Pular para o conteúdo principal

Brasileiros desenvolvem modelo da formação de Marte


A história da formação de Marte, considerado pequeno demais, permanece em sua maior parte obscura. [Imagem: ESA]

Planeta leve demais

Embora ainda não saibam quase nada em relação à origem e formação da Lua, os astrônomos começam a dar passos significativos para entender a origem de Marte.

Os modelos de formação dos planetas rochosos do Sistema Solar desenvolvidos nas últimas duas décadas têm sido bem-sucedidos na explicação da origem de Vênus e da Terra - com tamanhos similares - e de Mercúrio, que tem apenas 5% da massa da Terra.

No entanto, as simulações computacionais de alta resolução ainda não permitiram explicar como Marte se formou e nem por que o planeta tem apenas 10% da massa da Terra.

Segundo os pesquisadores, a questão é intrigante, já que os quatro planetas são constituídos pelos mesmos embriões planetários - corpos celestes com dimensões similares aos planetas atuais - que se fundiram ao longo de dezenas de milhões de anos.

Modelos irreais

A novidade é que o tamanho de Marte pode estar relacionado à densidade da nebulosa protossolar - a nuvem de gás e poeira que deu origem ao Sistema Solar - na região orbital onde se formaria o planeta vermelho.

A ideia está sendo defendida por uma equipe internacional de astrônomos liderada pelo Grupo de Dinâmica Orbital & Planetologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no campus de Guaratinguetá.

"A maioria das simulações de formação dos planetas terrestres do Sistema Solar não consegue gerar um objeto do tamanho e na órbita de Marte, que está a 1,5 unidade astronômica [ua, equivalente a aproximadamente 150 milhões de quilômetros] de distância do Sol", disse Othon Cabo Winter, coordenador do projeto.

Quando a simulação computacional termina de rodar, o que aparece na tela é um planeta do tamanho da Terra, seu vizinho próximo.

Há também um modelo alternativo, chamado Grand Tack, mas que envolve idas e vindas orbitais de Júpiter que parecem muito fora da realidade. "Esse modelo é válido, mas bastante questionável porque é muito improvável que isso realmente tenha acontecido", disse Winter.


No Grand Tack (direita), Júpiter precisaria ter "varrido" o material que falta em Marte. Na nova teoria (esquerda), a depleção explica a menor massa de Marte de forma mais suave pelo processo de "depleção". [Imagem: P. Huey/Science - 10.1126/science.1252257]

Como Marte perdeu massa

Para desenvolver um modelo alternativo ao Grand Tack, a equipe liderada pelos pesquisadores brasileiros realizou uma série de simulações do fluxo de gás e poeira dentro da nebulosa protossolar durante a sua formação.

As simulações sugerem que o material fluiu em direção ao Sol, movendo-se a velocidades diversas, em diferentes distâncias da estrela. Na região entre 1 e 3 uas do Sol, a nebulosa protossolar pode ter sofrido perda ou redução (depleção) de matéria equivalente a entre 50% e 75% de sua densidade.

A perda desse volume de "blocos de construção planetários" pela nebulosa protossolar nessa região, próxima da órbita de Marte, teria causado a redução da massa final de Marte e o crescimento da Terra e de Vênus, supõe o modelo.

"Estudamos diversos parâmetros e concluímos que, se houve uma depleção de matéria entre 50% e 75% da nebulosa protossolar na região entre 1 e 3 uas, há mais de 50% de chance de ter sido formado um planeta com massa similar na atual órbita de Marte, além da Terra, de Vênus e alguns poucos objetos no cinturão de asteroides", disse Winter.

"O modelo é bem completo, porque abrange não só o problema da formação de Marte, mas mantém e consegue gerar os outros planetas terrestres com suas massas e atuais órbitas", avaliou.

Nuvem protossolar

Na avaliação de Winter, o novo modelo fechou uma lacuna que havia no modelo de formação do Sistema Solar, indicando que o perfil de densidade de massa da nuvem protossolar não era uniforme e sofreu depleções. "Esse dado pode ter implicações em estudos para tentar explicar a formação do cinturão de asteroides, por exemplo", indicou.

O modelo também poderá contribuir em pesquisas na área de astrobiologia - área do conhecimento na interface entre astronomia, biologia, química, geologia e ciências atmosféricas, entre outras disciplinas -, relacionadas a objetos vindos de Marte em direção à Terra, além de estudos de planetas extrassolares, ou exoplanetas.

"Os objetos e planetas extrassolares já descobertos atingiram a casa do milhar e têm uma distribuição muito variada e diferente dos corpos do Sistema Solar," disse Winter. "O modelo que desenvolvemos pode auxiliar a entender como eles foram formados."

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…