Pular para o conteúdo principal

Origem do gênero humano pode ter ocorrido por acaso


Reprodução de Homo erectus no Museu de História Natual de Viena, na Áustria.

Associação entre mudanças ambientais e surgimento do gênero Homo é questionada

Entre os estudiosos da vida, é comum a crença de que são necessários eventos em larga escala, tais como mudanças climáticas globais, para estimular o surgimento de espécies novas e diversificadas em grande quantidade. E sabe-se que um grande influxo de novas espécies animais, descrito como um “pulso” de novas espécies, pode ser visto nos registros de fósseis africanos entre 2,8 e 2,5 milhões de anos atrás - incluindo nosso próprio gênero Homo. Mas W. Andrew Barr, do Centro de Estudo Avançado da Paleobiologia Humana da Universidade George Washington, diz que suas pesquisas sugerem que esse evento pode ter ocorrido por acaso, independentemente de mudanças climáticas. O artigo relatando os resultados do estudo foi publicado no dia 31 de julho na revista científica Cambridge Core.

Considera-se que, de forma geral, a ocorrência de grandes mudanças ambientais levará ao surgimento de algumas espécies e à extinção de outras, o que pode gerar um conjunto de novas espécies, ou pulso, no registro fóssil. Entretanto, não há uma definição formal do que seja considerado um pulso. Por isso, os especialistas discordam sobre quais grupos constituem eventos significativos e quais podem ser explicados como flutuações aleatórias.

Barr utilizou simulações de computador para modelar como o registro fóssil se pareceria ao longo do tempo na ausência de qualquer mudança climática e encontrou conjuntos de novas espécies com magnitude semelhante à dos conjuntos observados no registro fóssil. Isso significa que padrões aleatórias provavelmente têm seu papel na flutuação do processo de especificação sub-avaliado, ele diz.

As descobertas de Barr apontam que os cientistas talvez precisem repensar ideias amplamente aceitas sobre por que os ancestrais humanos se tornaram mais inteligentes e sofisticados.

“A ideia de que nosso gênero se originou há mais de 2,5 milhões de anos como parte de um pulso de substituição em resposta direta a mudanças climáticas tem uma história profunda na paleoantropologia”, disse Barr. “Meu estudo mostra que a magnitude daquele pulso poderia ser causada por flutuações aleatórias em taxas de especiação. Uma implicação é que talvez precisemos ampliar nossa busca pelo motivo pelo qual nosso gênero surgiu naquele lugar e época.”

Ele comparou o padrão a lançar uma moeda. Se lançar uma moeda 100 vezes, você esperaria registrar “cara” 50 vezes e “coroa” outras 50. Contudo, se estiver olhando apenas para 10 arremessos de moeda, poderia ver um grande desequilíbrio, registrando, em vez disso, sete “cara” e apenas três “coroa”. Com o passar do tempo, as proporções iriam se aproximar, mas, no curto prazo, seria possível enxergar os conjuntos formados pelos resultados dos lançamentos independentes da moeda, segundo ele.

De forma similar, no modelo de Barr, as flutuações na substituição de espécies são expressivas, mas causadas puramente por processos aleatórios.

“Quando se olha com cuidado as evidências e se compara as possíveis explicações, a ideia de que a origem do Homo é parte de um pulso de substituição causado pelo clima realmente não se mantém”, disse Barr.

A pesquisa desafia os cientistas a serem cuidadosos com as histórias que contam sobre a história da adaptação humana, segundo Barr. Traços que fazem dos humanos diferentes de seus ancestrais - como cérebros maiores e grande sofisticação tecnológica - poderiam ter surgido por uma variedade de razões, ele diz.

“Podemos sentar no presente e contar histórias sobre o passado que fazem sentido com as adaptações dos nossos dias modernos”, ele disse. “Mas elas poderiam ter evoluído por razões que não conhecemos.”

Universidade George Washington

FONTE: http://www2.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…