Pular para o conteúdo principal

Marte pode ter tido uma lua enorme antes das duas minúsculas que conhecemos



Orbitando nosso vizinho vermelho cheio de poeira estão dois pequenos satélites, Fobos e Deimos. Eles parecem pertencer às piores (mas não absolutamente piores) luas do sistema solar, mas sua existência pode contar uma história maluca sobre a história de Marte.

Um estudante de pós-graduação da Universidade de Purdue construiu um modelo para descobrir como as luas Fobos e Deimos, de Marte, se formaram. Sua conclusão ousada: é possível que, durante sua história, o planeta tenha passado por um ciclo – e continuará nele – entre ter um sistema de anéis como o de Saturno e ter rochas ligadas gravitacionalmente a si cada vez menores.

Nossa própria lua surgiu após um grande impacto em algum momento do início da história da Terra, cerca de 4,5 bilhões de anos atrás. Isso teria deixado um anel rochoso que rapidamente se agrupou em uma grande esfera. É possível que Marte tenha vivenciado uma colisão semelhante, aproximadamente na mesma época.

“Meu argumento é que Fobos não foi produzida em um impacto”, diz o autor do estudo, Andrew Hesselbrock, da Universidade de Purdue, em entrevista ao Gizmodo. Em vez disso, “o maior impacto criou um grande satélite que, em vez de colidir com Marte, se rompeu”. Em outras palavras, Marte pode ter tido, um dia, uma lua de tamanho bastante considerável que se rompeu em pedaços há muito tempo, criando um sistema de anel. Com o tempo, esse sistema seguiu se agrupando e caindo aos pedaços sob o puxão da gravidade de Marte até que restassem as duas luas minúsculas Fobos e Deimos.

Sabemos que a Fobos está se despedaçando — então, eventualmente, ela pode se tornar mais um anel, neste ciclo marciano.

A simulação de Hesselbrock vem de dados conectados em equações físicas e processados em um computador. O modelo implica que três de sete desses ciclos podem ter ocorrido ao longo da história marciana. No caso da Fobos, ele prevê que 80% da lua irá se depositar na superfície de Marte, enquanto 20% formarão uma lua nova, daqui a 70 milhões de anos. Hesselbrock publicou seu resultado no periódico Nature Geoscience, nesta segunda-feira.

Mas e a outra pequena lua de Marte, Deimos? Há um ponto cerca de seis vezes o raio de Marte, chamado de órbita síncrona, em que a velocidade do planeta combinada com seus efeitos gravitacionais evita que uma lua voe para longe ou se aproxime. Deimos fica fora deste ponto e pode, eventualmente, se distanciar cada vez mais de Marte até que escape. A Fobos fica dentro deste ponto, para sempre enredada pela gravidade do planeta.

Muitas pessoas sugeriram que as luas minúsculas de Marte eram asteroides capturados, afinal, o planeta fica bem próximo de um cinturão de asteroides. Mas Hesselbrock e outros acham essa teoria improvável — tanto Fobos quanto Deimos parecem ter órbitas circulares e alinhadas demais com o equador de Marte para indicar tal origem. Planetas maiores como Saturno têm luas pequenas e capturadas que dão voltas distantes, malucas e excêntricas em torno do planeta.

É claro, nunca saberemos com certeza, em nossa vida, se foi isso mesmo que aconteceu, porque, primeiro, isso é apenas um modelo físico; segundo, o mais velho de nós vive apenas um século, não milhões de anos. Entretanto, se o modelo de Hesselbrock estiver correto, talvez consigamos ver depósitos de poeiras de lua antigas na superfície marciana.

“Existe uma quantidade de material significativa que seria depositada sobre Marte”, ele disse. “Existe uma implicação esquisita de geologia marciana.”

Se os cientistas encontrarem sedimentos reveladores em Marte, isso poderia nos dar uma dica sobre o suposto ciclo de satélites e anéis do planeta. Mas, por enquanto, vai saber. O futuro é um mistério. O caos reina.

[Nature Geoscience]

Imagem do topo: Domínio público/Ryan F Mandelbaum via Wikimedia Commons

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…