Pular para o conteúdo principal

Galáxias nos deixam um pouco mais perto de conhecer o neutrino, a “partícula fantasma”


Hercules galaxy cluster – Foto: ESO/INAF-VST/OmegaCAM CC BY-SA

Compilando dados cosmológicos de diversas fontes, modelo matemático permitiu estimar massa do neutrino mais leve: ele é ao menos 6 milhões de vezes mais leve que um elétron

Por Luiza Caires

“Fantasmas” que, apesar de estarem em todos os lugares, quase não interagem com a matéria e atravessam inclusive nossos corpos, aos bilhões. Essa misteriosa partícula é o neutrino, que acaba de ter uma importante característica revelada. A massa do neutrino mais leve foi estimada como sendo ao menos 6 milhões de vezes mais leve do que a massa de um elétron. O estudo liderado pela University College London (UCL) foi feito em colaboração com o Institut d’Astrophysique de Paris, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a USP, e publicado no periódico Physical Review Letters – além de ser destacado pela revista Nature.

“Sabemos como o neutrino afeta a distribuição de matéria no Universo”, diz Arthur Loureiro, pesquisador da UCL e primeiro autor do artigo, ao explicar como dados de galáxias puderam ser incluídos entre as fontes do modelo matemático que revelou esta informação sobre a massa partícula.

E por que esse conhecimento fará tanta diferença para os físicos? Compreender melhor neutrinos e os processos pelos quais eles obtêm suas massas pode ajudar a responder importantes perguntas sobre o nosso Universo. Isso inclui como galáxias se distribuem, por que o Universo está se expandindo de forma acelerada e do que é feita a matéria escura, que ainda é uma incômoda desconhecida da ciência – o próprio neutrino já foi cogitado como a partícula da matéria escura.

Além disso, compreender como a massa dos neutrinos pode ser estimada é de fundamental importância para telescópios em desenvolvimento, como o Dark Energy Spectroscopic Instrument (Desi) e o Euclid. O Desi irá estudar a estrutura em larga escala do Universo e o que ele contém de matéria e energia escuras com alta precisão. Já o Euclid é um telescópio que está sendo construído pela Agência Espacial Europeia (ESA) para mapear a geometria do Universo escuro e a evolução de estruturas cósmicas.


O Dark Energy Spectroscopic Instrument (Dasi) será anexado ao telescópio Mayall no Observatório Nacional Kitt Peak, mostrado aqui – Foto: Marilyn Chung / Laboratório Nacional Lawrence Berkeley

Sorvete napolitano

No mundo das partículas subatômicas, como é o caso do neutrino, são as leis da mecânica quântica – e não clássica – que regem a matéria. E estas leis nem sempre são intuitivas. Uma partícula, por exemplo, pode se converter em outra coisa, ou adquirir uma certa massa, e voltar ao estado inicial com a mesma rapidez, e é por isso que a estatística é um dos métodos mais usados por quem estuda física quântica. Fala-se em probabilidades.

Os neutrinos aparecem na natureza em três “sabores” diferentes: neutrino elétron (os que são produzidos no Sol); o neutrino múon e o neutrino tau. Cada um deles é composto de uma mistura de três diferentes massas de neutrinos. Apenas a diferença entre estas massas era conhecida até então, com pouca informação a respeito da massa da espécie mais leve.

“Sabemos muito pouco sobre os neutrinos. O que sabemos é que quando eles se movem, há uma probabilidade de mudarem entre uma das três versões. E isso só pode acontecer se ao menos duas de suas massas forem maiores que zero”, diz Arthur Loureiro, que é ex-aluno do Instituto de Física (IF) da USP.

Ele usa como analogia o sorvete napolitano: ao pegar uma colherada, temos os três sabores sempre presentes, mas em diferentes proporções. “Essa mudança em proporções e em sabor – e em consequência, o estranho comportamento dessas partículas – só pode ser explicada por neutrinos tendo massa”, explica Loureiro, ao lembrar que o conceito de neutrinos terem massa é relativamente novo, comprovado por uma descoberta de 1998, e ainda não foi possível incorporar este dado ao Modelo Padrão, que até agora é a teoria mais bem consolidada sobre a estrutura da matérias e as forças que interagem com ela.


Os neutrinos têm um impacto sobre como as galáxias estão distribuídas pelo espaço, como pode ser visto neste mapa do Sloan Digital Sky Survey – Imagem: Daniel Eisenstein, SDSS-III Collab

Mas entre saber que os neutrinos possuem massa e determinar com precisão seu valor, há um largo caminho. O que o estudo fez, de maneira inédita, foi determinar um limite superior para a massa do neutrino mais leve. “Quando pudermos medir a massa do neutrino mais leve, vamos conseguir preencher algumas lacunas nas teorias que tentam explicar a origem da massa do neutrino”, explica Loureiro.

Também ficaremos mais próximos de entender dois fenômenos sobre os quais não sabemos praticamente nada: a matéria escura e a energia escura. Ambas se fazem conhecer somente pelos seus efeitos. A matéria escura deve existir porque só a massa da matéria visível não seria suficiente para manter as galáxias unidas como são. Já a energia escura deve ser a causa da expansão acelerada do Universo, um fenômeno constatado, mas não explicado. O Big Bang explica a expansão – mas se não houvesse nenhuma energia atuando, essa expansão estaria se desacelerando, por uma questão de inércia.

Vale lembrar que, apesar do neutrino já ter sido considerado um candidato à matéria escura, essa hipótese já foi descartada. “Um pouco do que, antigamente, achávamos que era matéria escura, hoje sabemos que são neutrinos, mas bem pouco”, conta o pesquisador. Mas ele ainda é chamado por alguns de matéria escura quente porque, quando surge, do decaimento de outras partículas no átomo, sai a velocidade muito altas, próximas à da luz.

De qualquer maneira, “ainda precisamos levar em conta o quanto do Universo é composto por neutrinos para sabermos com precisão o quanto é matéria escura”, explica o cientista. Além disso, ele diz que a teoria que vier para explicar a massa de neutrinos deve também nos ajudar a entender o que é a matéria escura, já que ambas são extensões do Modelo Padrão de física de partículas.


Método que utilizou Big Data de maneira inovadora pode ser aplicado a outras questões intrigantes em cosmologia e física de partículas – Fotomontagem: Moisés Dorado

Big Data
Para vencer este primeiro desafio, que foi calcular o limite superior da massa, o time de pesquisadores utilizou uma abordagem inovadora usando dados públicos coletados por cientistas das áreas de cosmologia e física de partículas. O que inclui dados de mais de um milhão de galáxias do Baryon Oscillation Spectroscopic Survey (BOSS) para medir a taxa de expansão do Universo e medidas de experimentos como aceleradores de partículas.

“Neutrinos são extremamente abundantes, porém muito pequenos e evasivos, então nós precisávamos de qualquer pedaço de conhecimento disponível para estimarmos as suas massas”, diz Loureiro, ao explicar que foram utilizadas informações de uma variedade de experimentos e fontes, como telescópios espaciais e terrestres que observam a primeira luz do Universo (a radiação cósmica de fundo), supernovas, o maior mapa 3D de galáxias do Universo, aceleradores de partículas e reatores nucleares, entre outros.

As informações foram utilizadas em conjunto para preparar um quadro de análises no qual a massa dos neutrinos pode ser computada individualmente utilizando um modelo matemático simples. “A equipe utilizou o supercomputador da UCL, Grace, para calcular que a maior massa possível para o neutrino mais leve deve ser menor que 0.086 eV (com 95% de confiança), o que é equivalente a 1.5 x 10-37 Kg. Também foi estimado que a massa das três espécies de neutrinos juntas deve ter um limite superior de 0.26 eV (também com 95% de confiança)”, descreve.

“Nós utilizamos mais de meio milhão de horas de processamento para analisarmos os dados; isto seria equivalente a 60 anos em um único processador. Este projeto elevou os limites para análise de Big Data em cosmologia”, diz Andreu Cuceu, aluno de doutorado da UCL e segundo autor do artigo. Eles ressaltam ainda que o método pode ser aplicado a outras grandes questões intrigantes em cosmologia e física de partículas.

O professor Ofer Lahav (UCL), coautor do estudo e presidente dos consórcios britânicos do Dark Energy Survey e do Desi, diz que “é impressionante como a distribuição de galáxias em imensas escalas pode nos dizer a respeito da massa do neutrino mais leve” e que este é um resultado de fundamental importância para a física. “Este novo estudo demonstra que estamos no caminho para realmente medirmos a massa dos neutrinos utilizando a próxima geração de grandes levantamentos de galáxias espectroscópicos como o Desi, Euclid e outros”, conclui.

O artigo Upper Bound of Neutrino Masses from Combined Cosmological Observations and Particle Physics Experiments pode ser acessado neste link.

O estudo teve participação do pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP Henrique Xavier.

A pesquisa foi financiada pelo Conselho Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) através de bolsas do Ciências sem Fronteiras, pela Sociedade Astronomia Real, Conselho de Instalações de Ciência e Tecnologia Britânico (STFC), Sociedade Real e pelo Conselho Europeu de Pesquisas.

Mais informações: e-mail arthur.loureiro.14@ucl.ac.uk

FONTE: jornal.usp.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…