Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores se surpreendem ao achar corpo em sarcófago que pensavam estar vazio



Por: George Dvorsky

Nos últimos 150 anos, um caixão de cedro de uma antiga sacerdotisa egípcia está em exposição em um museu na Austrália. Registros sugeriam que o sarcófago de 2.500 anos estava vazio, então ninguém se importou em ver se tinha algo dentro. Ano passado, curadores do museu finalmente o abriram e, para surpresa deles, o caixão continha uma múmia – com bandagens e tudo.

Quando a tampa do caixão foi removida, os curadores do Museu Nicholson não esperavam encontraram nada muito especial. O antigo artefato egípcio, junto de três outros caixões de madeira que continha múmias dentro, foram adquiridos por volta do ano 1860 por Charles Nicholson, um antigo chanceler da Universidade Sidney. Mas por alguma razão, o conteúdo deste sarcófago em particular foi ignorado. Um manual associado ao caixão mencionava que ele estava vazio, e os registros do museu sugerem que ele continha “diversos detritos” dentro.

Quando a tampa foi removida no ano passado, os curadores descobriram os restos mortais de uma autêntica múmia egípcia.

“Foi tão incrivelmente surpreendente o que vimos – um destes momentos em que você precisa respirar fundo e apenas se segurar”, disse Jamie Fraser, investigador líder e curador no Museu Nicholson da Universidade Sidney, à BBC. “Nunca escavei uma tumba egípcia, mas isso chega perto o bastante”.

Usando tomografia e scanners a laser, a equipe de Fraser completou uma análise preliminar do conteúdo do caixão.


Créditos: Macquarie Medical Imaging

A múmia realmente estava em péssimo estado, e dá para imaginar porque o conteúdo do caixão foi listado como “detrito”. É provável que invasores de tumbas furtaram o sarcófago, buscando por amuletos, joias, e outros tesouros. Apesar das más condições dos restos mortais, os pesquisadores conseguiram identificar o torso e diversos ossos (incluindo os ossos do pé e das pernas, e algumas costelas), enquanto removiam as bandagens, traços de resina e milhares de missangas de viro de um manto fúnebre.

O habitante do caixão morreu quando tinha aproximadamente 30 anos de idade, mas não se sabe se este é o verdadeiro ocupante do sarcófago. Inscrições no caixão mostram dados do século VII a.C., e que ele pertencia a uma sacerdotisa chamada Mer-Neith-it-es. A múmia poderia muito bem ser dela, mas mais trabalho é necessário para confirmar isso.


Créditos: Nicholson Museum

“Sabemos por hieróglifos que Mer-Neith-it-es trabalhou no Templo de Sekhmet, a deusa com cabeça de leão”, disse Fraser para a Deutsche Welle. “Existem algumas dicas nos hieróglifos e a maneira com que a mumificação foi feita e o estilo de caixão nos dizem como o Templo de Sekhmet trabalhava”.

Para o futuro, os pesquisadores gostariam de saber quais doenças afetaram este individuo e a causa da morte, além de pistas sobre sua dieta e estilo de vida. A descoberta do corpo dentro do caixão pode ter surgido como uma completa surpresa, mas isso significa que arqueólogos e curadores podem praticar um pouco de ciência.

[BBC, Deutsche Welle]

Imagem de topo: Macquarie Medical Imaging

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…