Pular para o conteúdo principal

Guia básico da astronomia amadora


(FOTO: THOMÁS ARTHUZI)

O céu é para todos: reunimos 20 dicas para você dar os primeiros passos

Graças a Carl Sagan, a astronomia chegou de modo didático no lar de milhares de pessoas ao redor do mundo. Leia nosso especial sobre a vida do mestre, clicando aqui. Inspirada nele, a GALILEU criou este guia que dá um panorama geral do que você precisa fazer e conhecer para dar os primeiros passos.

Mas antes de começar a ler as dicas numeradas abaixo, decore os nomes das coordenadas astronômicasusadas para determinar a posição dos astros. Astrônomos não dizem, por exemplo, “olhe para cima”. Dizem “olhe para o zênite”.


(ILUSTRAÇÃO: MARCUS PENNA)

Zênite
Ponto do céu acima da cabeça do observador

Nadir
Ponto do céu na direção oposta à do zênite

Eclíptica
Círculo imaginário que representa a trajetória aparente do Sol e dos planetas na esfera celeste durante o ano.

SISTEMA EQUATORIAL CELESTE
Usado no mundo todo. Suas duas coordenadas, ascensão reta (ar) e declinação (dec), têm a mesma função que a latitude e a longitude no globo terrestre: a combinação das duas é o "endereço" do astro na esfera celeste. Mede-se a ar em horas (de 0h a 24h) e a dec em graus (Equador equivale a 0°, o Polo Sul, a -90°, e o Polo Norte, a +90°).



Ascensão Reta
Medida sobre o plano do Equador Celeste. A origem é no Ponto Vernal, que marca a posição do Sol no equinócio de primavera do Hemisfério Norte, enquanto a extremidade encontra-se localizada na vertical do astro.

Declinação
É perpendicular ao Equador Celeste (grande círculo imaginário que projeta a Linha do Equador da Terra na esfera celeste). Medida sobre a vertical do astro, com origem no equador e extremidade no próprio astro.

MAPA CELESTE
Veja acima as constelações do Hemisfério Sul. Astrônomos do Norte invejam a riqueza de nossos céus, com visão privilegiada da Via Láctea.



MOVIMENTO DIURNO DOS ASTROS
Ao longo do dia, todos os astros percorrem no céu arcos paralelos ao Equador em torno do eixo terrestre, no sentido leste-oeste (oposto ao da rotação da Terra). Note como os arcos mudam bastante de acordo com a latitude do observador no planeta.



Observador no equador
Todas as estrelas nascem e se põem (intervalo de 12 horas) em arcos perpendiculares ao horizonte. Constelações dos dois hemisférios visíveis no céu ao longo do ano.



Nos polos
Nenhuma estrela nasce ou se põe: elas permanecem 24 horas visíveis. Descrevem círculos paralelos ao horizonte e as estrelas do outro hemisfério não aparecem nunca.



Em latitude intermediária
Certas estrelas nascem e se põem. Algumas ficam 24 horas acima do horizonte; outras, abaixo. Percorrem arcos no céu com certa inclinação em relação ao horizonte.

DICA Nº 1 - APRENDA A USAR UM PLANISFÉRIO

Nosso planeta orbita o Sol como um pião prestes a tombar, e é por isso que não vemos sempre as mesmas estrelas. A inclinação de 23,5° no eixo de rotação da Terra não apenas cria as estações do ano como também faz diferentes regiões cósmicas transitarem acima de nossas cabeças. “Escorpião é uma constelação típica do nosso inverno, enquanto Órion aparece no verão”, diz Maria de Fátima Saraiva, astrofísica que adora planisférios.

O instrumento é um mapa personalizável do céu que sempre mostra as estrelas com precisão pois se adapta ao movimento do planeta, adequando-se à época do ano e à localização do observador. Nada mais é do que uma projeção plana da esfera celeste com os dias e meses marcados ao redor.

Mas a mágica só acontece ao sobrepor uma máscara com a latitude (distância em graus até a Linha do Equador) de sua cidade, que marque as horas do dia e delimite a janela de céu visível para você. Afinal, a noite estrelada que se observa em Belém do Pará é bem diferente da de Porto Alegre. “Quem mora no Equador vê a mesma quantidade de céu dos hemisférios Sul e Norte”, explica Saraiva.



Saraiva coordenou na UFRGS o projeto de um planisfério para cada região do Brasil. Neste link, é possível imprimir os mapas e as máscaras e conferir as instruções de montagem. “Montando o instrumento, cria-se uma relação afetiva com ele.”


DICA Nº 2 - COMO OBSERVAR SATÉLITES A OLHO NU

Na década de 1990, a Motorola criou uma constelação (sim, o termo é este mesmo) de 66 satélites para fornecer sinal de celular em todo o planeta. Só que uma década antes do iPhone, quase ninguém tinha celular — o projeto Iridium fracassou no mercado. Não na astronomia. Quando passam no ângulo certo, esses satélites refletem tanta luz solar que se tornam um dos objetos mais brilhantes do céu noturno, com brilho quase duas vezes mais intenso que o de Vênus.

“Em termos de distância espacial, eles estão muito próximos de nós”, afirma o astrônomo Marcelo De Cicco, pesquisador do Inmetro. Grandes objetos metálicos como a ISS e o Hubble também podem ser avistados a olho nu. O brilho não oscila como o das estrelas e lembra um pouco o de um avião, mas sem as luzes coloridas. “Eles aparecem como uma bolinha de brilho estável em trajetória retilínea.” Informe-se sobre a passagem de todos esses satélites pelos céus de sua cidade no site Heavens Above. O Spot the Station, da NASA, monitora a ISS.


DICA Nº 3 - O QUE SÃO AS SUPERLUAS

Gloriosas imperfeições estão por toda parte no delicado arranjo da mecânica celeste. Um exemplo é o que ocorre cerca de seis vezes ao ano pelo fato de a órbita da Lua em torno da Terra ser levemente elíptica, e não um círculo perfeito: há momentos em que ela está mais perto que a distância média de 384 mil quilômetros.

Quando coincide com a Lua Cheia ou com a Lua Nova, temos, no jargão astronômico, uma “lua do perigeu-sizígia”. São as famosas superluas. Nessas ocasiões, a Lua Cheia tem um diâmetro aparente 14% maior e um brilho 30% mais intenso do que teria no ponto mais distante. “Claro que impressiona mais quando é Cheia, mas a Nova também é importante”, diz o astrônomo Roberto Costa, do IAG-USP. “Ambas provocam marés mais altas, o que pode ser relevante para as atividades dos pescadores.” Superluas são bons momentos para levar o binóculo a um lugar alto e escuro para admirar as crateras lunares.




DICA Nº 4 - LOCALIZE OS ASTROS NO CÉU

O Star chart é um dos apps mais famosos para explorar o céu noturno e descobrir o nome dos astros em realidade aumentada. Todas as 88 constelações e os oito planetas do Sistema Solar estão incluídos no catálogo, que conta com 120 mil estrelas de ambos os hemisférios, além de 110 objetos de céu profundo. Avance ou volte 10 mil anos no tempo. Ative o modo noturno para que a vista não fique ofuscada.


DICA Nº 5 - IDENTIFIQUE ESTRELAS NOTÁVEIS



Sirius
Constelação: Cão Maior
Distância: 8,6 anos-luz
Magnitude aparente: -1,46
Ascensão reta: 6h 45m 9s
Declinação: -16° 42' 58"



Canopus
Constelação: Carina
Distância: 313 anos-luz
Magnitude aparente: -0,72
Ascensão reta: 6h 23m 57s
Declinação: -52° 41' 45"



Alpha Centauri
Constelação: Centauro
Distância: 4,3 anos-luz
Magnitude aparente: -0,27
Ascensão reta: 14h 39m 37s
Declinação: -60° 50' 2''



Antares
Constelação: Escorpião
Distância: 520 anos-luz
Magnitude aparente: 0,96
Ascensão reta: 16h 29m 24s
Declinação: -26° 25' 55''


DICA Nº 6 – BINÓCULOS OU TELESCÓPIOS?

Adquirir produtos astronômicos no Brasil é missão quase impossível. “Enquanto no exterior com us$ 300 se compra um belo instrumento, aqui ele sai por R$ 3 mil”, diz Marcelo De Cicco. O jeito é pedir para alguém trazer dos eua, ou recorrer ao mercado de usados. As principais lojas são de e-commerce, como a Casa do Astrônomo e a Astroshop, representante de duas marcas conceituadas: Celestron e Orion.

Recomendam-se binóculos aos iniciantes, mas De Cicco diz que lunetas ou telescópios com qualidade ótica e abertura entre 70 mm e 150 mm também são uma boa. Mas não mais do que isso. “Se o entusiasta investe em equipamento avançado sem conhecer o céu, acaba tendo a impressão de que a astronomia é chata e difícil.” Contra isso, ele tem uma dica infalível: começar pelo charme do planeta dos anéis. “O primeiro Saturno a gente nunca esquece — é uma gracinha.”


BEM-ACABADO E COM ENTRADA PARA TRIPÉ, O BINÓCULO CELESTRON UPCLOSE É IDEAL PARA OBSERVAR A LUA, AGLOMERADOS ESTELARES, GALÁXIAS E TAMBÉM NEBULOSAS. PRÁTICO E POTENTE, O TELESCÓPIO ORION SKYSCANNER POSSUI SUPORTE GIRATÓRIO PARA APOIAR EM MESAS. ESTUDE DETALHES DO RELEVO LUNAR E OS PLANETAS

Binóculo Celestron Upclose 10X50 • Ampliação: 10 vezes • Abertura: 50 mm • Peso: 765 g • Campo de visão angular: 6,8° • R$ 389,20 • gerilu.com.br

Telescópio Orion Skyscanner 100 mm • Tipo: Refletor • Ampliação: 40x-200x Abertura: 100 mm • Peso: 2,8 kg • Distância focal: 400 mm • US$ 300/R$ 1.026 • optcorp.com

SEM PICARETAGEM
Aberturas e ampliações realistas para fugir de ciladas




DICA Nº 7 - COMO ESCOLHER SEU INSTRUMENTO

Binóculos
“Binos” para os íntimos, são ótimos para se familiarizar com as estrelas. O mais indicado para iniciar é o modelo com ampliação de 7 vezes e abertura de 50 mm (7x50), que permite observações incríveis da Lua, de galáxias e de aglomerados estelares. Como o tremor dos braços é um problema, invista em um bom tripé.

Telescópio
Não caia no conto das ampliações milagrosas de 500 ou mil vezes: costumam ser má-fé ou ótica duvidosa que gerará aberrações cromáticas e deformações. Evite lunetas com abertura de 50 ou 60 mm. “Não dá para ver nada, só a Lua e a vizinha”, brinca Julio Lobo, do Observatório Municipal de Campinas.


DICA Nº 8 - PARA ONDE APONTAR AS LENTES

Galileu Galilei ergueu a pequena luneta com 30 mm de abertura em direção às estrelas em 1609 — e mudou para sempre nosso entendimento. Notou crateras na Lua e concluiu que ela não era perfeita como as coisas do céu deveriam ser. Estudando Vênus e Júpiter, fez descobertas contrárias à tradição geocêntrica. “Essas observações podem ser repetidas com qualquer pequeno telescópio de 50 mm e ampliação de 20x”, diz Roberto Costa.



Luas de Júpiter
As quatro maiores luas de Júpiter pareciam meras estrelinhas na luneta de Galileu. Mas observações sistemáticas revelaram que Io, Calisto, Ganímedes e Europa orbitavam o gigante gasoso. O geocentrismo ia perdendo sentido. Encontrá-las é uma experiência emocionante, possível até com binóculos.

Fases de Vênus
Descobrir que Vênus tinha fases como a Lua foi um choque para a Europa seiscentista. “É impossível explicar isso supondo que o Sol gira em torno da Terra”, afirma Costa. O fenômeno ocorre pois a órbita venusiana é mais interna: conforme a posição, vemos o disco de Vênus iluminado ou sombreado.


DICA Nº 9 - TENHA SEU PRÓPRIO PLANETÁRIO

O Stellarium é o programa dos sonhos para qualquer um que ame astronomia. Com código aberto, mostra um céu tão realista que tem sido usado em planetários. Conta com catálogo de 600 mil estrelas e zoom poderoso para “viajar” até os astros, que têm fichas técnicas. Aplique datas passadas ou futuras e explore céus de outros lugares do Sistema Solar. “Programe a hora em que vai ver o céu e imprima para poder estudar as estrelas mais brilhantes e as constelações usando uma pequena lanterna com filtro vermelho, para não ofuscar a visão”, sugere o astrônomo Julio Lobo.


DICA Nº 10 – OBSERVE NEBULOSAS

Nuvens interestelares de poeira e gás ionizado, as nebulosas estão entre os objetos mais interessantes para observar — e o céu do Hemisfério Sul abriga espécimes notáveis. Um dos destaques é a nebulosa escura do Saco de Carvão, formada por moléculas e grandes grãos de poeira que bloqueiam a luz que vem de trás. Daí o negror. Próxima à constelação do Cruzeiro do Sul, é facilmente visível a olho nu ou com instrumentos de baixa ampliação. Outra prata da casa é a nebulosa de Carina, berçário de aglomerados estelares que iluminam o material ao redor.

“Por apresentar estrutura versátil, é um belo objeto a ser observado com binóculos, mas através de telescópios apresenta características ainda mais belas”, diz Marcelo De Cicco. Aproveite o verão para contemplar outro esplendor, pouco abaixo das Três Marias: a Grande Nebulosa de Órion. Visível a olho nu, é um objeto famoso. “Permite que se usem ampliações mais altas, mesmo com aberturas pequenas.”



Saco de carvão
Constelação: Cruzeiro do Sul
Distância: 600 anos-luz
Ascensão reta: 12h 50m 0s
Declinação: -62° 30' 0''



Carina (NGC 3372)
Constelação: Carina
Distância: 7,5 mil anos-luz
Ascensão reta: 10h 45m 8s
Declinação: -59° 52' 4''



Órion (M42)
Constelação: Órion
Distância: 1,5 mil anos-luz
Ascensão reta: 5h 35m 17s
Declinação: -5° 23' 28'''


DICA Nº 11 - ENCONTRE CÉUS ESCUROS

As luzes das cidades impedem que 62% dos brasileiros contemplem a Via Láctea. Pouca coisa além dos astros mais brilhantes como Vênus e a estrela Sirius são visíveis em lugares como São Paulo. “Um bom local para contemplar o céu precisa ser alto, longe de áreas urbanas e de parques industriais com atmosfera poluída”, destaca Saulo Gargaglioni, especialista do Laboratório Nacional de Astrofísica que também indica noites de inverno e sem luar. Estudos apontam que a poluição luminosa ainda prejudica o metabolismo de animais e vegetais.

CINCO ESTRELAS
Cidades brasileiras que se destacam pelo céu estrelado




O LADO SOMBRIO DA FORÇA
Postes ineficientes projetam luz para todos os lados, agravam a poluição luminosa e desperdiçam energia




DICA Nº 12 - VEJA UMA ESTRELA CADENTE

Chuvas da meteoros são formadas quando a Terra cruza com detritos de cometas ou de asteroides: eles viram estrelas cadentes ao entrar na atmosfera. “Pegue um chocolate quente, um cobertor, ligue o som e aprecie o céu”, sugere De Cicco.

As chuvas de meteoros mais intensas no Brasil em 2017




DICA Nº 13 – CONTEMPLE GALÁXIAS

Ver uma galáxia é emocionante. A vizinha Andrômeda aparece como um pontinho esfumaçado nos céus do Norte, ao contrário das Nuvens de Magalhães, vistas só do Hemisfério Sul. “São pequenos satélites da Via Láctea e têm mais ou menos o tamanho da Lua Cheia, pois estão relativamente próximas”, diz Roberto Costa. Aberturas de 80 mm revelam detalhes como a Nebulosa da Tarântula.



Grande Nuvem
Constelação: Dourado
Estrelas: 30 bilhões
Distância: 163 mil anos-luz
Magnitude: 0,9
Ascensão reta: 5h 23m 34s
Declinação: -69° 45’ 22”



Pequena Nuvem
Constelação: Tucana
Estrelas: 3 bilhões
Distância: 200 mil anos-luz
Magnitude: 2,7
Ascensão reta: 0h 52m 44s
Declinação: −72° 49' 43''”


DICA Nº 14 - MEÇA A POLUIÇÃO LUMINOSA

O Dark Sky Meter utiliza a câmera do celular para avaliar a qualidade do céu noturno, indicando os objetos visíveis naquele grau de poluição luminosa e quantificando quão poluído está o firmamento. Oferece a possibilidade de enviar os dados para a International Dark--Sky Association, órgão que luta no mundo todo pela preservação da noite escura e estrelada.


DICA Nº 15 – ENXERGUE MAIS LONGE

Binóculo Orion Giant - Maior binóculo da Orion, pode até ter duas lentes, mas é potente como um telescópio. O foco é ajustado em cada ocular, o que permite enxergar melhor os detalhes do objeto. Telescópio Celestron Omni - Montagem equatorial inclusa otimiza a observação de objetos de céu profundo ou do Sistema Solar. Revestimento especial transmite até 97,4% da luz, gerando imagens mais nítidas

Montagem equatorial inclusa otimiza a observação de objetos de céu profundo ou do Sistema Solar. Revestimento especial transmite até 97,4% da luz, gerando imagens mais nítidas

Binóculo Orion Giant View 25x100 • Ampliação: 25 vezes • Abertura: 100 mm • Peso: 4,5 kg • Campo de visão angular: 2,5° • R$ 4.370 • casadoastronomo.com.br

Telescópio Celestron Omni Xlt 150 • Tipo: Refrator • Ampliação: 30x-354x • Abertura: 150 mm • Peso: 22,4 kg • Distância focal: 750 mm • US$ 2.250,09/R$ 7.698,49 • bhphotovideo.com


DICA Nº 16 - VISITE OBSERVATÓRIOS E PLANETÁRIOS



AL
Observatório Genival Leite Lima
Av. Fernandes Lima, s/nº, Maceió
Terças, quintas e sábados, 19h30 às 22h
Gratuito

AP
Planetário Móvel Maywaka
Museu Sacaca — Av. Feliciano Coelho, 1.509, Macapá
Sábados, 14h às 17h
Gratuito

BA
Observatório Antares
UEFS — R. da Barra, 925, Feira de Santana
Terças e quintas, 18h às 21h
Gratuito

CE
Planetário Rubens de Azevedo
Centro Dragão do Mar — R. Dragão do Mar, 81, Fortaleza
Sextas a domingos, sessões às 18h e 19h
R$ 10

DF
Observatório da UnB
Fazenda Água Limpa, Vargem Bonita, Quadra 17, Brasília
Segunda a sábado, 8h às 18h (agendamento)
Gratuito

GO
Planetário da UFG
UFG — Av. Contorno, 900, Goiânia
Aos domingos, às 15h30 e 17h
R$ 6

MA
Planetário Móvel da Secti
Itinerante
Informações: planetario@secti.ma.gov.br
Gratuito

MS
Clube de Astronomia Carl Sagan
Casa da Ciência UFMS — Cidade Universitária, Campo Grande
Sextas, 19h. Infos: cacarlsagan@gmail.com
Gratuito

MG
Observatório do Pico dos Dias
Laboratório Nacional de Astrofísica — Bom Sucesso, Brazópolis
Agendamento: gcapistrano@lna.br
Gratuito

PA
Centro de Ciências e Planetário do Pará
UEPA — Av. Augusto Montenegro, Km 3, Belém
Sábados, às 16h e 17h
R$ 5

PB
Planetário da FUNESC
R. Abdias Gomes de Almeida, 800, João Pessoa
Sábados e domingos, às 17h
R$ 4

PR
Observatório Prof. Leonel Moro
Bairro rural de Juruquí, Campo Magro
Primeiros sábados dos meses, 20h às 23h
Gratuito

PE
Observatório do Alto da Sé
Rua Bispo Coutinho, s/nº, Olinda
Terças a domingos, 16h às 20h
Gratuito

RJ
Observatório do Valongo
UFRJ — Ladeira Pedro Antônio, 43, Rio de Janeiro
Quartas, 18h às 21h
Gratuito

Planetário da Gávea
R. Vice-Governador Rubens Berardo, 100, Rio de Janeiro
Sábados, domingos e feriados,
14h30 às 17h
R$ 26

RN
Planetário de Parnamirim
Pq. Aluízio Alves — Av. Castor Vieira Régis, s/nº, Parnamirim
Sábados, às 15h30 e 17h
R$ 4

RS
Observatório da UFRGS
Av. Osvaldo Aranha, s/nº, Porto Alegre
Terças e quintas, 19h às 22h
Gratuito

RR
Planetário Móvel da UFRR
Itinerante
Informações: posfisica@ufrr.br
Gratuito

SC
Observatório da UFSC
Campus Reitor João David Ferreira Lima, s/nº, Florianópolis
Quartas, a partir de 19h
Gratuito

SE
Planetário da CCTECA
Pq. da Sementeira — Av. Oviêdo Teixeira, 51, Aracaju
Terças a sextas, 9h às 12h e 14h às 17h / Sábados e domingos, 14h às 17h
Gratuito

SP
Observatório Municipal Jean Nicolini
Estr. do Capricórnio, s/nº, Campinas
Domingos, 17h às 21h
R$ 4

Planetário Prof. Aristóteles Orsini
Parque Ibirapuera, São Paulo
Sábados, domingos e feriados, sessões às 10h, 12h, 15h e 17h
Gratuito


DICA Nº 17 - ADMIRE AGLOMERADOS ESTELARES

Estrelas socializam como humanos. Os aglomerados podem ser abertos, como a colorida Caixa de Joias, ou globulares, como Omega Centauri, o maior da Via Láctea, que mais parece um vespeiro. São bem observados a olho nu, com binóculos de 10x50 ou telescópios refratores com abertura de 75 mm a 100 mm e ampliação de 30 a 50 vezes. “Ampliações de 80x ou mais, com aberturas acima de 100 mm, podem ser experimentadas em noites ótimas”, diz Marcelo de Cicco.



Caixas de joias
Constelação: Cruzeiro do Sul
Estrelas: 100
Distância: 6,4 mil anos-luz
Magnitude: 4,2
Ascensão reta: 12h 53m 42s
Declinação: −60° 22' 0''



Omega Centauri
Constelação: Centauro
Estrelas: 10 milhões
Distância: 15,8 mil anos-luz
Magnitude: 3,9
Ascensão reta: 13h 26m 47s
Declinação: −47° 28' 46''


DICA Nº 18 - KIT BÁSICO DE ASTROFOTOGRAFIA


Montagem portátil se acopla no tripé da câmera. Basta alinhá-la com o polo para que ela elimine o efeito da velocidade de rotação da Terra e "siga" os objetos.

Canon EOS REBEL T5 + lente 18-55 mm • Resolução: 18 MP • ISO: 100-6.400 • R$ 2.499,99 • loja.canon.com.br

Lente 200 mm f/2.8 • R$ 3.299,99 • loja.canon.com.br

Lente 50 MM F/1.8 • R$ 499,99 • loja.canon.com.br

Tripé Greika WT3710 • Capacidade: 2,5 kg • Peso: 1,1 kg • Altura: 0,55-1,38 m R$ 299,99 • loja.canon.com.br

Vixen Polarie Star Tracker • Capacidade: 3,1 kg • Peso: 0,6 kg (sem pilhas) • Dimensões: 95x137x58 mm Bateria: 2 pilhas AA • US$ 1.024/R$ 3.503,66 • bhphotovideo.com


DICA Nº 19 – COMO FOTOGRAFAR O COSMO

A astrofotografia é uma arte encantadora, pois promove uma conexão profunda com o universo. Mais versáteis, lentes fotográficas são indicadas a iniciantes: fotografar com telescópios exige prática. Grandes-angulares abaixo de 50 mm são boas para compor paisagens com a Via Láctea. Fairbairn sugere iso alto (entre 640 e 3.200), diafragma bem aberto (de 2.8 a 6.3), foco no infinito e uma regra para o tempo de exposição: divida a distância focal da lente por 400. Mas como fotos da Lua já exigem outra configuração, o jeito é pesquisar. Invista em controle de disparo remoto e montagem equatorial.


DICA Nº 20 - O MELHOR DO CÉU EM 2017

11 de fevereiro - Eclipse parcial da Lua
A Lua passa pela penumbra da Terra e fica escurecida. Visível em todo o Brasil — pico ocorre por volta das 22h40.

5 de maio - Pico Eta Aquarídeas
Uma das principais chuvas de meteoros do Hemisfério Sul. De madrugada, podem surgir até 60 meteoros por hora.

5 de agosto - Eclipse total do Sol
Visível nos Estados Unidos e parcialmente no Brasil (exceto nas regiões Sul e Sudeste), com pico por volta das 15h30.

13 de novembro - Conjunção planetária
Antes do amanhecer, Vênus e Júpiter estarão muito próximos um do outro no céu (0,3°). Olhe para o leste por volta das 5h40.

5 de dezembro - Superlua
Única do ano, não será das melhores: fica cheia 17 horas antes da máxima aproximação (distância de 357,4 mil km).

FONTES: Revista Galileu; "Sistemas de Coordenadas" — Depto. de Astronomia da UFRGS (Kepler Oliveira Filho & Maria de Fátima Saraiva; Mapa: Hoshifuru; “Planisférios para o Brasil” — Instituto de Física da UFRGS (coordenação de Maria de Fátima Saraiva); “The 26 Brightest Stars” (Chris Dolan); Banco de dados astronômicos Simbad; Tabela de ampliação e abertura — Marcelo De Cicco; Constelações — “The Constellations” (IAU); valores de entrega e impostos do telescópio calculados pela loja OPT Telescopes para SP; cotação do dólar em 16/11 (R$ 3,42);“The New World Atlas of Artificial Night Sky Brightness” (Science Advances), LNA; Cidades e chuvas de meteoros: Marcelo de Cicco (Exoss Citizen Science) e ON; Sites dos produtos, valores de entrega e impostos calculados pela loja B&H para SP; cotação do dólar em 16/11 (R$ 3,42)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…