Pular para o conteúdo principal

Asteroide que matou dinossauros também reescreveu a história dos pássaros



Por: Ryan F. Mandelbaum

O asteroide que atingiu a Terra 65 milhões de anos atrás não foi uma droga apenas para os dinossauros. Ondas de choque provavelmente teriam derrubado árvores, incêndios teriam queimado florestas inteiras, e a menor quantidade de luz teria significado menos plantas. E se você fosse um pássaro que vivesse nessas árvores?! Essa era a sua casa!

Uma nova pesquisa mostra como o impacto teria decidido quais espécies sobreviveram e quais se extinguiram. Sem árvores, só os pássaros terrestres teriam sobrevivido. Isso certamente teria um profundo impacto sobre os tipos de espécies que ainda existem hoje — um empecilho na história da evolução que mudou o curso da vida para sempre.

“A eliminação das florestas basicamente deixou uma assinatura de longo prazo na história evolutiva das aves”, disse ao Gizmodo o autor do estudo, Daniel J. Field, um paleobiólogo evolucionário da Universidade de Bath. “Nós achamos que apenas espécies de aves não-arbóreas seriam capazes de sobreviver.”

Os pesquisadores levantaram sua hipótese, publicada na Current Biology, examinando uma série de pontos de dados. Por exemplo, o pólen de árvore desapareceu do registro fóssil por mil anos depois do impacto do asteroide. Os fósseis de pássaros daquele período de tempo parecem consistir apenas com as aves terrestres. Junte tudo isso, e a história emerge: um asteroide atingiu a Terra e varreu as árvores, significando um beco sem saída evolucionário para qualquer ave que não pudesse sobreviver em outro lugar.

Você talvez questione por que existem tantos pássaros que habitam as árvores hoje. Parece que, uma vez que as florestas voltaram, houve uma enorme diversificação de espécies, e os pássaros teriam aproveitado os novos nichos e os colonizado rapidamente, disse Field.

Outros cientistas disseram que esta pesquisa é uma maneira interessante de contar a história evolutiva após a extinção em massa. “Este artigo apresenta uma explicação intrigante para por que apenas algumas linhagens de aves sobreviveram ao evento de extinção em massa e depois se diversificaram tremendamente em resposta a habitats em recuperação”, disse Sushma Reddy, professora assistente de biologia na Universidade Loyola de Chicago, que não esteve envolvida no estudo, em entrevista ao Gizmodo. “Isso estabelece uma nova hipótese a ser testada conforme mais fósseis são descobertos.”

Mas a ausência de evidências não é a evidência da ausência — só porque você não encontra algo não significa que não esteja lá. Pode haver mais para a história ainda descobrir. “Para os fósseis que conhecemos, isso se encaixa na hipótese apresentada aqui. No entanto, as aves são conhecidas por terem um registro fóssil muito limitado”, disse Reddy. Talvez haja mais evidências para apoiar a hipótese em outros grupos de animais, como mamíferos.

Ainda assim, extinções em massa são páginas importantes no livro da história da Terra. A vida sempre encontra um jeito.

[Current Biology]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …