Pular para o conteúdo principal

O misterioso som que desconcertou o primeiro astronauta chinês no espaço


Yang Liwei ouviu ruídos que nunca conseguiu reproduzir quando voltou à Terra (Foto: AFP)

Na solidão de sua espaçonave, em 2003, Yang Liwei ouviu ruídos que nunca conseguiu reproduzir quando voltou à Terra; cientistas também ainda não sabem explicá-los.

Imagine estar sozinho em uma pequena nave. É sua primeira vez contemplando o espaço quando, de repente, você começa a escutar barulhos estranhos.

Foi o que aconteceu com Yang Liwei, o primeiro chinês a ir ao espaço, em 2003.
Em uma entrevista recente a uma rede de televisão chinesa, divulgada pela agência de notícias estatal Xinhua, Yang contou que escutou um ruído semelhante a "um martelo de madeira batendo contra um cubo de ferro".
Ele ficou um pouco nervoso e decidiu olhar pela escotilha da nave, mas não encontrou uma explicação para a batida misteriosa.
Por mais que tentasse, nunca conseguiu decifrar o que era.
O astronauta nunca conseguiu reproduzir o som na Terra.
Ao retornar à Terra tentou, sem sucesso, recriar o som para que especialistas pudessem ajudar a identificar do que se tratava.
Como era de se esperar, a história sobre o barulho misterioso no espaço chamou a atenção dos meios de comunicação chineses.
Quem ou o que batia na nave de Yang quando ele estava sozinho, a milhares de quilômetros da Terra?
Infinito silencioso?
As ondas sonoras se propagam mecanicamente como uma vibração e, por isso, precisam de um meio (líquido, sólido ou gasoso) para viajar.
Exemplo disso seria o som de um trovão que viaja pelo ar, ou do sonar, que o faz na água.
"Apesar do espaço interplanetário (e interestelar) não ser completamente vazio, as moléculas de gás e os grãos de poeira são tão esparsos que não formam um meio contínuo que permita que as ondas sonoras sejam transmitidas diretamente", diz a professora Monica Grady para o site acadêmico The Conversation, do Departamento de Ciência Planetária e Espacial da Universidade Aberta do Reino Unido.
"Se estava batendo, poderia ser algo físico que ficou grudado à nave que levava o astronauta", explicou à BBC o professor Goh Cher Hiang, especialista na Universidade Nacional de Cingapura. Ele esclarece que essa é apenas uma especulação.
Mas seu colega Wee-Seng Soh tem uma explicação diferente. Ele sugere que o ruído pode ter sido "o resultado da expansão ou contração da nave, especialmente quando a temperatura do exterior da mesma pode ter mudado consideravelmente uma vez que entrou em órbita".


Yang é considerado um herói na China e ainda dá palestras sobre sua viagem (Foto: AFP)

Os dias de Yang como astronauta ficaram para trás há muito tempo.
Pressão do ar
Ainda assim, segundo a imprensa chinesa, o som foi ouvido posteriormente por astronautas que participaram de missões em 2005 e 2008.
Yang falou de sua experiência a seus sucessores, para que ele não fossem surpreendidos ou se preocupassem com o som.
Dessa forma, ainda que não tenha uma explicação precisa, Yang agora o define como "um fenômeno normal".
Na última quinta-feira, quando o astronauta compareceu a uma atividade em uma escola na cidade de Ningbo, na província chinesa de Zhejiang, os alunos perguntaram sobre o tema.
Yang disse que sua hipótese é que o som é consequência da reação da pressão do ar, que provocava mudanças na estrutura da nave espacial ao sair da atmosfera terrestre e ir ao espaço, segundo informou a Xinhua.
Ele acrescentou que o ar que escapa dos objetos dentro da cúpula espacial também poderia causar o ruído.
O som do espaço
Não é nada incomum escutar sons no espaço, da mesma forma que não é incomum encontrar uma explicação para eles.
Em 1969, durante a missão da NASA que orbitou a Lua, os astronautas descreveram um estranho som ao passar pelo lado escuro do satélite e que não conseguiam explicar.
Disseram que parecia um assobio, que eles entenderam como a música do espaço.
A NASA disse depois que seria uma interferência.

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …