Pular para o conteúdo principal

Equipe do Brasil vai participar de competição da NASA pela primeira vez


Estudantes levantaram verba através de uma vaquinha e conseguiram produzir um veículo quase seis vezes mais barato do que a média

Um grupo de seis estudantes vai formar a primeira equipe brasileira da história a participar da competição NASA Human Exploration Rover Challenge, feita na sede da agência espacial americana, em Huntsville, no Alabama, EUA.

Todos eles vêm da região de São Gonçalo e Niterói, no Rio de Janeiro, e têm entre 15 e 17 anos. A missão dos "Spacetroopers" — nome do time escolhido por eles — é construir um rover, veículo projetado para andar em ambientes extraterrestres. O carrinho pode ser elétrico, motorizado ou robotizado. Para o desafio era preciso projetar um automóvel do tipo tripulado e mecânico.

Os brasileiros não só fizeram o projeto em pouco tempo, como construíram o aparelho com o mínimo possível de custos. Segundo a estudante de engenharia da Universidade Federal Fluminense Nathália Pires, de 17 anos, o carrinho, movido a pedal, custou 1.100 dólares para ficar pronto. Uma grande diferença quando comparado à média de custo dos outros carrinhos: seis mil.

A competição conta com a participação de 72 países, e, pela primeira vez, vai ter a participação de uma equipe brasileira. "Eu achei o anúncio na página de um rede social de uma garota da Europa. Acho que nem tem divulgação aqui no país", conta Rafaela Bastos, de 17 anos, à GALILEU. Foi ela quem enviou o e-mail para a organização do evento, perguntando se era possível fazer uma inscrição brasileira.

"Nós brincamos que foi nosso presente de Natal, porque dia 25 de dezembro eles nos responderam agradecendo o interesse e confirmando nossa entrada", diz Nathália. Em janeiro, a equipe inciou a projeção do carrinho, que durou pouco mais de um mês. Antes de ficar completamente pronto, porém, eles já vinham treinando o manuseio do veículo.

A ideia do NASA Human Exploration Rover Challenge é desafiar o rover em tarefas de exploração extraterrestre. A principal competição é uma corrida de obstáculos, de aproximadamente 840 metros. Em outra prova, é preciso coletar amostras no menor tempo possível, com ferramentas projetadas pela própria equipe. Em um terceiro desafio, o design da roda do veículo é avaliado.

Além de Nathália e Rafaela, o time é formado por Larissa Perrone, Alexandre Rodrigues, Fellipe Franco e Yago Dutra. Todos assíduos participantes de olimpíadas científicas. Para conseguir bancar a viagem, porém, o grupo precisou arrecadar uma vaquinha de 60 mil reais, que abarcava o preço de transporte do carrinho, dos participantes e outros custos de viagem.

Os membros participaram do quadro Agora ou Nunca, do programa Caldeirão do Huck, e conseguiram arrecadar 30 mil reais de uma vez. Segundo Nathalia, eles possuem cerca de 58 mil reais no total.

“Queremos incentivar as crianças, porque as pessoas acham que isso tudo é muito impossível, mas com ajuda não é", afirma Nathália. Ela conta que depois de voltar da competição, eles pretendem iniciar um novo projeto com antecedência, para participarem da fase universistária da competição, que é mais difícil.

Se o resultado desse ano for positivo, eles esperam conseguir apoio para projetar algo mais complexo. Por isso mesmo, eles ainda estão a procura de suporte financeiro.

"Queremos colocar o Brasil em um status de tecnologia que não existia", explica Nathália. "Tá todo mundo se dedicando ao máximo, trabalhando todo dia no carrinho. Estamos confiantes também porque o veículo está maravilhoso", conclui Rafaella.

(*com supervisão de Nathan Fernandes)

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…