Pular para o conteúdo principal

Equipe do Brasil vai participar de competição da NASA pela primeira vez


Estudantes levantaram verba através de uma vaquinha e conseguiram produzir um veículo quase seis vezes mais barato do que a média

Um grupo de seis estudantes vai formar a primeira equipe brasileira da história a participar da competição NASA Human Exploration Rover Challenge, feita na sede da agência espacial americana, em Huntsville, no Alabama, EUA.

Todos eles vêm da região de São Gonçalo e Niterói, no Rio de Janeiro, e têm entre 15 e 17 anos. A missão dos "Spacetroopers" — nome do time escolhido por eles — é construir um rover, veículo projetado para andar em ambientes extraterrestres. O carrinho pode ser elétrico, motorizado ou robotizado. Para o desafio era preciso projetar um automóvel do tipo tripulado e mecânico.

Os brasileiros não só fizeram o projeto em pouco tempo, como construíram o aparelho com o mínimo possível de custos. Segundo a estudante de engenharia da Universidade Federal Fluminense Nathália Pires, de 17 anos, o carrinho, movido a pedal, custou 1.100 dólares para ficar pronto. Uma grande diferença quando comparado à média de custo dos outros carrinhos: seis mil.

A competição conta com a participação de 72 países, e, pela primeira vez, vai ter a participação de uma equipe brasileira. "Eu achei o anúncio na página de um rede social de uma garota da Europa. Acho que nem tem divulgação aqui no país", conta Rafaela Bastos, de 17 anos, à GALILEU. Foi ela quem enviou o e-mail para a organização do evento, perguntando se era possível fazer uma inscrição brasileira.

"Nós brincamos que foi nosso presente de Natal, porque dia 25 de dezembro eles nos responderam agradecendo o interesse e confirmando nossa entrada", diz Nathália. Em janeiro, a equipe inciou a projeção do carrinho, que durou pouco mais de um mês. Antes de ficar completamente pronto, porém, eles já vinham treinando o manuseio do veículo.

A ideia do NASA Human Exploration Rover Challenge é desafiar o rover em tarefas de exploração extraterrestre. A principal competição é uma corrida de obstáculos, de aproximadamente 840 metros. Em outra prova, é preciso coletar amostras no menor tempo possível, com ferramentas projetadas pela própria equipe. Em um terceiro desafio, o design da roda do veículo é avaliado.

Além de Nathália e Rafaela, o time é formado por Larissa Perrone, Alexandre Rodrigues, Fellipe Franco e Yago Dutra. Todos assíduos participantes de olimpíadas científicas. Para conseguir bancar a viagem, porém, o grupo precisou arrecadar uma vaquinha de 60 mil reais, que abarcava o preço de transporte do carrinho, dos participantes e outros custos de viagem.

Os membros participaram do quadro Agora ou Nunca, do programa Caldeirão do Huck, e conseguiram arrecadar 30 mil reais de uma vez. Segundo Nathalia, eles possuem cerca de 58 mil reais no total.

“Queremos incentivar as crianças, porque as pessoas acham que isso tudo é muito impossível, mas com ajuda não é", afirma Nathália. Ela conta que depois de voltar da competição, eles pretendem iniciar um novo projeto com antecedência, para participarem da fase universistária da competição, que é mais difícil.

Se o resultado desse ano for positivo, eles esperam conseguir apoio para projetar algo mais complexo. Por isso mesmo, eles ainda estão a procura de suporte financeiro.

"Queremos colocar o Brasil em um status de tecnologia que não existia", explica Nathália. "Tá todo mundo se dedicando ao máximo, trabalhando todo dia no carrinho. Estamos confiantes também porque o veículo está maravilhoso", conclui Rafaella.

(*com supervisão de Nathan Fernandes)

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …