Pular para o conteúdo principal

Astronauta da Apollo 14 afirma que incidente de Roswell foi real


Edgar Mitchell participou do evento de divulgação das imagens alegadamente de Roswell, mas permanece firme na convicção que queda de UFO em 1947 foi real

O ex-astronauta Edgar Mitchell foi o sexto homem a pisar na Lua durante a missão Apollo 14. Lançada em 31 de janeiro de 1971, seu módulo lunar chegou ao destino em 05 de fevereiro, pousando na formação Fra Mauro, a mesma selecionada para a malfadada missão Apollo 13. Mitchell e o comandante do voo, Alan Shepard, realizaram atividades extraveiculares que somaram mais de 9 horas e 22 minutos, trazendo 42 quilos de amostras. Ao lado de Stuar Roosa, os três astronautas retornaram em segurança em 09 de fevereiro de 1971.

Mitchell, nascido em 17 de setembro de 1930, atualmente com 84 anos, tomou parte via videoconferência do evento Be Witness, que em 05 de maio passado divulgou imagens de um ser sob a alegação de ser uma das criaturas recuperadas do incidente em Roswell. Depois surgiu a informação de que na verdade se trata de uma múmia, e o pesquisador Anthony Bragalia, envolvido no caso, pediu publicamente desculpas pelo que considerou um engano. No último sábado, 16 de maio, outro envolvido fez o mesmo. Don Schmitt, conhecido pesquisador do Caso Roswell, publicou uma nota lamentando que tenha colocado sua reputação em jogo por se envolver com o evento Be Witness. Schmitt afirmou que deixou o prometido brilho da revelação das imagens ofuscar sua natureza cética, e prometeu fazer melhor no futuro.

Edgar Mitchell, por sua vez, disse em sua mais recente declaração sobre o caso que não há dúvida que um UFO caiu em Roswell, e que o governo norte-americano capturou a nave e seus tripulantes alienígenas. Ele lembrou que, embora tenha nascido em Hereford, Texas, considera como sua cidade natal Artesia, no Novo México, que fica nas proximidades de Roswell. Ele contou que na época do incidente em julho de 1947 estava no ensino médio, viu as notícias no jornal Roswell Daily Record sobre a queda do disco voador, e depois as negativas oficiais com a afirmação de que fora cometido um engano, e que o objeto era na verdade um balão meteorológico. Muitos anos depois, já tendo caminhado na Lua, Mitchell retornou a Roswell para uma série de palestras.

ASTRONAUTA CONFIRMA QUE ALIENÍGENAS CAÍRAM EM ROSWELL

Edgar Mitchell encontrou-se com conhecidos, além de testemunhas do incidente, e também com descendentes de outras pessoas que foram envolvidas com o caso. Ouviu delas suas histórias, incluindo a do filho de Glenn Dennis, o agente funerário que foi questionado quanto a melhor maneira de acondicionar corpos, e o filho de um xerife que ajudou a desviar o tráfego da região onde ficava o local da queda. O astronauta afirma ainda que esteve no Pentágono, anos após retornar da Lua, e comentou a respeito dessa e de outras histórias de UFOs. Um almirante, seu conhecido, afirmou que iria averiguar, e em seu encontro seguinte o militar disse a Mitchell que os relatos eram corretos e reais.


Edgar Mitchell na Lua em ferereiro de 1971, fotografado pelo comandante Alan Shepard, cuja sombra é visível

Quanto aos motivos do acobertamento, Edgar Mitchell diz que o governo norte-americano optou por encobrir tudo por não saber as intenções dos visitantes, se estes eram ou não hostis. Também havia o temor de que a União Soviética descobrisse o que havia ocorrido. Ele afirma que as agências de Inteligência não sabiam o que fazer com a nave e sua tecnologia incomparavelmente superior, de novo temendo o envolvimento russo. Mitchell diz: "O melhor curso de ação, então, seria simplesmente mentir e manter tudo oculto. Classificaram o incidente como acima de ultra-secreto, e criaram esse longo processo de acobertamento, separando um grupo secreto dentro do governo e o público". Mitchell também afirma que em sua carreira na NASA soube de muitas visitas de UFOs, que a agência espacial também encobriu.

FONTE: REVISTA UFO


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…