Pular para o conteúdo principal

A gravidade coletiva, não o Planeta Nove, pode explicar as órbitas de "objetos isolados"


Ilustração de Sedna, que em imagens de telescópios tem um tom avermelhado.
Crédito: NASA/JPL-Caltech

De acordo com um novo estudo, interações parecidas com as dos carrinhos de choque, nas orlas do nosso Sistema Solar - e não um misterioso Planeta Nove - podem explicar a dinâmica de corpos estranhos chamados "objetos isolados".

A professora assistente Ann-Marie Madigan da Universidade do Colorado em Boulder, EUA, e sua equipa de investigadores, desenvolveram uma nova teoria para a existência de objetos esquisitos como Sedna - um planeta menor gelado que orbita o Sol a uma distância de quase 12,8 bilhões de quilômetros. Os cientistas têm tentado explicar por que Sedna e um punhado de outros corpos àquela distância pareciam separados do resto do Sistema Solar.

Uma teoria sugere um novo planeta, ainda invisível, à espreita para lá de Netuno, que pode ter empurrado as órbitas destes objetos isolados.

Mas Madigan e colegas calcularam que as órbitas de Sedna e de outros objetos semelhantes podem resultar da "luta" gravitacional entre estes corpos e detritos espaciais no Sistema Solar exterior.

"Existem muitos destes corpos por aí. O que é que a sua gravidade coletiva faz?" comenta Madigan. "Podemos resolver muitos desses problemas apenas levando em conta esta questão."

Os cientistas apresentaram os seus achados numa conferência de imprensa da 232.ª reunião da Sociedade Astronômica Americana, que se realizou entre os dias 3 e 7 de junho em Denver, no estado norte-americano do Colorado.

O projeto debruça-se sobre o Sistema Solar exterior, um local ocupado por planetas menores, como Plutão, luas geladas e outros detritos espaciais.

É também um lugar invulgar, gravitacionalmente falando. "Assim que nos afastamos para além de Netuno, as coisas não fazem sentido, o que é realmente emocionante," realça Madigan.

Entre as coisas que não fazem sentido: Sedna. Este planeta menor demora mais de 11.000 anos para completar uma órbita em torno do Sol e é um pouco mais pequeno que Plutão. Ao contrário do nono planeta original, Sedna e outros objetos isolados completam órbitas enormes e excêntricas que os mantêm bem longe dos gigantes planetários como Júpiter ou Neptuno. Como lá chegaram permanece um mistério.

Entra aqui o hipotético Planeta Nove. Os astrônomos têm vindo a procurar um planeta como este, que teria cerca de 10 vezes o tamanho da Terra, há já aproximadamente dois anos, mas ainda não o localizaram com telescópios.

A equipa de Madigan originalmente não pretendia procurar outra explicação para estas órbitas. Ao invés, Jacob Fleisig, estudante de astrofísica da mesma universidade norte-americana, estava a desenvolver simulações de computador para explorar a dinâmica dos objetos isolados.

"Ele veio ao meu escritório um dia e disse, 'estou a ver aqui algumas coisas muito interessantes,'" lembrou Madigan.

Fleisig havia calculado que as órbitas de objetos gelados para lá de Neptuno orbitam o Sol como os ponteiros de um relógio. Algumas dessas órbitas, como as de asteroides, movem-se como o ponteiro dos minutos, ou relativamente depressa e em conjunto. Outras, como as órbitas de objetos maiores como Sedna, movem-se mais devagar. Correspondem ao nosso ponteiro da hora. Eventualmente, esses ponteiros encontram-se.

"Vemos um amontoado de órbitas de objetos mais pequenos num lado do Sol," comenta Fleisig, autor principal do novo estudo. "Estas órbitas 'colidem' com o corpo maior, e o que acontece é que essas interações mudam a sua órbita de uma forma oval para uma forma mais circular."

Por outras palavras, a órbita de Sedna passa de normal para isolada, inteiramente por causa dessas interações a pequena escala. As descobertas da equipa também estão de acordo com observações recentes. Uma investigação de 2012 observou que quanto maior é um objeto isolado, mais distante a sua órbita se torna do Sol - exatamente o que os cálculos de Fleisig mostraram. Alexander Zderic, estudante da Universidade do Colorado em Boulder, é também coautor do novo estudo.

As descobertas podem fornecer novas pistas sobre outro fenômeno: a extinção dos dinossauros. À medida que os detritos espaciais interagem no Sistema Solar exterior, as órbitas destes objetos estreitam-se e alargam-se num ciclo de repetição. Este ciclo pode acabar por disparar cometas em direção ao Sistema Solar interior - inclusive na direção da Terra - numa escala previsível de tempo.

"Embora não possamos dizer que este padrão matou os dinossauros," realça Fleisig, "é tentador."

Madigan acrescentou que a órbita de Sedna é mais um exemplo de quão interessante o Sistema Solar exterior se tornou.

"A imagem que temos do Sistema Solar exterior nos livros didáticos pode ter que mudar," salienta. "Existem por lá mais coisas do que pensávamos, o que é muito excitante."

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …