Pular para o conteúdo principal

Conheça a programadora que tornou a ida da humanidade à Lua possível


MARGARET, SENDO INCRÍVEL NO MÓDULO DE COMANDO DA APOLLO 11 (FOTO: NASA)

O código que Margaret Hamilton escreveu pode ter salvado a missão Apollo 11

No último dia 20 de julho, celebramos os 46 anos do pouso do homem na Lua. Todos sabem que Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar no satélite, seguido por Buzz Aldrin. Mas queremos celebrar alguém crucial para a missão fora os intrépidos astronautas: a programadoraMargaret Hamilton.

Obviamente, a missão Apollo 11 foi uma grande conquista da engenharia - mas ela também foi um feito imenso em termos de software. Os astronautas usaram um computador chamado Apollo Guidance Computer, tanto no módulo de comando quanto no módulo lunar, para navegar e controlar a nave. E, claro, alguém precisou programar isso.

O software foi escrito por uma equipe do MIT, do Laboratório de Instrumentação (atualmente chamado de Laboratório Draper) - e a equipe foi liderada pela programadora Margaret Hamilton. A foto aqui abaixo é de Margaret ao lado do seu "pequeno" código:

MARGARET HAMILTON E SEU CÓDIGO (FOTO: REPRODUÇAÕ)

Como você pode imaginar, nos anos 1960, escrever códigos era bastante trabalhoso. O computador usava algo chamado de 'memória de corda' - fios eram trançados através de furos em uma placa de metal de uma forma determinada para armazenar códigos binários. Se o fio passava por dentro de um furo, representava um. Se o furo ficava vazio, a representação era zero. Os programas eram basicamente tecidos a mão em fábricas - por isso esse tipo de armazenamento ficou conhecido como 'LOL memory' (nesse caso LOL não significava 'rindo alto' e sim 'little old lady' e sim 'velhinha').

Voltando à missão Apollo - o código de Hamilton pode ter salvado toda a expedição. Um dos radares responsáveis por ajudar o módulo lunar a voltar para o módulo de comando e o sistema de guia do próprio módulo usavam fontes de energia incompatíveis. O radar, que não tinha muita utilidade na parte da missão relativa ao pouso, começou a mandar para o computador um monte de dados baseados em sinais elétricos aleatórios. Isso fez com que o computador quase ficasse sobrecarregado, sem capacidade de processar as tarefas necessárias para o pouso. Quase.

Mas Hamilton era poderosíssima. Ela antecipou o problema e fez com que o sistema operacional da Apollo suportasse essa sobrecarga. E, por conta do código, quando o problema começou a acontecer, o computador deixava de realizar tarefas de baixa prioridade para suportar a quantidade de dados do radar. Se esse software não tivesse funcionado, o pouso na Lua não teria acontecido há 46 anos.

Mas não ache que, no tempo da Apollo, as mulheres eram mais respeitadas no campo da tecnologia. Os homens consideravam o software uma parte menos importante da computação do que o hardware - por isso as mulheres acabavam programando. E a luta das moças para entrar nesse campo com mais protagonismo continua.

Hamilton, hoje, é uma velhinha incrível de 80 anos que dirige a companhia que ela mesma fundou em 1986, a Hamilton Technologies. Ela viu a engenharia de software (um termo que ela criou, aliás) se transformar de um trabalho sem muito destaque na computação em uma profissão cheia de prestígio. "Quando eu falava de engenharia de software, o pessoal dava risada, achava divertido. Mas o software eventualmente ganhou respeito".

Continue sendo maravilhosa, Margaret.

Via Vox

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…