Pular para o conteúdo principal

Estudo revela: existem 23 bilhões de toneladas de microrganismos debaixo dos oceanos


Uma equipe que reuniu 1200 cientistas de 52 países estudou a biosfera profunda por 10 anos, e descobriu que ela é bem maior do que imaginávamos
(SCIENCE PHOTO LIBRARY/Getty Images)

Por Ingrid Luisa

Apesar do calor extremo, da grande pressão e da falta de luz, oxigênio e nutrientes, a biosfera subterrânea abriga um ecossistema maior do que se imaginava. Uma equipe que reuniu cerca de 1.200 cientistas de 52 países investigou por 10 anos para cravar: existe um ecossistema – uma “Galápagos subterrânea”, nas palavras deles –, a até 5 quilômetros abaixo do fundo dos oceanos, que abriga entre 15 e 23 bilhões de toneladas de microrganismos.

Traduzindo esse número, os bichinhos pesam cerca de 300 vezes mais que a massa das 7,6 bilhões de pessoas do mundo juntas. Em volume, eles ocupam de 2 a 2,3 bilhões de quilômetros cúbicos – quase o dobro do volume de todos os oceanos do planeta.

Os Pesquisadores do Observatório Deep Carbon, responsáveis pela descoberta, afirmam que a diversidade de espécies do submundo tem comparação com as da Amazônia (ou das próprias Ilhas Galápagos). Nele, vivem representantes dos três domínios da vida: bactérias, archaea (micróbios sem núcleo ligado à membrana) e eucariontes (micróbios ou organismos multicelulares com células nucleadas e organelas ligadas à membrana) — levando em conta a classificação de Carl Woese, de 1977, que divide os seres vivos de acordo com aspectos evolutivos a partir da comparação de sequências de RNA ribossomal.

Mas, ao contrário dos grandes biomas, a biosfera profunda ainda é algo relativamente novo e pouco estudado pelo o homem. Para desvendá-lo melhor, os cientistas perfuraram 2,5 km no fundo do mar, além de terem recolhido amostras de micróbios provenientes de minas no continente e buracos com mais de 5 km de profundidade. Microscópios que permitem que a vida seja detectada em níveis cada vez mais reduzidos também foram essenciais para o estudo.

Os resultados mostram que 70% das bactérias e archaea do planeta estão no subsolo. E micróbios profundos são muito diferentes de seus primos de superfície, com ciclos de vida em escalas de tempo bizarramente maiores. Rick Colwell, ecologista microbiano da Oregon State University, que contribuiu com o estudo, disse que alguns microrganismos estão vivos há milhares de anos, mal se movendo, exceto com mudanças nas placas tectônicas, terremotos ou erupções.

“Nós, humanos, nos orientamos para processos relativamente rápidos, ciclos diurnos baseados no sol, ou ciclos lunares baseados na lua, mas esses organismos fazem parte de ciclos lentos e persistentes em escalas de tempo geológicas”, afirmou o ecologista.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…