Pular para o conteúdo principal

Componente neuromórfico imita memória e esquecimento do cérebro


Processadores neuromórficos poderão ser maciçamente paralelos, juntarem memória e processamento nos mesmos componentes e, em última instância, levarem à chamada inteligência artificial em hardware.
[Imagem: Elena Khavina/MIPT]

Cérebro artificial

Engenheiros russos criaram um componente de memória que é capaz de imitar as sinapses do cérebro não apenas na forma de "aprender" - gravar um dado - mas também na forma de esquecer o dado, apagando-o por conta própria quando ele não é acessado por um longo tempo.

Memórias neuromórficas, que imitam a forma de funcionamento dos neurônios cerebrais, prometem computadores que funcionam de forma mais rápida por serem maciçamente paralelos, por juntarem memória e processamento nos mesmos componentes e, em última instância, levarem à chamada inteligência artificial em hardware, e não apenas em programas.

O componente principal de um neurocomputador não é um transístor, mas um memoristor, um componente que guarda dados não em estados ligado e desligado (digital, ou binário), mas de forma analógica, na variação de sua resistência à passagem de uma corrente elétrica. E, aí está o pulo do gato do memoristor, ele consegue "lembrar" das correntes que o atravessaram anteriormente, funcionando como uma memória.

O que Vitalii Mikheev e seus colegas do Instituto de Física e Tecnologia de Moscou fizeram agora foi criar um "memoristor de segunda ordem", capaz de imitar também a plasticidade cerebral, que é a capacidade das sinapses ativas de se fortalecerem ao longo do tempo, enquanto o contrário acontece com as inativas.

Memoristor de segunda ordem

Proposto em 2015, o memoristor de segunda ordem é uma tentativa de reproduzir a memória natural, completa com plasticidade sináptica. O primeiro mecanismo para implementar essa estrutura envolveu a formação de pontes condutoras através do memoristor. Embora inicialmente diminuam a resistência, elas naturalmente se deterioram com o tempo, imitando o esquecimento.

"O problema com esta solução é que o dispositivo tende a mudar seu comportamento ao longo do tempo e quebra após uma operação prolongada," explicou a pesquisadora Anastasia Chouprik, membro da equipe. "O mecanismo que usamos para implementar a plasticidade sináptica é mais robusto. De fato, depois de mudar o estado do sistema 100 bilhões de vezes, ele ainda estava funcionando normalmente, então meus colegas pararam o teste de resistência".

Em vez de nanopontes sobre o componente, a equipe usou o óxido de háfnio para imitar a memória natural. Esse material é ferroelétrico, o que significa que sua distribuição de carga interna - sua polarização elétrica - muda em resposta a um campo elétrico externo. Se o campo for removido, o material retém sua polarização adquirida, da mesma forma que um ímã permanece magnetizado.

Mas faltava a capacidade de esquecimento. Com um bocado de engenhosidade, a equipe aproveitou os defeitos na interface entre o silício e o óxido de háfnio, que fazem com que a condutividade do memoristor diminua com o tempo, assim como as memórias naturais - mas sem que ele pare de funcionar no decorrer desse tempo.


O memoristor de segunda ordem (direita) consiste em um filme fino de óxido de háfnio (rosa) entrelaçado entre um eletrodo de nitreto de titânio (azul) e um substrato de silício (azul marinho), que também funciona como segundo eletrodo. Os pulsos elétricos alternam o memoristor entre seus estados de alta e baixa resistência, alterando a polarização do óxido de háfnio e, portanto, sua condutividade.
[Imagem: Elena Khavina/MIPT]

Hardware com plasticidade

Vitalii e Anastasia implementaram seu memoristor de segunda ordem como uma junção de túnel ferroelétrico - dois eletrodos entrelaçados com uma fina película de óxido de háfnio. O componente pode ser alternado entre seus estados de baixa e alta resistência por meio de pulsos elétricos, que alteram a polarização do filme ferroelétrico e, portanto, sua resistência.

O que confere ao óxido de háfnio uma vantagem sobre outros materiais ferroelétricos, como o titanato de bário, é que ele já é usado pela atual tecnologia de silício. Por exemplo, a Intel fabrica microchips baseados em um composto de háfnio desde 2007. Isso torna a introdução de componentes baseados em háfnio, como este novo memoristor com plasticidade, muito mais fácil e mais barata do que aqueles que usam um material totalmente novo.

Antes disso, porém, será necessário entender criteriosamente todos os aspectos envolvidos nessa plasticidade em hardware. "Vamos analisar a interação entre os vários mecanismos que alteram a resistência em nosso memoristor. Acontece que o efeito ferroelétrico pode não ser o único envolvido. Para melhorar ainda mais os componentes, precisaremos distinguir os mecanismos e aprender a combiná-los," disse Vitalii.

Bibliografia:

Artigo: Ferroelectric Second-Order Memristor
Autores: Vitalii Mikheev, Anastasia Chouprik, Yury Lebedinskii, Sergei Zarubin, Yury Matveyev, Ekaterina Kondratyuk, Maxim G. Kozodaev, Andrey M. Markeev, Andrei Zenkevich, Dmitrii Negrov
Revista: ACS Applied Materials & Interfaces
DOI: 10.1021/acsami.9b08189

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…