Pular para o conteúdo principal

Implante permite que mulher com paralisia soletre mensagens usando cliques cerebrais


Pesquisadores na Holanda conseguiram testar com sucesso um implante cerebral que permite que um paciente com estado avançado de ELA (esclerose lateral amiotrófica) soletre mensagens com um ritmo de 2 letras por minuto. Para quem não conhece, a ELA é uma doença neurológica na qual a função de neurônios motores começa a parar de funcionar lentamente e que não tem cura.

O novo sistema foi testado em Hanneke De Brujine, um mulher de 58 anos com estágio avançado de ELA. Impossibilitada de mover qualquer parte do corpo, com exceção dos olhos, de Brujine usou uma interface sem fio que liga o cérebro ao computador para identificar letras. No processo, ela deve imaginar que está usando sua mão direita. A paciente, então, agora pode utilizar o sistema em casa para se comunicar com a família e cuidadores.

Antes do implante cerebral, De Brujine usou um sistema de acompanhamento ocular para tentar se comunicar. No entanto, ele precisava ser recalibrado a toda hora que os níveis de luz do local mudavam. O novo sistema é mais confiável e autônomo, e pode ser usado em casa sem a necessidade de outros processos. A um ritmo de duas letras por minuto, digitar algo é extremamente devagar. Porém, é importante que este sistema mostre que os pacientes conseguem usar esse aparato por conta própria e sem muita ajuda de suporte técnico. No futuro, o sistema pode ser adaptado para pacientes que sofreram AVCs (Acidente Vascular Cerebral) ou que sejam tetraplégicos.


“Isto é um avançado passo no processo de atingir a comunicação autônoma entre pacientes paralisados, cuja enfermidade é causada pelo ELA, hemorragia cerebral ou trauma”, observou Nick Ramsey, que é professor de neurociência cognitiva na University Medical Center Utrecht, em um comunicado. “No caso, ele permite que a paciente opere um computador de fala sem a necessidade de usar os músculos dela.”

O físico Stephen Hawking também sofre com a ELA, porém tem uma forma de comunicação mais eficiente. No entanto, a vantagem deste sistema holandês é que usa apenas o esforço da mente, enquanto o de Hawking depende do movimento de suas bochechas.

Quatro tiras de sensores foram implantadas no córtex motor de De Brujine (a parte do cérebro que controla os movimentos voluntários). Sempre que ela pensa em juntar o dedão direito e o dedo anelar, o chip detecta um pequeno pico elétrico de energia. Um computador recebe estes sinais e interpreta como um “clique cerebral”.

Para digitar letras em específico, De Brujine usa uma tela de tablet que conta com quatro linhas de letras. Como um cursor se mexe da esquerda para a direita por um alfabeto (além de “botões” com funções como deletar uma letra ou palavra, e selecionar palavras baseado em letras que ela já soletrou), ela executa um clique cerebral quando a letra desejada é selecionada. O processo é repetido até uma palavra completa ser soletrada e falada por um sistema do computador.

Usando o sistema, pacientes como De Brujine podem expressar seus desejos ou comunicar problemas, como coceira, saliva em excesso ou problemas com o ventilador. No futuro, os pesquisadores gostariam de testar o sistema em mais dois pacientes antes de começarem um teste em larga escala.

[New England Journal of Medicine]

Foto do topo por Brain Center Rudolf Magnus, University Medical Center Utrecht

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…