Pular para o conteúdo principal

Primeira cientista-astronauta portuguesa procura apoio para continuar estudando o espaço


Um novo curso, também com o apoio da NASA, sobre geologia lunar, no Arizona, tem um custo de quase 2.500 euros (D.R.)

Em dezembro, Ana Pires tornou-se a primeira mulher portuguesa a receber o diploma de cientista-astronauta da NASA. Ainda este mês espera reunir-se com Rui Moura, o primeiro português a fazer o mesmo.

Por Maria Martinho

Tem 38 anos, é natural de Espinho e quando criança foi fascinada por carros e automação, muito motivada por um tio mecânico. Ana Pires chegou mesmo a ponderar enveredar pela metalurgia, mas, quando a irmã lhe falou no curso de Engenharia Geotécnica e Geo-ambiente do Instituto Politécnico do Porto, identificou-se imediatamente com a área.

Depois de se debruçar sobre as rochas, os minerais ou a evolução da linha de costa, Ana apaixonou-se também pela robótica e pelos sistemas autônomos, frequentando atualmente o mestrado em Engenharia e Eletrotécnica e de Computadores – Ramo de Sistemas Autônomos do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP). Além disso, é investigadora no Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência.


O curso já feito teve formação teóricas, mas também aulas práticas (D.R.)

Em 2016 viu o professor, geólogo e piloto Rui Moura a ser selecionado para frequentar o curso do projeto POSSUM – Polar Suborbital Science in the Upper Mesosphere, um programa comercial orientado para o estudo da mesosfera e desenvolvido com o apoio da Agência Espacial Norte-Americana (NASA).

Rui tornou-se, assim, o português mais bem preparado para uma viagem espacial, o que suscitou em Ana um enorme interesse. Tanto que a fez concorrer ao mesmo programa internacional, dois anos depois, sendo uma das 12 escolhidas para ingressar nesse mesmo curso, em setembro. Com o apoio das instituições acadêmicas a que está ligada, o ISEP, o Inesc-Tec e o Instituto Politécnico do Porto, conseguiu pagar as propinas, no valor de cinco mil dólares, e partiu à aventura. Na bagagem levava dois objetivos claro: “Desafiar-me a mim própria e abrir as portas da industria espacial à minha instituição”.


Ana Pires espera reunir-se com Rui Moura ainda este mês para “juntarem esforços e massa crítica”. A ideia é ganhar mais protagonismo junto da NASA e colocar Portugal no mapa espacial (D.R.)

A formação que prepara os candidatos para voos espaciais suborbitais durou um mês e meio e incluiu aulas teóricas remotas e aulas práticas na Embry-Riddle Aeronautical University, na Flórida. Por lá, a cientista-astronauta teve, por exemplo, a oportunidade de fazer uma simulação de uma missão vestida a preceito.

Um macacão espacial demora meia hora para vestir, oferece pouca mobilidade e é necessário controlar sempre a sua pressão”, diz ela.

Testaram-se limites e avaliaram-se sintomas da falta de oxigênio. “Houve pessoas que vomitaram, outras desmaiaram, eu fiquei com a face muito vermelha e quente, mas nunca perdi a consciência. Foi duro fisicamente”, confessa. Esta não foi a única experiencia que ali viveu. Também participou em voos acrobáticos para sentir as forças G, ou seja, “aquilo que os astronautas sentem quando estão partindo para o espaço”, e “em sessões em câmaras hiperbáricas para observar o impacto da hipóxia [escassez de oxigênio].”

Movida pela constante curiosidade e o fascínio pelo desconhecido, a investigadora portuguesa sabe que ainda há muito para fazer, explorar e descobrir. “Este é apenas o primeiro passo para continuar a formação especializada nesta área, mas não pretendo ficar por aqui. Quero continuar a trabalhar, com a cabeça na lua e os pés bem assentes na terra.” Reúne mensalmente com a equipa dos Estados Unidos para conseguir perceber de que forma é que pode contribuir com os seus conhecimentos neste programa
de investigação e qual o melhor caminho a seguir.



Em maio de 2019, irá participar num novo curso com o apoio da agência espacial sobre geologia lunar, no Arizona, para o qual precisa de apoios que financiem uma quantia de 2.800 dólares (quase 2.500 euros). Ainda este mês espera reunir-se com Rui Moura para “juntarem esforços e massa crítica”, procurando ganhar mais protagonismo junto da NASA e colocar Portugal no mapa espacial.

FONTE: observador.pt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…