Pular para o conteúdo principal

Telescópios espaciais vão usar lentes para achar vida alienígena


O projeto Nautilus prevê a construção de uma frota de 35 telescópios esféricos, todos funcionando como se fossem um só.
[Imagem: Nautilus]

Paradigma dos telescópios

Pesquisadores da Universidade do Arizona, nos EUA, projetaram um novo tipo de telescópio que eles acreditam ser uma opção mais barata, mais leve e mais poderosa do que a criação de telescópios usando espelhos cada vez maiores.

Com uma frota de telescópios espaciais menores, eles acreditam poder vasculhar a atmosfera de até 1.000 exoplanetas em busca de assinaturas químicas indicativas de vida - mesmo os projetos mais ambiciosos da NASA falam em observar algumas dezenas de exoplanetas mais próximos.

A equipe sabe do que está falando: Eles são líderes na produção dos espelhos para os maiores telescópios do mundo. Atualmente eles estão fabricando espelhos para o maior e mais avançado telescópio terrestre: o Telescópio Gigante de Magalhães.

O problema é que há várias restrições em aumentar cada vez mais o tamanho dos espelhos que captam a luz nos telescópios, que vão desde o próprio peso do espelho, que pode distorcer as imagens, até o tamanho das rodovias e viadutos por onde eles devem ser transportados e, no caso dos telescópios espaciais, dos foguetes capazes de levá-los ao espaço.

Então estava na hora de mudar o projeto básico dos telescópios.

"Nós estamos desenvolvendo uma nova tecnologia para substituir os espelhos dos telescópios espaciais. Se conseguirmos, poderemos aumentar muito o poder de coleta de luz dos telescópios e, entre outras ciências, estudar as atmosferas de 1.000 planetas potencialmente semelhantes à Terra em busca de sinais de vida," disse o professor Daniel Apai, um dos idealizadores do projeto, batizado de Nautilus.


Detalhes de cada telescópio individual.
[Imagem: Nautilus]

Telescópios espaciais com lentes

Os espelhos dos telescópios capturam a luz do objeto a ser observado - quanto maior a superfície, mais luz eles conseguem captar.

"Mas ninguém pode construir um espelho de 50 metros. Então inventamos o Nautilus, que usa lentes e, em vez de construir um espelho incrivelmente grande de 50 metros, planejamos construir um monte de lentes menores e idênticas para coletar a mesma quantidade de luz," detalhou Apai.

As lentes foram inspiradas nas lentes dos faróis de carro - grandes, mas leves - mas incluindo ajustes adicionais, como detalhes de precisão feitos com ferramentas com ponta de diamante. O design, que é um híbrido entre as lentes refrativas e as lentes difrativas, torna o conjunto mais poderoso e mais adequado para observar exoplanetas e sua fraca luz.

Como as lentes são mais leves do que os espelhos, é mais barato lançá-las ao espaço e elas podem ser feitas de forma rápida e barata usando um molde. Elas também são menos sensíveis a desalinhamentos, tornando os telescópios construídos com essa tecnologia muito mais simples e, portanto, de menor custo. E vários acessórios dos telescópios espaciais atuais também podem ser dispensados.

"Nós não precisamos de imagens de alto contraste. Não precisamos de uma espaçonave separada com uma gigantesco anteparo para ocultar a estrela hospedeira do planeta. Não precisamos entrar no infravermelho. O que precisamos é coletar muita luz de maneira eficiente e barata," disse Apai.


Comparação do potencial do Nautilus com o tamanho dos espelhos do Hubble (HST), do Ariel e do James Webb (JWST).
[Imagem: Nautilus]

Frota de telescópios

O projeto defende o lançamento de uma frota de 35 telescópios esféricos de 14 metros de largura, cada um individualmente mais potente do que o Telescópio Espacial Hubble.

Para referência, o espelho do Hubble tem 2,4 metros de diâmetro e o espelho do Telescópio Espacial James Webb, ainda por ser lançado, tem 6,5 metros de diâmetro. Ambos foram projetados para diferentes propósitos e antes que os exoplanetas fossem descobertos.

Já o conjunto de telescópios Nautilus será poderoso o suficiente para caracterizar 1.000 planetas extrassolares a até 1.000 anos-luz de distância.

Agora só falta obter os fundos para levar o projeto adiante.

Bibliografia:

Artigo: A Thousand Earths: A Very Large Aperture, Ultralight Space Telescope Array for Atmospheric Biosignature Surveys
Autores: Dániel Apai, Tom D. Milster, Dae Wook Kim, Alex Bixel, Glenn Schneider, Ronguang Liang, Jonathan Arenberg
Revista: The Astronomical Journal
DOI: 10.3847/1538-3881/ab2631

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…