Pular para o conteúdo principal

Como cientistas poderiam usar sequenciamento de DNA para identificar vida alienígena



Por: Kristen V. Brown

Eis um enigma: se uma forma de vida alienígena é, bem, um alienígena, como saberemos o que ela é? DNA e RNA são os blocos de construção da vida na Terra, mas as moléculas de vida podem ser substancialmente diferentes em outro planeta. Portanto, se cientistas observando, digamos, as águas potencialmente habitáveis da lua Europa, de Júpiter, encontrassem uma nova forma de vida, como eles saberiam o que descobriram?

Um novo estudo feito por cientistas da Universidade Georgetown, publicado neste mês no periódico Astrobiology, sugere um método para identificar vida alienígena usando tecnologia moderna de sequenciamento de genoma.

“[A] maioria das estratégias para detecção de vida dependem de encontrar características conhecidas por serem associadas com a vida terrestre, como classes particulares de moléculas”, escreveram os pesquisadores. “Mas a vida pode variar vastamente em outros planetas e luas, particularmente conforme expandimos nossos esforços para explorar mundos oceânicos como (as luas) Europa e Encélado.”

Funciona assim: ácidos nucleicos como o DNA formam estruturas que vão, inerentemente, se ligar a uma série de materiais e formatos, incluindo moléculas orgânicas, minerais e até metais. No sistema que os pesquisadores propõem, uma técnica às vezes usada na detecção de câncer chamada “Evolução Sistemática de Ligantes por Enriquecimento Exponencial”, eles sugerem criar ácidos nucleicos que possam se ligar a moléculas orgânicas que são indicadores da vida.

Os ácidos nucleicos iriam, teoricamente, agir como uma espécie de sensor que pode ser amplificado, e os padrões de ligação seriam analisados, revelando um tipo de assinatura bioquímica — uma “impressão digital”, como os pesquisadores definem.

A bioquímica da vida alienígena pode ser completamente diferente de qualquer coisa que já vimos na Terra, mas ainda seria possível ter uma ideia dos padrões moleculares e da complexidade dessa forma de vida e, consequentemente, uma ideia mais ampla do que ela é. Para começo de conversa, se as estruturas moleculares identificadas forem complexas, isso é um sinal muito bom de que se trata, de fato, de uma vida.

O sistema que os pesquisadores da Georgetown propõem é apenas uma ideia de como identificar melhor formas de vida alienígena, mas é um sistema muito menor e menos complicado do que outros métodos de detecção de sinais moleculares de vida, como os sistemas de espectroscopia de massa a bordo do rover Curiosity, em Marte.

Os pesquisadores apontam que os esforços para miniaturizar sequenciadores de genoma, como o MinION, da Oxford Nanopore, que cabe na palma da mão, poderiam um dia resultar em métodos leves e extremamente pequenos de detecção de formas de vida no espaço.

“Sem pressupor qualquer estrutura molecular específica, essa abordagem agnóstica na detecção de vida poderia ser usada de Marte aos mais distantes cantos do Sistema Solar, tudo dentro da estrutura de um sistema que extraia pouco calor e energia”, escreveram os pesquisadores.

Em 2016, a NASA sequenciou DNA no espaço pela primeira vez na história. A agência tem explorado maneiras de tornar a tecnologia mais adequada para a exploração espacial.

Imagem do topo: NASA

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …