Pular para o conteúdo principal

Observatório brasileiro caçador de asteroides perigosos faz vaquinha para não parar



POR SALVADOR NOGUEIRA

A vida não está fácil para ninguém, nem mesmo para quem defende o planeta contra o perigo dos asteroides. Para se manter em operação até 2018, o Observatório SONEAR, principal caçador de bólidos ameaçadores à Terra no hemisfério Sul, está tendo de recorrer a uma vaquinha virtual. Se não tiver sucesso, podemos ficar às cegas para fazer o rastreamento de um bom pedaço do céu, inacessível por telescópios instalados no hemisfério Norte. Um apagão do céu austral.

“A manutenção dos equipamentos é cara, e gastamos cerca de R$ 9 mil por ano com ela”, diz Cristóvão Jacques, líder do projeto que opera desde o final de 2013 e foi responsável, entre outros feitos, pela descoberta do primeiro cometa “brasileiro” (ou seja, encontrado no Brasil, por astrônomos brasileiros, com telescópio nacional).


Cobertura do céu nos últimos 30 dias por todos os projetos de busca de asteroide. As áreas em branco são as do SONEAR. Repare como ele reina solitário no extremo Sul celeste. (Crédito: IAU/Minor Planet Center)

Construído em Oliveira (MG), o SONEAR (sigla de Southern Observatory for Near-Earth Asteroid Research, ou Observatório Austral para Pesquisa de Asteroides Próximos à Terra) é um projeto de astronomia amadora, financiado 100% por recursos particulares de Jacques e outros dois “sócios”, João Ribeiro de Barros e Eduardo Pimentel. Os resultados, contudo, são bem profissionais.

Entre 2014 e 2017, o SONEAR descobriu 6 cometas, 28 asteroides próximos à Terra, 3 “Mars Crossers” (bólidos cuja órbita cruza a órbita de Marte) e 23 asteroides no cinturão principal, localizado entre Marte e Júpiter.

“Desde que entramos em operação, o SONEAR foi o mais produtivo de todos os observatórios amadores do mundo para a descoberta de asteroides próximos à Terra, em todos os anos”, contou Jacques ao Mensageiro Sideral.

Sorte? Só se for na definição clássica de Milton Neves: a combinação da competência com a oportunidade. Além de adotar equipamentos e estratégias de observação eficazes, o grupo do SONEAR tem a vantagem de avançar praticamente sozinho sobre o céu do hemisfério Sul.

“Existem, neste momento, apenas dois observatórios no Sul voltados para esse tipo de pesquisa, e um está parado à espera de peças de reposição para o equipamento”, afirma Jacques. Por um lado, isso é bom para o SONEAR, que tem um número maior de potenciais descobertas. Para o planeta, contudo, não é uma boa notícia — se o SONEAR também tiver de parar, por falta de recursos, ficaremos às cegas para asteroides que trafeguem exclusivamente por regiões do céu visíveis apenas do lado de cá da linha do equador.

Para manter a bola rolando, a equipe do SONEAR espera arrecadar R$ 17 mil até o final do ano. A vaquinha virtual você pode encontrar clicando aqui.

FONTE: http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…