Pular para o conteúdo principal

Lua de Saturno pode abrigar vida como não a conhecemos


(FOTO: JAMES STEVENSON/DIVULGAÇÃO) UMA PROJEÇÃO DA MEMBRANA ET.

Você pode substituir a água por metano, por exemplo

Titã é a maior lua de Saturno. Lá há uma atmosfera densa, cheia de nuvens, e corpos líquidos como rios e lagos. Vento, chuva e outros fenômenos climáticos típicos da Terra criam paisagens familiares, como colinas e praias cheias de dunas. Ou seja, a receita é ótima, o problema são os ingredientes. No lugar de água, há metano, que evapora e forma nuvens em um ar rico em nitrogênio e pobre em um tipo de vida como a da Terra.

Acontece que se você, humano, não quer viver de nitrogênio, há quem queira. James Stevenson, Jonathan Lunine e Paulette Clancy, pesquisadores da Universidade Cornell, nos EUA, acabam de publicar na Science Advances um artigo científico em que afirmam que Titã pode conter vida como não a conhecemos. Na hipótese, a membrana celular dos possíveis seres vivos do satélite poderia ser composta de nitrogênio em vez de fosfolipídios. Calma, não é tão complicado quanto parece.

Se você leu esta matéria http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2016/07/precisamos-falar-sobre-vida-alienigena.html sobre diferentes tipos de vida alienígena, você já sabe que essa ideia não é tão impossível assim. No texto, Pablo Rampelotto, astrobiólogo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), explica que “em vez de procurar sinais biológicos específicos que apareceram tarde na história da Terra, as missões deveriam se concentrar em características gerais e sinais de vida independentes do material que a constitui”.

Em outras palavras, é bastante razoável pensar que seres vivos de outros planetas sejam feitos de outros materiais e tirem sua energia de reações químicas diferentes das nossas. Para o pesquisador, o silício poderia se comportar como um ótimo substituto para o carbono em um astro com abundância de metano, por exemplo. O problema é que só conhecemos um tipo de vida: o nosso.

O que Stevenson e sua equipe fizeram foi, pela primeira vez, colocar no papel um modelo plausível de vida fora dos moldes terrestres, que usasse, no caso, os elementos que estão disponíveis na lua Titã. Até agora, nosso narcisismo não havia permitido a façanha: a busca de vida fora da Terra estava muito mais subordinada à composição química dos seres vivos do que à definição da vida como processo que é consequência das condições físicas e químicas de um outro mundo qualquer.

O universo não é uma festa de vida em ebulição, claro. Você pode até trabalhar com os elementos disponíveis, mas eles precisam formar estruturas úteis. Na Terra, a vida depende da membrana plasmática das células — uma “casca” fosfolipídica forte e permeável que abriga a matéria orgânica da célula. Os cientistas precisaram imaginar uma membrana igualmente elástica e permeável para as células alienígenas — mas que usaria carbono, nitrogênio e hidrogênio como componentes principais. Seu nome seria “azotossoma”.

Azote é nitrogênio em francês, uma variação de lipossoma, a membrana encontrada em seres terrestres. “Nós não somos biólogos, e não somos astrônomos, mas tínhamos as ferramentas certas”, explicou Clancy à assessoria da Universidade Cornell. “Isso pode ter ajudado, porque chegamos sem nenhuma pré-concepção sobre o que devia ou não devia fazer parte de uma membrana. Nós só trabalhamos com os compostos que sabíamos que estavam lá e nos perguntamos: ‘Se isso estivesse na sua paleta, o que poderia sair daqui?’”.

Saiu algo bem legal, não dá para negar. Agora só nos resta chegar mais perto de Titã e ver se a natureza já foi tão sagaz quanto os cientistas.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…