Pular para o conteúdo principal

Este chip permite que a luz fale com a matéria


Este é um avanço rumo à computação quântica no silício - a mesma tecnologia da eletrônica atual. [Imagem: Princeton University]

Conversa quântica

Este chip é a coroação de um esforço que vem sendo perseguido por inúmeras equipes ao redor do mundo nos últimos 20 anos.

Em seu interior, um único elétron, parte integrante de um material sólido, troca informações com um único fóton, o "representante mínimo" da luz.

Qualquer que seja sua arquitetura final, este certamente será um componente integrante dos processadores e dos computadores do futuro - sejam processadores clássicos, mas fotônicos, que funcionem com luz em vez de eletricidade, sejam os processadores quânticos.

"Exatamente como nas interações humanas, para ter uma boa comunicação são necessários alguns pré-requisitos - falar o mesmo idioma ajuda, e assim por diante. Nós fomos capazes de colocar a energia do estado eletrônico em ressonância com a partícula de luz, para que os dois possam conversar um com o outro," explicou o professor Jason Petta, da Universidade de Princeton, nos EUA.

Com esta conexão entre as duas partículas elementares, o elétron pode passar informação para a partícula de luz que, por sua vez, pode levá-la para outros elétrons, criando conexões que deverão ser a base de um processador quântico - por exemplo, um processador que use qubits dentro de nanodiamantes.

Computação quântica no silício

Uma grande vantagem desta tecnologia é que ela impulsiona a construção de processadores quânticos baseados no silício. Sendo a tecnologia da eletrônica atual, há muitos ganhos em desenvolver uma arquitetura quântica no silício, mas os desafios têm feito com que essa arquitetura siga atrás de opções como os qubits de íons aprisionados por laser, em supercondutores e nas vacâncias de nitrogênio no interior dos diamantes.


O elétron individual fica preso abaixo da superfície do chip de silício (cinza). Os nanofios verde, rosa e roxo controlam o elétron e ainda o protegem de interferências externas. [Imagem: Jason Petta Group]

Para evitar a perda das informações - um dos maiores desafios para a computação quântica - a equipe fabricou um chip com camadas de silício e de uma liga de silício-germânio, uma estrutura que consegue manter uma camada de elétrons presos à sua superfície. Essa superfície recebeu nanofios metálicos que permitem gerar um gradiente de tensões elétricas que controlam os elétrons com uma precisão tal que torna-se possível isolar elétrons individuais - o elétron isolado compõe o que os físicos chamam de ponto quântico duplo.

Com o elétron preso, os nanofios são usados para ajustar o nível de energia do elétron até que ele coincida com a energia do fóton, que por sua vez já foi adequadamente aprisionado em uma cavidade supercondutora acima da pastilha de silício.

Troca de dados entre qubits

Os nanofios também protegem o qubit. Como resultado, os qubits são de 100 a 1.000 vezes menos sensíveis ao ruído externo do que os usados em demonstrações anteriores.

E, até agora, só tinha sido possível acoplar qubits no silício a qubits vizinhos. Com a conexão com o fóton, torna-se possível trocar informações entre quaisquer dois qubits, mesmo que eles estejam em extremidades opostas do chip.

"Agora podemos realmente transmitir o estado quântico para um fóton confinado na cavidade. Isso nunca foi feito antes em um dispositivo semicondutor porque o estado quântico era perdido antes de poder transferir suas informações," disse Xiao Mi, principal responsável pela construção do chip.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…