Pular para o conteúdo principal

Robôs espaciais de olho em tecnologias para uso na Terra


Tecnologias de outro mundo desenvolvidas para uso por humanos aqui na Terra. [Imagem: Florian Cordes/DFKI BmbH]

Em vez de um grande robô levando todos seus laboratórios por todos os lados em um planeta distante, engenheiros alemães acreditam que é mais razoável manter o robô principal em zonas mais seguras, livres do risco de atolamento, por exemplo, e deixar um pequeno robô mais leve funcionar como leva-e-traz das amostras.

O conceito se mostrou eficaz depois de uma campanha de quatro semanas de testes realizados em um deserto nos EUA por técnicos da Agência Espacial Alemã (DLR) e da Universidade de Bremen.

A dupla exploradora é formada pelos robôs SherpaTT e Coyote III.

Os dois robôs foram projetados para uma missão onde amostras sejam coletadas e depositadas em um local definido, onde outra nave possa coletá-las para trazer de volta à Terra.

Assim que o SherpaTT identifica uma rocha promissora, o pequeno Coyote III é acionado para levá-la ao ponto de coleta.

Robô que anda e roda


O SherpaTT pode andar ou rodar, dependendo do terreno. [Imagem: Florian Cordes/DFKI BmbH]

Graças às suas longas pernas equipadas com rodas, o SherpaTT é capaz de se mover em terrenos difíceis. Uma articulação no joelho permite até mesmo o uso tridimensional do seu chassi - sim, ele pode rodar ou andar, dependendo das condições do terreno.

Vários sensores permitem avaliar o ambiente em detalhes. E, graças à sua capacidade de orientação, ele pode explorar a região de forma autônoma, sem depender de comandos enviados da Terra para cada movimento.

Além disso, o SherpaTT possui um braço robótico para remexer o terreno e coletar amostras, e um escâner a laser, que permite "queimar" as rochas para que sua composição química seja analisada.

Robô de recados


O Coyote III é ágil e leve, projetado para carregar amostras e colocá-las no ponto de coleta. [Imagem: Florian Cordes/DFKI BmbH]

O pequeno robô auxiliar Coyote III é bem mais ágil, podendo viajar a uma velocidade de cerca de cinco quilômetros por hora em terreno acidentado - cerca de duas vezes mais rápido do que o SherpaTT.

Essa velocidade é parcialmente devida às suas rodas em formato de estrela, que podem ser adaptadas às mais diversas condições de solo.

Pesando 12 quilos, ele também é significativamente mais leve que o SherpaTT, que pesa cerca de 150 quilos. Isto não é apenas devido ao seu tamanho, mas também à sua construção mais leve, feita de materiais como fibra de carbono e alumínio.

Tecnologias para uso terrestre

Para maior flexibilidade e facilidade de controle, em vez de comandos enviados pelo teclado de um computador, os engenheiros podem controlar os dois robôs com um exoesqueleto, que transforma os movimentos do operador em terra em comandos adequados.

Os robôs e o exoesqueleto são parte do Projeto TransTerrA, da DLR. Como geralmente transcorre uma década ou mais entre o projeto de um robô espacial e seu uso efetivo na Lua ou em Marte, a equipe está aproveitando para desenvolver tecnologias que possam ser usadas aqui na Terra.

Entre os interesses mais imediatos estão o uso de robôs em operações subaquáticas e serviços de busca e salvamento, bem como o desenvolvimento de robôs para reabilitação de pacientes e exoesqueletos para uso médico ou apoio ao movimento de idosos.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…