalhes, mas em um recente anúncio, afirmou esperar encontrar parceiros para trabalhar no módulo CAPE, depois que ele e a equipe testarem a MIRCA usando um balão de grande altitude. Eles soltarão o módulo do balão de uma altura de cerca de 30km sobre o Fort Sumner, no Novo México, quebrando a barreira do som enquanto cai sobre o deserto. A queda testará a estabilidade aerodinâmica da MIRCA.

Ano que vem, Esper e sua equipe esperam testar o sistema de reentrada do CubeSat lançando-o da Estação Internacional Espacial. Se tudo der certo, esses pequenos dispositivos podem eventualmente ser a vanguarda para planetas ainda fora do nosso alcance.

FONTE: http://gizmodo.uol.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …