Pular para o conteúdo principal

Brasileiros desenvolvem modelo da formação de Marte


A história da formação de Marte, considerado pequeno demais, permanece em sua maior parte obscura. [Imagem: ESA]

Planeta leve demais

Embora ainda não saibam quase nada em relação à origem e formação da Lua, os astrônomos começam a dar passos significativos para entender a origem de Marte.

Os modelos de formação dos planetas rochosos do Sistema Solar desenvolvidos nas últimas duas décadas têm sido bem-sucedidos na explicação da origem de Vênus e da Terra - com tamanhos similares - e de Mercúrio, que tem apenas 5% da massa da Terra.

No entanto, as simulações computacionais de alta resolução ainda não permitiram explicar como Marte se formou e nem por que o planeta tem apenas 10% da massa da Terra.

Segundo os pesquisadores, a questão é intrigante, já que os quatro planetas são constituídos pelos mesmos embriões planetários - corpos celestes com dimensões similares aos planetas atuais - que se fundiram ao longo de dezenas de milhões de anos.

Modelos irreais

A novidade é que o tamanho de Marte pode estar relacionado à densidade da nebulosa protossolar - a nuvem de gás e poeira que deu origem ao Sistema Solar - na região orbital onde se formaria o planeta vermelho.

A ideia está sendo defendida por uma equipe internacional de astrônomos liderada pelo Grupo de Dinâmica Orbital & Planetologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Guaratinguetá.

"A maioria das simulações de formação dos planetas terrestres do Sistema Solar não consegue gerar um objeto do tamanho e na órbita de Marte, que está a 1,5 unidade astronômica [ua, equivalente a aproximadamente 150 milhões de quilômetros] de distância do Sol", disse Othon Cabo Winter, coordenador do projeto.

Quando a simulação computacional termina de rodar, o que aparece na tela é um planeta do tamanho da Terra, seu vizinho próximo.

Há também um modelo alternativo, chamado Grand Tack, mas que envolve idas e vindas orbitais de Júpiter que parecem muito fora da realidade. "Esse modelo é válido, mas bastante questionável porque é muito improvável que isso realmente tenha acontecido", disse Winter.


No Grand Tack (direita), Júpiter precisaria ter "varrido" o material que falta em Marte. Na nova teoria (esquerda), a depleção explica a menor massa de Marte de forma mais suave pelo processo de "depleção". [Imagem: P. Huey/Science - 10.1126/science.1252257]

Como Marte perdeu massa

Para desenvolver um modelo alternativo ao Grand Tack, a equipe liderada pelos pesquisadores brasileiros realizou uma série de simulações do fluxo de gás e poeira dentro da nebulosa protossolar durante a sua formação.

As simulações sugerem que o material fluiu em direção ao Sol, movendo-se a velocidades diversas, em diferentes distâncias da estrela. Na região entre 1 e 3 uas do Sol, a nebulosa protossolar pode ter sofrido perda ou redução (depleção) de matéria equivalente a entre 50% e 75% de sua densidade.

A perda desse volume de "blocos de construção planetários" pela nebulosa protossolar nessa região, próxima da órbita de Marte, teria causado a redução da massa final de Marte e o crescimento da Terra e de Vênus, supõe o modelo.

"Estudamos diversos parâmetros e concluímos que, se houve uma depleção de matéria entre 50% e 75% da nebulosa protossolar na região entre 1 e 3 uas, há mais de 50% de chance de ter sido formado um planeta com massa similar na atual órbita de Marte, além da Terra, de Vênus e alguns poucos objetos no cinturão de asteroides", disse Winter.

"O modelo é bem completo, porque abrange não só o problema da formação de Marte, mas mantém e consegue gerar os outros planetas terrestres com suas massas e atuais órbitas", avaliou.

Nuvem protossolar

Na avaliação de Winter, o novo modelo fechou uma lacuna que havia no modelo de formação do Sistema Solar, indicando que o perfil de densidade de massa da nuvem protossolar não era uniforme e sofreu depleções. "Esse dado pode ter implicações em estudos para tentar explicar a formação do cinturão de asteroides, por exemplo", indicou.

O modelo também poderá contribuir em pesquisas na área de astrobiologia - área do conhecimento na interface entre astronomia, biologia, química, geologia e ciências atmosféricas, entre outras disciplinas -, relacionadas a objetos vindos de Marte em direção à Terra, além de estudos de planetas extrassolares, ou exoplanetas.

"Os objetos e planetas extrassolares já descobertos atingiram a casa do milhar e têm uma distribuição muito variada e diferente dos corpos do Sistema Solar," disse Winter. "O modelo que desenvolvemos pode auxiliar a entender como eles foram formados."

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…