Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores se surpreendem ao achar corpo em sarcófago que pensavam estar vazio



Por: George Dvorsky

Nos últimos 150 anos, um caixão de cedro de uma antiga sacerdotisa egípcia está em exposição em um museu na Austrália. Registros sugeriam que o sarcófago de 2.500 anos estava vazio, então ninguém se importou em ver se tinha algo dentro. Ano passado, curadores do museu finalmente o abriram e, para surpresa deles, o caixão continha uma múmia – com bandagens e tudo.

Quando a tampa do caixão foi removida, os curadores do Museu Nicholson não esperavam encontraram nada muito especial. O antigo artefato egípcio, junto de três outros caixões de madeira que continha múmias dentro, foram adquiridos por volta do ano 1860 por Charles Nicholson, um antigo chanceler da Universidade Sidney. Mas por alguma razão, o conteúdo deste sarcófago em particular foi ignorado. Um manual associado ao caixão mencionava que ele estava vazio, e os registros do museu sugerem que ele continha “diversos detritos” dentro.

Quando a tampa foi removida no ano passado, os curadores descobriram os restos mortais de uma autêntica múmia egípcia.

“Foi tão incrivelmente surpreendente o que vimos – um destes momentos em que você precisa respirar fundo e apenas se segurar”, disse Jamie Fraser, investigador líder e curador no Museu Nicholson da Universidade Sidney, à BBC. “Nunca escavei uma tumba egípcia, mas isso chega perto o bastante”.

Usando tomografia e scanners a laser, a equipe de Fraser completou uma análise preliminar do conteúdo do caixão.


Créditos: Macquarie Medical Imaging

A múmia realmente estava em péssimo estado, e dá para imaginar porque o conteúdo do caixão foi listado como “detrito”. É provável que invasores de tumbas furtaram o sarcófago, buscando por amuletos, joias, e outros tesouros. Apesar das más condições dos restos mortais, os pesquisadores conseguiram identificar o torso e diversos ossos (incluindo os ossos do pé e das pernas, e algumas costelas), enquanto removiam as bandagens, traços de resina e milhares de missangas de viro de um manto fúnebre.

O habitante do caixão morreu quando tinha aproximadamente 30 anos de idade, mas não se sabe se este é o verdadeiro ocupante do sarcófago. Inscrições no caixão mostram dados do século VII a.C., e que ele pertencia a uma sacerdotisa chamada Mer-Neith-it-es. A múmia poderia muito bem ser dela, mas mais trabalho é necessário para confirmar isso.


Créditos: Nicholson Museum

“Sabemos por hieróglifos que Mer-Neith-it-es trabalhou no Templo de Sekhmet, a deusa com cabeça de leão”, disse Fraser para a Deutsche Welle. “Existem algumas dicas nos hieróglifos e a maneira com que a mumificação foi feita e o estilo de caixão nos dizem como o Templo de Sekhmet trabalhava”.

Para o futuro, os pesquisadores gostariam de saber quais doenças afetaram este individuo e a causa da morte, além de pistas sobre sua dieta e estilo de vida. A descoberta do corpo dentro do caixão pode ter surgido como uma completa surpresa, mas isso significa que arqueólogos e curadores podem praticar um pouco de ciência.

[BBC, Deutsche Welle]

Imagem de topo: Macquarie Medical Imaging

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …