Pular para o conteúdo principal

Conheça o "farejador de gás" e outros instrumentos que a NASA enviará à Lua



Por Daniele Cavalcante

Quatro instrumentos comerciais foram escolhidos pelo Goddard Space Flight Center, da NASA, para voar na primeira leva de novas viagens à Lua realizadas pela agência espacial, agendadas para começar no início de 2020. Eles farão parte de um conjunto maior de ferramentas que serão usadas para realizar os primeiros experimentos científicos da NASA na superfície lunar desde a era Apollo.

Esses instrumentos ajudarão os cientistas a compreender melhor a Lua antes que a agência inicie o programa Artemis, que levará seres humanos novamente ao satélite natural em 2024. Com tecnologias avançadas, os equipamentos vão coletar informações sobre a quantidade de água na atmosfera lunar e em sua superfície, medirão campos magnéticos e determinarão a frequência de sinais de rádio que podem alcançar a Lua.

Ressuscitando o modelo japonês


O instrumento SEAL construído em 1998 como um modelo de engenharia para a primeira espaçonave interplanetária do Japão (Foto: NASA / Goddard Space Flight Center)

Um desses instrumentos é o espectrômetro SEAL, construído em 1998 como um modelo da primeira espaçonave interplanetária do Japão, a Nozomi, que iria até Marte. Infelizmente, devido a uma série de problemas de funcionamento em 2003, a missão Nozomi não vingou, e o SEAL ficou “engavetado” — ou melhor, foi deixado em uma câmara de vácuo por 15 anos. No início de 2019, o cientista do NASA Goddard, Mehdi Benna, decidiu usá-lo para as pesquisas na Lua.

Para isso, foi necessário remodelar o instrumento, o que não foi fácil fazer com uma tecnologia de 25 anos. Benna e sua equipe, que conta com dois engenheiros que construíram o espectrômetro original, tiveram que ressuscitar os componentes eletrônicos do sistema e vasculhar documentos técnicos antigos. Além de trazer o espectrômetro de volta à vida, o time o aprimorou com tecnologias que ainda não existiam no final dos anos 1990.

Mas o que ele faz? Bem, se a viagem e o pouso na Lua derem certo, o espectrômetro medirá o gás que é liberado pelo sistema de propulsão da sonda na atmosfera da Lua. Na verdade, o SEAL começará a fazer suas medições antes do pouso, à medida em que o módulo de aterrissagem estiver entrando na órbita da Lua e durante sua descida à superfície. Depois de pousar, o SEAL vai “farejar” as moléculas de escape do motor que chegaram à superfície da Lua, em especial as moléculas de água e dióxido de carbono. Isso ajudará os cientistas a determinar como a temperatura na Lua afeta as moléculas que podem evaporar facilmente, e também fornecerá informações sobre a estabilidade da água por lá.

Estudando a água e as ondas de rádio

Outro instrumento que fará parte dessa missão é o PROSPECT Ion-Trap Mass Spectrometer, ou simplesmente PITMS, que parece uma câmera fotográfica antiga. Ele estudará como a água da Lua responde às mudanças de temperatura, e coletará moléculas de água, argônio, nitrogênio, dióxido de carbono, monóxido de carbono e metano, classificando-as com base em suas massas para identificar se seus volumes mudam ao longo o dia lunar.


Ilustração do PITMS (Imagem: Open University)

Espectrômetro de radiofrequência

Por fim, outro instrumento é um espectrômetro de radiofrequência chamado ROLSES (Radio wave Observations at the Lunar Surface of the photoElectron Sheath). Ele estudará as condições que podem afetar as futuras observações de rádio a partir da Lua, medindo a densidade do plasma de elétrons para ajudar os astrônomos a sintonizarem seus instrumentos de rádio com o sinal de frequência mais baixa. Além disso, o ROLSES medirá quanta interferência as ondas de rádio da Terra atingem o lado mais próximo da Lua.

Isso será bastante útil para o estudo das ondas de rádio de baixa frequência que chegam do espaço primitivo até o lado afastado da Lua. É que é muito difícil detectar e estudar esses sinais aqui na Terra, porque nós produzimos muitas ondas de rádio que causam interferência. Até mesmo no lado próximo da Lua essas ondas atrapalham a análise de ondas que chegam de longe. Mas, no lado afastado da Lua, aquele que nunca se vira para a Terra, é um ótimo lugar para instalar observatórios de rádio. Isso ajudaria os cientistas a determinar a composição do universo durante o período conhecido como Idade das Trevas — que acontece depois do Big Bang e antes da formação das primeiras estrelas.



FONTE: NASA via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…