Pular para o conteúdo principal

"Cabeças reservas" em tumbas do Egito continuam a intrigar arqueólogos


'CABEÇA RESERVA' DA QUARTA DINASTIA DO IMPÉRIO ANTIGO ENCONTRADA EM GIZA. (FOTO: CAPTMONDO/WIKIMEDIA COMMONS)

Dezenas de esculturas de cabeças pertencentes a personalidades egípcias foram encontradas desde o final do século 19, mas o seu significado ainda é desconhecido

Era 1894, quando o arqueólogo francês Jacques de Morgan descobriu a primeira "cabeça reserva" egípcia, enquanto explorava uma tumba do reinado de Seneferu, faraó do Império Antigo que governou entre 2613 e 2589 a.C.

Mais de um século de depois, 31 desses bustos foram encontrados em condições nada convencionais para os padrões observados pelos arqueólogos e, por isso, sua função dentro das tumbas e dos processos funerários da época ainda permanece um mistério.

A localização das ‘cabeças’ dentro das tumbas, por exemplo, é um tanto inusitada. “Geralmente, estátuas funerárias ficavam sobre o solo, idealmente em uma capela que fazia parte da superestrutura da tumba ou em uma pequena sala construída especificamente para isso”, afirma Nicholas Picardo, diretor associado do Giza Project, da Universidade de Harvard. Apesar disso e ao que tudo indica, elas ficavam no subsolo, o que “é bem estranho”, nas palavras do pesquisador.

Como seu posicionamento era diferenciado, a função desses bustos provavelmente também era diferente do de outras estátuas. Mesmo assim, uma teoria teoria ultrapassada parecia explicar bem o significado dos bustos. “As ‘cabeças reservas’ receberam esse nome por causa de uma teoria antiga de que elas eram sobressalentes — ou, de novo, ‘reservas’ — para substituir a verdadeira cabeça de uma pessoa morta, em caso de que ela fosse perdida ou destruída."

Por um lado, a teoria da substituição fazia sentido porque as estátuas eram representações físicas dos falecidos, que poderiam encarná-las após a morte. No entanto, a hipótese não explicava o porquê de uma série delas terem sido propositalmente danificadas — nos ouvidos e do topo da cabeça até a nuca, principalmente.


'CABEÇA RESERVA' DO EGÍPCIO NOFER (FOTO: KEITH SCHENGILI-ROBERTS, VIA WIKIMEDIA COMMONS)

Para o pesquisador Peter Lacovara, elas eram moldes para outras estátuas, já que foram encontrado sinais de reboco em algumas delas. Já Roland Tefnin, outro especialista no Egito Antigo, defende que as ‘cabeças reservas’ tenham sido simbolicamente sacrificadas para proteger o falecido.

Picardo também acredita que os bustos estejam relacionados à proteção, mas ressalta que a localização deles pode ser vital para compreender seu real significado. Talvez, os danos e correções tenham sido feitos para impedir que algo terrível pudesse voltar à vida.

Mesmo que a função das ‘cabeças reservas’ permaneça um mistério, pelos menos elas podem nos dar um vislumbre de como eram as personalidades políticas do Antigo Egito.

Das 31 esculturas, 27 foram encontradas em tumbas de aristocratas e membros da família real do Antigo Império, enterrados na necrópole de Gizé. Entre elas, há vários traços em comum. A maioria foi esculpida em calcário e possui o final do pescoço achatado para que ela possa ficar em pé. As feições são suaves, apresentam cabelo raspado ou bem curto, remetendo à aparência da falecida pessoa a qual a tumba pertence. Evidências indicam que algumas ‘cabeças’ foram pintadas de vermelho.

https://www.atlasobscura.com/articles/reserve-heads-ancient-egypt


FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…