Pular para o conteúdo principal

Universitários mostram como é fácil usar uma controversa técnica de engenharia genética



A genética dirigida está rapidamente se tornando uma tecnologia bem controversa. Suas possibilidades são ao mesmo tempo espetaculares e alarmantes: ela permitiria que os cientistas alterassem a constituição genética de uma espécie inteira, se sobrepondo à seleção natural durante a reprodução.

Isso pode ser usado para eliminar doenças e proteger habitats naturais, mas também poderia causar problemas se cair em mãos erradas. É por isso que a comunidade científica ficou surpresa com um grupo de universitários que chegou muito perto de realizar genética dirigida como parte de uma competição.

Os alunos da Universidade de Minnesota foram inspirados por um artigo que explicava como a genética dirigida funciona e como realizá-la. Ela tem esse nome por forçar determinados traços selecionados em laboratório nos descendentes de uma espécie, se sobrepondo à seleção natural.

Em tese, isto significa que a genética criada em laboratório da espécie alterada poderia se espalhar, ao longo de várias gerações, por toda uma população se for liberada no meio ambiente.

Reversão dirigida
Os universitários, que estavam competindo no concurso internacional de biologia sintética iGEM, não conseguiram realizar com sucesso a genética dirigida. Na verdade, eles estavam interessados ​​em criar uma “reversão dirigida”, que poderia desfazer os efeitos da genética dirigida em levedura.

Isso significaria primeiro alterar a genética da levedura e, em seguida, criar um antídoto para desfazer isto. O plano dos alunos era remover o gene ADE2 em células de levedura, alterando sua cor de vermelho para rosa e, em seguida, restaurá-las à sua cor original.

Eles obtiveram a sequência genética da levedura a partir de um artigo científico, e enviaram as informações para uma empresa de síntese de DNA, acompanhadas da sequência para a reversão dirigida que eles próprios criaram. Então eles começaram a introduzir a genética dirigida e sua reversão na levedura.

No final, os universitários foram frustrados por equipamentos de laboratório inadequados e pelo tempo escasso. Quando o prazo da competição expirou em outubro, eles mal tinham terminado a primeira fase do projeto.

Mas o projeto chamou a atenção da comunidade, mostrando como seria fácil criar uma tecnologia impactante sem um laboratório requintado nem anos de treinamento avançado.

Neste caso, os universitários tomaram precauções para se certificar de que a sua criação feita em laboratório não se espalharia na natureza. Por exemplo, eles usaram uma linhagem de levedura que tem dificuldade em sobreviver fora de um laboratório.

Mas o título de seu artigo, “Revertendo a genética dirigida: com a levedura, os mosquitos são a menor de nossas preocupações”, também sugere que eles estavam interessados ​​em fazer experimentos de genética dirigida em insetos, não apenas em leveduras coloridas.

“Nós pensamos que seria muito legal, mas imediatamente começamos a pensar em algumas das implicações negativas”, disse um dos estudantes ao STAT News.


A proposta de um grupo de universitários para um experimento de genética dirigida (Universidade de Minnesota/iGEM)

Controvérsia
Em outras palavras, o experimento era controverso. Desde então, o conselho da competição delineou regras rígidas para os estudantes que desejam testar a tecnologia de genética dirigida – que ainda não está regulamentada, e que atrai críticas mesmo quando é realizada por cientistas renomados.

Na semana passada, na Convenção das Nações Unidas sobre Biodiversidade no México, os governos mundiais rejeitaram os apelos por uma moratória global sobre a genética dirigida. Mas a convenção pediu cautela em testes de campo da biologia sintética, e pediu melhores esforços para avaliar o risco potencial.

O Pentágono disse que a genética dirigida pode ser usada para o bioterrorismo. Até mesmo os pioneiros dessa tecnologia vêm insistindo aos cientistas que os riscos pedem que futuros avanços sejam feitos com extrema cautela e cuidado.

O potencial para acidentes de laboratório verdadeiramente catastróficos é improvável, mesmo que exija precauções. E, em última análise, a crescente acessibilidade das tecnologias de ponta é provavelmente algo bom. Isso significa que há mais mentes contemplando os problemas que afligem nosso mundo, e mais pessoas contribuindo para a pesquisa científica – contanto que possamos manter tudo sob controle.

[STAT News]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…