Pular para o conteúdo principal

Plutão pode ter se originado a partir de vários cometas


Pesquisadores analisaram dados coletados em missões espaciais e descobriram que o planeta-anão contém tanto nitrogênio quanto um possível congregado de cometas deveria ter

Desde o rebaixamento à “planeta anão”, conferido pela União Astronômica Internacional (IAU) em agosto de 2006, as facetas de Plutão vêm sendo estudadas e desvendadas pela comunidade científica mundial.

Dessa vez, a nova teoria é que Plutão foi formado a partir da junção de vários comentas. Isso é o que sustenta o recente estudo realizado por pesquisadores do centro Southwesr Research Institute, no Texas (EUA), realizado a partir da junção de dados coletados pela missão espacial New Horizons, da NASA, e das informações colhidas pela sonda Rosetta, da Agência Espacial Europeia (ESA).

“Desenvolvemos o que chamamos de ‘modelo cosmoquímico do cometa gigante’ da formação de Plutão”, disse o cientista Christopher Glein, da divisão de ciência espacial e engenharia do Southwesr Research Institute.

Glein e seu grupo estudaram a grande geleira Sputnik Planitia, na superfície de Plutão.

“Nós encontramos uma consistência intrigante entre a quantidade estimada de nitrogênio dentro do glaciar e a quantidade que seria esperada caso Plutão fosse formado por um aglomerado de um bilhão de cometas ou outros objetos do Cinturão de Kuiper com composições químicas similares”, afirmou Glein em comunicado à imprensa.

Além do modelo de cometa, os cientistas também investigaram um possível modelo solar. Nesse caso, Plutão teria se formado a partir de gelo que teria uma composição química mais próxima da do Sol.

Durante o estudo, os pesquisadores precisaram analisar a presença de nitrogênio em Plutão – em sua atmosfera e em suas geleiras – e o quanto esse elemento volátil poderia ter vazado para o espaço ao longo do tempo.

Para tanto, eles precisaram combinar a proporção de monóxido de carbono com a de nitrogênio em Plutão para obter uma visão mais completa – e foi assim que descobriram que a baixa abundância do gás CO no planeta-anão está associada a camadas de gelo na superfície e até à destruição de água líquida.

“Nossa pesquisa sugere que composição química inicial de Plutão, herdada de blocos de cometas, foi quimicamente modificada pela água líquido, talvez até mesmo em um oceano subterrâneo”, indicou Glein.

O grupo não descarta a necessidade de se estudar melhor os dois modelos possíveis no futuro, especialmente o solar, que ainda está com muitas questões em aberto.

“Essa pesquisa foi construída a partir do sucesso fantástico das missões New Horizons e Rosetta, feitas para expandir nossa compreensão acerca da origem e evolução de Plutão”, disse Glein.

“Usando a química como uma pista, somos capazes de traçar certas características que observamos hoje em Plutão com processos de formação que ocorrem há tempos atrás. Isso nos leva a uma nova apreciação da riqueza da ‘história de vida’ de Plutão que estamos começando a entender agora”, completou.

As descobertas do grupo foram publicadas no periódico impresso Icarus e podem ser lidas no portal arXiv.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …