Pular para o conteúdo principal

Imagens inéditas mostram pouso acidentado do robô Philae em cometa


Imagem mostra os pontos em que a Philae quicou na superfície do cometa, em um processo que levou 2 horas (Foto: BBC/ESA)

Fotos detalham pontos em que a sonda ricocheteou, ao longo de duas horas, até fazer um pouso final no 67P e ficar sem bateria.

Imagens de alta resolução do pouso histórico da sonda Philae, divulgadas nesta segunda-feira, detalham como foi a aterrissagem acidentada no cometa 67P.
Os registros foram feitos por uma câmera do satélite Rosetta, do qual a Philae se desprendeu na quarta-feira passada (12) para pousar na superfície do cometa.
A sequência de fotos foi captada em um espaço de aproximadamente 30 minutos desde o primeiro contato do robô com o solo. A Philae então "quicou" diversas vezes na superfície, até aterrissar de vez a 1 km de distância desse local.
A sonda ficou sem bateria no sábado e, desde então, não está se comunicando com a Terra. Os cientistas ainda não sabem sua localização exata.
Mas os controladores da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) não desistiram de fazer contato com o aparelho e querem, de alguma forma, suprir luz aos painéis solares da Philae para recarregar sua bateria.
Para isso, precisam obter mais detalhes de sua localização.
As imagens recém-reveladas devem ajudar nessa missão, ao indicar a direção que a Philae tomou ao ricochetear no solo do cometa.
No final de semana, a ESA já havia divulgado fotos do primeiro contato físico da sonda com o cometa, feitas pelas câmeras de navegação do Rosetta. As imagens exibidas nesta segunda-feira foram feitas pela câmera Osiris, que tem melhor resolução.
Sombra
O mosaico de imagens foi produzido pelo Instituto Max Planck de Pesquisa do Sistema Solar, que opera a câmera Osiris.
A sequência detalha a descida da Philae e o impacto dela na superfície do 67P. Pesando 100 kg, a sonda "quica" por quase duas horas, subindo a cada vez centenas de metros acima do cometa.
Há indícios de que seu ponto final de aterrissagem esteja coberto por sombra na maior parte do tempo.
Por conta disso, a Philae recebe energia solar insuficiente para recarregar suas baterias, o que impossibilita uma comunicação via rádio com a Rosetta, que está em órbita.
A ESA não tem certeza se o robô conseguirá ser recarregado. Mesmo assim, a agência diz estar "muito feliz" com o que foi concretizado nas 50 horas que se seguiram ao pouso histórico (e inédito) no cometa.
A sonda completou 80% de suas missões iniciais de coleta científica na superfície. Os dados foram enviados pelo robô pouco antes de sua bateria acabar, mas poucos resultados foram divulgados até agora.
Um deles diz respeito ao Mupus, sensor acoplado ao robô pelo Instituto de Pesquisas Planetárias da Agência Espacial Alemã que obteve perfis de temperatura do cometa. Mas o sensor quebrou ao tentar cavar sob a superfície do 67P.
Para os cientistas, isso mostra que o material gelado que fica sob a cobertura poeirenta do cometa pode ser mais duro do que se imaginava e ter resistência parecida à de rochas.
Essa superfície também pode ajudar a explicar por que a Philae 'quicou' tão alto após o primeiro contato com o cometa.
O 67P, de 4 km de largura, tem pouca gravidade. Por isso, ante a falha dos sistemas de pouso do robô - que não conseguiram prendê-lo à superfície do cometa no momento da aterrissagem, a Philae se deparou com uma superfície que a fez ri.

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…