Pular para o conteúdo principal

Objetos plásticos monitoram seu próprio uso - sem eletrônica


É tudo plástico impresso em 3D, mas com memória e conexão Wi-Fi. [Imagem: Mark Stone/University of Washington]

Objetos inteligentes

Pesquisadores da Universidade de Washington, nos EUA, desenvolveram uma tecnologia assistiva impressa em 3D capaz de rastrear e armazenar seu próprio uso - sem usar baterias ou circuitos eletrônicos.

Aparelhos impressos em 3D são perfeitos para a tecnologia assistiva, de próteses a frascos de comprimidos "inteligentes", capazes de ajudar os pacientes a lembrar-se de tomar seus medicamentos diários, porque são baratos e podem ser fabricados em qualquer lugar.

"Usar plástico para essas aplicações significa que você não precisa se preocupar com o esgotamento das baterias ou com o fato de o dispositivo ficar molhado. Isso pode transformar a maneira como pensamos a computação," disse o professor Shyam Gollakota. "Mas, se realmente quisermos transformar objetos impressos em 3D em objetos inteligentes, precisamos de mecanismos para monitorar e armazenar dados".

Gollakota lidera uma equipe que trabalha nisso há algum tempo, já tendo produzido objetos impressos em 3D que se conectam ao Wi-Fi sem componentes eletrônicos e meios de armazenar senhas na roupa também sem eletrônica.

Esses aparelhos puramente plásticos podem também medir se o conteúdo de um recipiente está acabando e então encomendar mais on-line automaticamente - seja um recipiente de remédio, detergente, refrigerante ou qualquer outra coisa.

A tecnologia simplifica o feedback de vários tipos de equipamento. [Imagem: UW/Gollakota Lab]

Código secreto na engrenagem

Os protótipos anteriores rastreavam o movimento em uma única direção, o que funciona bem para monitorar os níveis de detergente ou medir a velocidade do vento ou da água. Mas agora a equipe queria fabricar objetos que pudessem monitorar o movimento bidirecional, como a abertura e o fechamento de um frasco de comprimidos.

"Da última vez, nós tínhamos uma engrenagem que girava em uma direção. Conforme o líquido fluía pela engrenagem, ele pressionava um botão para contatar a antena," conta o pesquisador Vikram Iyer. "Desta vez temos duas antenas, uma na parte superior e outra na parte inferior, que podem ser contatadas por um interruptor acoplado a uma engrenagem. Assim, abrir uma tampa do frasco de medicamento move a engrenagem em uma direção, o que empurra a chave para entrar em contato com uma das duas antenas. E, em seguida, fechar a tampa do frasco de comprimidos vira a engrenagem na direção oposta, e o interruptor atinge a outra antena."

Como as duas antenas são idênticas, a equipe teve que planejar uma maneira de decodificar em qual direção a tampa estava se movendo, o que foi feito com duas engrenagens com um "código secreto". "Os dentes da engrenagem têm um sequenciamento específico que codifica uma mensagem. É como o código Morse. Então, quando você vira a tampa em uma direção, vê a mensagem indo para a frente. Mas quando você vira a tampa na outra direção, recebe uma mensagem invertida," explicou Justin Chan.


Engrenagens que codificam mensagens e bombas de medicamento que sabem quanto já foi usado. [Imagem: UW/Gollakota Lab]

Monitoramento remoto

Além de rastrear o movimento da tampa de um frasco de comprimidos, esse mesmo método pode ser usado para monitorar como as pessoas usam próteses.

Os pesquisadores demonstraram isso criando um objeto impresso em 3D que armazena suas informações de uso mesmo quando está fora do alcance do Wi-Fi. Para essa aplicação eles escolheram uma caneta de insulina que monitora seu uso em qualquer lugar.

"Você ainda pode tomar insulina, mesmo se você não tiver uma conexão Wi-Fi. Então, precisávamos de um mecanismo que armazenasse quantas vezes você usou. Quando estiver de volta à rede, você pode enviar os dados armazenados para a nuvem," disse Gollakota.

Esses dispositivos são apenas protótipos para mostrar que é possível que materiais impressos em 3D detectem movimentos bidirecionais e armazenem dados. O próximo desafio será pegar esses conceitos e miniaturizá-los, para que possam ser incorporados em frascos de comprimidos, próteses ou canetas de insulina reais.

Bibliografia:

Wireless Analytics for 3D Printed Objects
Vikram Iyer, Justin Chan, Ian Culhane, Jennifer Mankoff, Shyam Gollakota
Proceedings of th ACM Symposium on User Interface Software and Technology
http://printedanalytics.cs.washington.edu/wireless-analytics-3d.pdf

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…